Contas bancárias

5 soluções que prometem mudar as experiências financeiras para melhor

É sempre possível melhorar as experiências financeiras. Seguem-se 5 novidades que prometem conforto, simplicidade e poupança.

Contas bancárias

5 soluções que prometem mudar as experiências financeiras para melhor

É sempre possível melhorar as experiências financeiras. Seguem-se 5 novidades que prometem conforto, simplicidade e poupança.

Comodidade, simplicidade e custo zero. Estes são os critérios de escolha que, cada vez mais, pesam na decisão de abrir uma conta bancária, fazer pagamentos, investir as poupanças e escolher o prestador de serviços para estas operações.

Não tem tempo para ir ao banco? Quer saber, num só contacto, qual o montante que tem em vários bancos e quanto estão a render? Quer fazer pagamentos sem intermediários, sem cartões ou até só utilizando a sua impressão digital? Já é possível.

Neste artigo, reunimos algumas novidades e alternativas que estão a surgir no mercado e que prometem fazer das operações financeiras, usualmente aborrecidas, morosas e burocráticas, numa experiência positiva.

Tecnologia e PSD 2 marcam novo ritmo

A banca tradicional está a mudar. Se durante muito tempo foi a credibilidade e a fidelidade que ditaram as preferências, hoje damos mais importância às experiências e à poupança. A tecnologia e a digitalização nas finanças vieram para ficar. Um exemplo em permanente crescimento são as fintech - os novos players financeiros que oferecem serviços financeiros para gerir o dia-a-dia, poupar e investir. Tudo a partir de aplicações. O principal impulsionador desta transformação é, sem dúvida, a tecnologia.

Mas muito se deve também à legislação. Por exemplo, a nova diretiva de serviços de pagamento - PSD 2 - veio permitir que possa compilar toda a informação financeira sobre contas, empréstimos, poupanças, cartões de crédito, investimentos que tem em várias instituições num só ecrã.

Outra grande novidade que a PSD 2 traz é a banca aberta. Ou seja, a possibilidade de escolher o interface onde faz a gestão das suas contas, mesmo que domiciliadas em bancos distintos, podendo este ser, ou não, providenciado pelo seu banco. Desta forma, os bancos deixam de ser os únicos a poder prestar serviços de pagamentos.

1. Experiências financeiras com contas 100% digitais

A inovação não tem travão em matéria de meios de pagamento. E continua a surpreender o mercado. Agora, pode ter uma conta para receber dinheiro, fazer transferências e pagamentos, gerir débitos diretos, tal qual uma tradicional conta bancária comum num banco físico.

A novidade é que uma conta com estas características pode ser totalmente digital.

Estão a nascer os neobancos que não totalmente baseados na nuvem e sem qualquer estrutura física. Esqueça toda a papelada necessária, tempo e burocracias a que está habituado quando vai ao banco abrir uma conta. Estas contas 100% digitais não utilizam papel e o processo de abertura promete estar pronto em pouco minutos.

Este tipo de serviço é uma aposta, por exemplo, do Viva Wallet, o primeiro neobanco europeu totalmente baseado "na nuvem". Mas não só. Por cá, há o exemplo do Unibanco que dispõe de uma conta bancária 100% digital desde a subscrição. Essa conta está associada a um cartão pré-pago para gastar onde quiser. É gratuita, ecológica e funciona através de uma APP e de um cartão pré-pago que permite gastar entre 10 a 5.000 euros por dia.

Leia ainda: Bancos online: vantagens e cuidados a ter

sustentabilidade ambiental ilustrada com produção fotográfica de uma mão que segura um mundo em vidro, transparente e fragil

2. Sustentabilidade no centro das experiências financeiras

O compromisso com a sustentabilidade, com o "ser verde" e "ser ético" já entrou na mentalidade do setor financeiro, especialmente das novas empresas. Algumas já trazem a sustentabilidade no seu ADN. São construídas de forma ambientalmente amigável, mas não se ficam por aí.

Neste campo, as Green Fintech, como são conhecidas, são incontornáveis. Estas empresas têm a sustentabilidade no seu modelo de negócios e destinam-se a impulsionar negócios mais verdes e ajudar a impulsionar comportamentos mais ecológicos. É o caso da Minimum. Esta veio revolucionar a forma de gerir e reduzir a pegada carbónica. Apresenta a pegada carbónica nas diversas transações financeiras que realiza e tudo no ecrã do telemóvel, através da utilização de uma APP. Além disso, ainda sugere alterações de comportamento e locais para fazer compras com o objetivo de minimizar as emissões de CO2. A Helios também proporciona esse serviço e dá a possibilidade de o cliente investir em projetos sustentáveis.

Ler ainda: Sustentabilidade ambiental: 10 explicações para a urgência de mudar    

3. Pagamentos só com a impressão digital

Não é ficção científica. Em breve vai ser possível fazer pagamentos sem sair do carro e sem qualquer outro aparelho. Só precisa da sua impressão digital. É pelo menos essa a expectativa da parceria entre a Mercedes-Benz e a Visa que estão a trabalhar nesta nova solução de pagamentos. Esta inovação representa mais um avanço nas novas tendências de mobilidade e promete oferecer novas experiências financeiras, especialmente para compras online. Em segurança e com simplicidade, à distância de uma impressão digital e sem utilizar telemóveis ou inserir passwords para autenticação.

4. Pagamentos sem cartão

Os cartões eletrónicos tornaram-se o meio de pagamento por excelência quer no comércio eletrónico, quer nos postos de venda. Mesmo com a pandemia, a tecnologia contactless de que a maioria já dispõe veio permitir uma utilização segura. Ainda assim, pagar compras através do telemóvel e sem utilizar o cartão, nomeadamente, por via da tecnologia MB Way também se está a tornar num modo de pagamento frequente. No entanto, é preciso estar associado a um cartão.

A grande novidade que promete ser disruptiva está no pagamento sem cartão. A vantagem? Poupa plástico e a anuidade do cartão. Além de não serem necessários cartões, as transações são efetuadas diretamente a partir das contas bancárias sem recorrer a quaisquer fornecedores de serviços de pagamento. A tecnologia para proporcionar pagamentos sem cartão está a ser desenvolvida por uma fintech, a Kevin, que pode ser só a primeira. Isto porque essa tecnologia baseia-se na banca aberta proporcionada pela PSD 2. A introdução desta inovação no sistema de pagamentos promete, assim, ser uma verdadeira disrupção no modo como pensamos e fazemos pagamentos.

Ler ainda: No momento de pagar usa Visa ou Multibanco? Qual a diferença?

5. Cartões bancários para todos

"Incluir" também é uma palavra de ordem nas finanças. Garantir o acesso às mesmas experiências financeiras deve ser uma responsabilidade dos players do setor financeiro. Hoje, há uma preocupação maior destas empresas em disponibilizar serviços mais adaptados às necessidades dos clientes e que sejam capazes de melhorar, substancialmente, as suas experiências financeiras.

Um exemplo deste compromisso é o Touch Card. Trata-se de um cartão bancário, da Mastercard, especialmente concebido para invisuais e amblíopes. O cartão foi desenhado para facilitar a este público a identificação do tipo de cartão que estão a utilizar: crédito, débito ou pré-pagos através do tato.

Partilhe este artigo
Tem dúvidas sobre o assunto deste artigo?

No Fórum Finanças Pessoais irá encontrar uma grande comunidade que discute temas ligados à Poupança e Investimentos.
Visite o fórum e coloque a sua questão. A sua pergunta pode ajudar outras pessoas.

Ir para o Fórum Finanças Pessoais
Deixe o seu comentário

Indique o seu nome

Insira um e-mail válido

Fique a par das novidades

Receba uma seleção de artigos que escolhemos para si.

Ative as notificações do browser para receber a seleção de artigos que escolhemos para si.

Ative as notificações do browser
Obrigado pela subscrição

Queremos ajudá-lo a gerir melhor a saúde da sua carteira.

Não fique de fora

Esta seleção de artigos vai ajudá-lo a gerir melhor a sua saúde financeira.