Conheça a nova fórmula de cálculo que incorpora um prémio de 2.75% e tornam os certificados de aforro um investimento interessante.

Pedro Pais é o fundador do financaspessoais.pt e do forumfinancas.pt. O Pedro é um dos maiores promotores de literacia financeira em Portugal contribuindo com centenas de artigos, ferramentas e simuladores que ajudam as pessoas a poupar, a investir ou a decifrar os mistérios da fiscalidade.

Desde Fevereiro de 2015 que a série C deixou de estar disponível para subscrição. A nova série (D) apresenta taxas muito inferiores.

De há uns tempos para cá os certificados de aforro (série C) ganharam renovado interesse com a aplicação de uma fórmula de cálculo temporária (até 2016) que incorpora um prémio de 2,75%, tornando-se assim dos produtos conservadores mais atractivos, ora vejamos:

Remuneração alta

Conforme referido, o novo método de cálculo proporciona rentabilidades brutas anuais superiores à maioria dos depósitos a prazo, situando-se para as subscrições de Outubro em 3,189%. Esta taxa é revista trimestralmente (segundo uma fórmula que considera a evolução da Euribor), incorporando até 2016 um prémio de 2,75%.

Disponível para montantes baixos (mas também para altos)

O investimento mínimo é de € 100, e o máximo de € 250.000, pelo que está disponível para os pequenos aforradores e para os mais abastados.

Flexível

Depois do primeiro período de vencimento de juros (ao fim do 1.º trimestre), os certificados de aforro podem ser resgatados total ou parcialmente de forma livre e sem encargos. Ou seja, passando os três primeiros meses pode resgatar o dinheiro em qualquer altura, o que face ao rendimento que proporciona é muito interessante. De notar que aparentemente o resgate só é possível directamente nos CTT, não sendo possível através da Internet.

Baixo risco

Os certificados de aforro são títulos de dívida pública, pelo que gozam da garantia da República Portuguesa. Como é do conhecimento geral, os investidores têm associado um maior risco à dívida pública Portuguesa do que era habitual, contudo na nossa opinião e no contexto nacional, são produtos de baixo risco e até inferior ao dos depósitos a prazo.

Patriotas

Os certificados de aforro são uma forma do Estado se financiar internamente, através da captação das poupanças familiares, diminuindo a necessidade de se ter de recorrer a credores estrangeiros, aumentando a independência financeira do país. Assim, será certamente positivo se pudermos contribuir para o reforço dessa independência (que nos toca a todos), especialmente se não formos individualmente prejudicados, uma vez que se tratam efectivamente de produtos atractivos.

Como subscrever

A forma mais prática de subscrever os certificados de aforro é abrir nos CTT uma conta AforroNet (serviço disponibilizado pelo IGCP), que lhe permite subscrever certificados de aforro e consultar a carteira existente através da Internet. A subscrição e consulta pode sempre ser feita directamente nos CTT, se preferir.

Mais informações

Descrição dos certificados de aforro (IGCP)

Taxas de juro para os certificados de aforro (IGCP)

FAQ certificados de aforro (CTT)