Carreira e Negócios

Férias não gozadas: Conheça direitos e obrigações

Não gozou no ano as férias a que tinha direito ou teve doença prolongada_ Saiba o que acontece às férias não gozadas.

Carreira e Negócios

Férias não gozadas: Conheça direitos e obrigações

Não gozou no ano as férias a que tinha direito ou teve doença prolongada_ Saiba o que acontece às férias não gozadas.

Se por algum motivo durante o ano não conseguiu, ou não quer gozar, os dias de férias a que tinha direito (se esteve em situação de doença prolongada ou se o contrato terminar, por exemplo), sabe o que acontece às férias não gozadas?

As situações que originam férias não gozadas são diferentes e, por isso, a resposta não é única. Ou seja, o que acontece às férias não gozadas depende do motivo que lhes esteve subjacente.

Dias de férias são irrenunciáveis e são pagos

O direito a férias é irrenunciável e encontra-se consagrado na lei no artigo 237.º do Código de Trabalho (CT). Os dias de férias a que tiver direito são remunerados, ou seja, durante os dias de férias tem direito a receber o seu salário como se estivesse a trabalhar.

Para além da remuneração, tem também direito ao subsídio de férias de valor idêntico ao valar da remuneração dos dias de férias (artigo 264.º do CT).

Dos 22 dias de férias só gozei 17. Posso receber o valor dos dias não gozados?

Não. O direito às férias não pode ser substituído, ainda que com acordo entre as partes, por remuneração de qualquer tipo (artigo 237.º). No entanto, pode renunciar a gozo dos dias que excedem 20 dias úteis (artigo 238.º), não perdendo direito ao subsídio de férias correspondente.

Dias de férias reportam ao ano anterior

O direito aos dias de férias vence-se a 1 de janeiro de cada ano e reporta-se (em regra) ao trabalho prestado no ano civil anterior, mas sem estar condicionado à assiduidade nesse mesmo período (artigo 237.º).

Ou seja, se faltar durante o ano civil não perde o direito à totalidade dos dias de férias que se vencem no ano seguinte. A única exceção é quando as faltas se devem a situação de baixa médica por um período superior a um ano.

Leia ainda: Dias de férias: Sabe quantos dias pode tirar num ano?

Período de férias tem de ser acordado entre as partes

O período de férias é marcado por acordo entre o trabalhador e a entidade patronal (artigo 241.º). Na marcação, deve ser tida em conta a situação familiar, sendo que os períodos mais concorridos serão distribuídos entre os colaboradores com alternância anual (ou a combinada) por forma a que todos possam beneficiar dos mesmos.

Outras das medidas relevantes, preconizada na lei, prende-se com as situações em que ambos os cônjuges trabalham na mesma empresa, o que lhes confere o direito a gozar férias em conjunto.

Férias devem ser gozadas no ano em que vencem

Muitas vezes, pensamos deixar férias para o ano seguinte mas, de facto, as férias vencidas num ano devem ser gozadas nesse mesmo ano (artigo 240.º).

Isto quer dizer que não deve deixar férias para o ano seguinte, mas existem exceções:

1. Se acordar com a entidade patronal

Com o acordo da sua entidade empregadora pode gozar alguns dias até 30 de abril do ano seguinte, juntando-as às férias que se vencem nesse ano.

Atenção, se não conseguir gozar até 30 de abril por sua responsabilidade, perde o direito aos dias e também não recebe qualquer compensação financeira.

Porém, se não conseguir gozar, mas por responsabilidade da entidade patronal, então tem direito a uma compensação no valor do triplo da retribuição correspondente ao período em falta.

2. Se planear férias com familiar residente no estrangeiro

Se tiver um familiar no estrangeiro pode juntar as férias de um ano às do ano seguinte, sem necessidade de obter o acordo da entidade patronal (nos termos do artigo 240º).

Mulher doente deitada no sofá

Impossibilidade de gozar férias por doença

Se estiver doente ou, como diz a lei, se verificar uma "falta motivada por impossibilidade de prestar trabalho devido a facto não imputável ao trabalhador", existem várias situações a ter em conta quanto a gozar férias, ao direito ao subsídio de férias e ao número de dias a que terá direito no ano seguinte.

De facto, tudo depende do tipo de baixa, ou seja, do período que esteve ausente. Assim, se esteve:

Doente por uns dias

Se ficar doente apenas por uns dias fora do período em que marcou férias, pode gozar as férias nos dias que já tinha marcado. De acordo com artigo 237.º, o direito aos dias de férias de um ano não está associado à assiduidade, no ano seguinte terá direito à totalidade dos dias de férias e do respetivo subsídio.

Se ficar doente durante as férias, também não há razões para se preocupar. Envie à sua entidade patronal a justificação médica (artigo 244.º) e os dias de férias serão suspensos. Depois, no regresso é só acordar quando pode marcar as suas férias não gozadas.

Lembre-se que, por acordo, pode gozar até 30 de abril do ano seguinte, e por isso essa pode ser uma solução. Também, neste caso, no ano seguinte terá direito aos dias de férias e ao subsídio de férias na sua totalidade.

Doente por um período superior a 30 dias

No caso de estar baixa médica por um período superior a 30 dias, situação considerada como impedimento prolongado, ocorre a suspensão do contrato de trabalho. Neste caso, existem também duas situações:

Se a baixa se iniciar e terminar no mesmo ano civil

Neste caso, o trabalhador pode optar por gozar dos dias de férias até ao dia 30 de abril do ano seguinte, ou receber o valor referente às férias não gozadas (artigo 244.º). Em qualquer dos casos tem direito a receber o subsídio de férias. No ano seguinte, terá direito à totalidade dos dias de férias e ao respetivo subsídio.

Se a baixa tiver a duração de mais de um ano

Neste caso, a baixa inicia-se num ano e termina no ano seguinte.

No ano em que inicia a baixa, vence-se o direito a férias no dia 1 de janeiro desse ano. Assim, o trabalhador tem direito ao número de dias de férias e ao respetivo subsídio. Também neste caso, relativamente às férias não gozadas, pode optar por gozar quando regressar ou receber a retribuição correspondente.

No ano de regresso ao trabalho, o número de dias de férias a que terá direito é calculado de acordo com as regras usadas no ano de admissão do trabalhador. Conte com dois dias úteis de férias por cada mês até ao final do ano, sendo que os pode gozar após seis meses. E, claro, ao respetivo subsídio.

Vejamos um exemplo. O Miguel (nome fictício) esteve de baixa prolongada de 1 março de 2020 a 1 de abril de 2021.

Em janeiro de 2020 ganhou o direito a 22 dias de férias, como não as gozou até 31 de dezembro desse ano pode optar por receber o valor das mesmas ou gozar quando acabar a baixa.

Como regressou ao trabalho em abril, tem direito a dois dias de férias até ao final do ano, ou seja, 16 dias. Poderá gozar a partir de outubro.  

Se a baixa tiver a duração de mais de dois anos

Neste caso, relativamente ao ano intercalar não terá direito a dias de férias. Para os anos inicial e final da baixa aplica-se o já descrito anteriormente.

Se a baixa for por licença de parto

Se a baixa for por licença de parto (ou adoção), situação de risco clínico durante a gravidez ou interrupção de gravidez, não perde o direito às férias não gozadas. Mesmo que a situação se prolongue para além do final do ano civil. Poderá usufruir desses dias logo após terminar a licença de parto, ou mais tarde se for acordado com a sua entidade patronal (artigo 65.º do CT)

Leia ainda: Está grávida? Fique a conhecer os seus direitos no trabalho

Impossibilidade de gozar férias por cessação de contrato

Por cessação de contrato (por exemplo, por despedimento), o trabalhador tem direito a receber a retribuição de férias e respetivo subsídio de férias vencidas e não gozadas e ao proporcional ao tempo de serviço prestado no ano da cessação do contrato (artigo 245.º).

Vejamos este exemplo. O Joaquim (nome fictício) foi abrangido pelo despedimento coletivo que a sua empresa teve de fazer em março de 2021.

Em 2021, ainda não tinha gozado as férias vencidas. Assim, tem direito a receber o valor da remuneração dos 22 dias de férias não gozadas e respetivo subsídio de férias. Para além disso, como o despedimento ocorreu em março recebeu ainda o valor de 4 dias úteis de férias relativas ao trabalho prestado em 2021.

Leia ainda: Doenças profissionais: Que direitos tem e o que fazer se adoecer

Partilhe este artigo
Artigos Relacionados
Ver todos
Tem dúvidas sobre o assunto deste artigo?

No Fórum Finanças Pessoais irá encontrar uma grande comunidade que discute temas ligados à Poupança e Investimentos.
Visite o fórum e coloque a sua questão. A sua pergunta pode ajudar outras pessoas.

Ir para o Fórum Finanças Pessoais
Deixe o seu comentário

Indique o seu nome

Insira um e-mail válido

Fique a par das novidades

Receba uma seleção de artigos que escolhemos para si.

Ative as notificações do browser para receber a seleção de artigos que escolhemos para si.

Ative as notificações do browser
Obrigado pela subscrição

Queremos ajudá-lo a gerir melhor a saúde da sua carteira.

Não fique de fora

Esta seleção de artigos vai ajudá-lo a gerir melhor a sua saúde financeira.