Custo Total de Posse é um conceito aplicado às finanças empresariais, mas que também se pode aplicar às suas finanças. Saiba como.

Pedro Pais é o fundador do financaspessoais.pt e do forumfinancas.pt. O Pedro é um dos maiores promotores de literacia financeira em Portugal contribuindo com centenas de artigos, ferramentas e simuladores que ajudam as pessoas a poupar, a investir ou a decifrar os mistérios da fiscalidade.

No mundo empresarial existe um conceito muito importante na compra de algum bem: custo total de posse (total cost of ownership, em Inglês). Este conceito também pode (e deve) ser aplicado ao nível das finanças pessoais.

O que é o Custo Total de Posse?

O cálculo do custo total de posse é muito relevante na compra de qualquer bem, pois através deste indicador conseguirá entender melhor quanto lhe custará usufruir do bem durante a vida útil do mesmo. Para tal deve ter em conta custos actuais e futuros associados (directa ou indirectamente) ao bem, tais como:

  • O bem precisa de outros produtos/serviços para funcionar? Se sim, quanto custam?
  • O bem necessita de manutenção? A que preço e com que periodicidade?
  • A compra do bem envolve outros custos (taxas, envios, …)? Quais e quanto custam?
  • No final da vida útil do bem terei alguns custos para me desfazer do mesmo?

Se pensarmos no exemplo do automóvel é fácil entender a importância associada a esta simples análise:

  • Um automóvel necessita de combustível para andar. Que tipo de combustível utiliza e qual o consumo?
  • Também é necessário possuir um seguro. Que seguro é adequado para este tipo de veículo?
  • Os automóveis necessitam de manutenções periódicas (vulgo revisão), qual a sua periodicidade e custos esperados?
  • Para além do preço “chave-na-mão”, terei de pagar despesas de legalização e de transporte?
  • No final de vida pode existir algum custo para abater o automóvel. Se esse for o caso, quanto custará?

Como facilmente concluirá, ir para lá do “simples” preço de um bem é muito importante. Por um lado ajuda-nos a compreender o total de custos envolvidos e por outro ajuda-nos a comparar diferentes bens (e.g., um automóvel mais caro “à cabeça” pode acabar por ser mais barato se tiver manutenções mais espaçadas e de menor custo).

Neste artigo dei o exemplo da compra de um automóvel, mas é uma análise que pode (e deve) ser utilizada para muitos mais bens: habitação, consola de jogos, computador, telemóvel, …

Já sabe, agora quando for comprar algum bem olhe para lá do preço afixado.