Nesta nova entrevista da rubrica “Dentro da carteira de”, Elisabete Lourenço, autora do livro Faz Crescer o teu Mealheiro, um livro que tem como missão trazer a literacia financeira às crianças, numa linguagem que estas percebam e com dicas que vão poder interiorizar e aplicar desde cedo. Conheça o seu percurso e o seu livro nesta entrevista.

Elisabete Lourenço é licenciada em Gestão e pós graduada em Finanças. Tem 40 anos e há relativamente pouco tempo trocou a sua carreira profissional de Diretora Financeira de uma empresa multinacional para uma de freelancer onde desenvolve vários trabalhos juntos das PME’s, na área da consultoria, contabilidade, formação, controlo de gestão…

Qual é o seu ‘background’ na área das finanças?

Trabalho na área financeira desde os 18 anos. Quando iniciei a faculdade, comecei a trabalhar num gabinete de contabilidade o que inicialmente seria um part-time, acompanhou-me durante os 5 anos de licenciatura e que me proporcionou um “background” fantástico para ingressar no mercado de trabalho.

Terminei a licenciatura e entrei numa empresa industrial Espanhola como Contabilista Sénior, a empresa teve um crescimento exponencial no mercado português e sempre acompanhei esse crescimento, sendo convidada de seguida para a função de Controller em Portugal.

Posteriormente assumi a posição de Diretora Financeira, num grupo multinacional. Recentemente decidi direccionar o meu trabalho para as PME’s, como assessora e consultora de negócios, onde tenho como grande objetivo auxiliar empresários no desenvolvimento e crescimento dos seus negócios, através da partilha de conhecimentos e experiências que obtive ao longo da minha carreira.
Entre outras tarefas que desenvolvo com os meus clientes, uma das primordiais é a gestão financeira.

O que a motivou a escrever um livro de poupança dirigido ao público infantil?

Foi por um mero acaso!

Lancei o desafio a um centro de estudo da minha zona de residência em realizar workshops de educação financeira infantil, os míudos adoraram e o feedback dos pais também foi positivo.

Entretanto realizei alguns trabalhos de empreendedorismo infantil com alguns colégios e juntas de freguesia, onde esse tema também era abordado e comecei-me a aperceber que as crianças tinham poucas noções de literacia financeira, nomeadamente saberem a origem do dinheiro, para algumas crianças o facto dos pais terem um cartão bancário significava que teriam sempre dinheiro e podiam comprar tudo!

Confesso que fiquei um pouco assustada ao perceber a forma como o dinheiro e o consumo são vistos pelas crianças, que serão os nossos adultos de amanhã…
Apercebi-me também que na escola esta questão não era abordada e quando abordada é apenas numa perspectiva de incentivar à poupança.

Como podemos incentivar uma criança à poupança quando muitas delas não sabem valorizar o dinheiro?
A educação financeira, no seu todo, é muito mais que poupança, é sobretudo uma prática diária.
Surge então o livro “Faz CRESCER o teu mealheiro!” um diário que ajuda a criança e os educadores na gestão diária da sua semanada e das suas poupanças.

O que vamos encontrar em “Faz crescer o teu mealheiro?”

O livro “Faz Crescer o teu Mealheiro!“, está estruturado sob a forma de diário e o seu objetivo primordial é ajudar as crianças e os adolescentes na gestão do seu dinheiro e da sua semanada, é um livro para pais e filhos, que deverá ser preenchido no seio familiar, é uma ferramenta útil para dar os primeiros passos na educação financeira.
O livro inicia-se com a definição dos seus sonhos ou objetivos para os próximos 12 meses incentivando a criança a ter um propósito para as suas poupanças.
Seguidamente, proponho que façam um registo das entradas e saídas da sua semanada, deste modo conseguem mais facilmente identificar os seus erros e melhorar, nas semanas seguintes, as suas escolhas.

No diário existe também um quadro onde os pais poderão colocar os prémios atribuídos por tarefas extras, que entendam que devam ser premiadas, desta forma será mais rápido a criança ver o seu mealheiro crescer e o seu objetivo alcançado, adquire também a percepção que o dinheiro “não cai do céu” e a sua aquisição está associada a um esforço ou uma contrapartida.

O saldo restante da semanada e dos prémios recebidos, irá para o seu mealheiro para comprar o desejo que definiu inicialmente.

Ao longo do livro são explicados conceitos básicos de literacia financeira e são dadas algumas dicas para fazer crescer o mealheiro.
Para os adultos também são dadas 10 dicas fundamentais para aplicarem com os mais novos.

Acha que a literacia financeira em Portugal é suficiente? Mudaria alguma coisa no atual programa de ensino das escolas nesse sentido?

Sou da opinião que nunca é demais literacia financeira, tanto para crianças como para adultos.
Em Portugal ainda é um tema pouco abordado, apesar de já estarmos mais sensibilizados para a sua importância.

Relativamente ao tema da educação financeira diria que o dinheiro faz parte do quotidiano familiar, portanto cabe, em primeiro lugar, à família educar/ensinar as bases às crianças para saberem lidar com um dinheiro de uma forma saudável e equilibrada, importa referir que a educação financeira não é só ensinar a poupar, é sobretudo ensinar a poupar e ensinar a gastar!
A escola deverá ter um papel de acompanhar, reforçar e consolidar a formação adquirida em casa, através de workshops esporádicos e/ou actividades extra-curriculares: jogos, teatros, leitura, etc

Para ensinar uma criança a poupar desde cedo qual é o primeiro passo, a primeira coisa que lhe devemos ensinar?

  1. Resiliência.
  2. Saber esperar.
  3. Ensinar a adiar os desejos imediatos.

Este, sem dúvida, parece-me ser o maior desafio para os pais na sociedade em que vivemos.
A oferta é demasiado ampla e surge em todo o lado, a publicidade “fala” com as crianças a toda a hora (na rua, na tv, nos gadgets) incute-lhes a ideia que tudo é importante e urgente, transforma rapidamente produtos supérfluos em necessidades urgentes.

Cabe aos pais, desde cedo, o (ingrato) papel de dizer um NÃO firme e saber explicar: de onde vem o dinheiro, como o obtemos, a importância de termos de saber fazer as nossas escolhas…
Os desejos das crianças serão sempre infinitos, mas o dinheiro não!

Quais são as suas três dicas de poupança favoritas para crianças?

As dicas são distintas dependendo da idade da criança e da sua maturidade.

  1. A partir dos 3 anos a criança deve ter o seu mealheiro e começar a ter as suas notas e moedas para familiarizar-se com o valor monetário do dinheiro e com a palavra poupança.
  2. A partir dos 6 anos de idade as crianças já querem imitar os adultos em tudo, portanto dar-lhes a possibilidade de começarem a ter a sua autonomia financeira, de terem um pequeno valor monetário para gerir, é um passo muito importante para a educação financeira.
  3. Poderá começar por lhe dar dinheiro ao fim de semana, ou nas férias e posteriormente uma semanada fixa.
    Permita o erro, ele vai seguramente acontecer e é fundamental que as crianças aprendam com os seus erros.

Nesta fase é muito importante começarem a planear e a definirem os seus desejos/objetivos para que tenham um incentivo para as suas a poupanças.
Fazerem as suas próprias prendas, trocarem as atividades pagas por gratuitas, praticarem atos de solidariedade e generosidade, permite que as crianças aprendam o valor do dinheiro e a importância do SER em vez de o TER.

Quando os pais acharem que a criança já tem maturidade suficiente, deverão substituir a semanada pela mesada e permitir, cada vez mais, a sua autonomia financeira, contar histórias de vida de figuras públicas e empreendedores bem sucedidos pelo seu esforço e organização financeira é um bom exercício para incentivar à poupança.

Coloca as dicas do seu livro em prática na sua vida pessoal?

Sim, sempre fui muito organizada em assuntos de finanças pessoais e orçamentos familiares, sobretudo se tiver um objetivo bem definido

O dinheiro para si é…?

Um instrumento de troca.
Um (dos) meios para se atingir um fim.

Que extravagância faria se lhe saísse o Euromilhões?

Na realidade sou uma pessoa pouco extravagante, mas faço o possível para ir fazendo as minhas extravagâncias, ao longo da vida, sem esperar pela sorte do Euromilhões … até porque jogo muito pouco… 🙂
Se o Euromilhões me saísse, seria certamente para fazer algo com uma dimensão maior, um projeto social!

Esperamos que o leitor tenha gostado de conhecer a escritora Elisabete Lourenço. 🙂
Se lhe interessa a temática do livro “Faz Crescer o Teu Mealheiro”, convidamo-lo a conhecer também a Adelaide Miranda, autora do livro “Guia Prático de Educação Financeira“, um livro para a etapa seguinte: a adolescência.

Se desejar ler as outras entrevistas da rubrica “Dentro da carteira de”, deixamos-lhe os links para as anteriores: