Empresas Familiares: Soluções para a sucessão

As empresas familiares enfrentam muitos desafios. Um dos principais é a sucessão. Mas como garantir a continuidade de uma empresa familiar?

Em Portugal, cerca de 70% das empresas são familiares, ou seja, são detidas e, em muitos casos, geridas por membros de uma mesma família. Isto significa que há em Portugal mais de 900 mil empresas com estas características, empregando cerca de metade da população ativa e representando cerca de 65% do PIB português, de acordo com dados da Associação das Empresas Familiares.

As empresas familiares beneficiam de características próprias que contribuem para potenciar o seu sucesso. Por um lado, há uma fortíssima ligação entre a propriedade da empresa e a sua gestão. Isto significa que o compromisso emocional de quem gere a empresa tende a ser maior, na medida em que o sucesso – ou o insucesso – dessa gestão se reflete diretamente no património do gestor e da sua família.

Por outro lado, a circunstância de a empresa ser familiar tende a assegurar a continuidade da cultura empresarial e um profundo conhecimento do negócio, elementos que podem ser extremamente valiosos, sobretudo em mercados mais concorrenciais, onde estes fatores diferenciadores podem destacar a empresa.

Leia ainda: Tem uma empresa e precisa da Certificação PME? Saiba como proceder

Os desafios das empresas familiares

Mas as empresas familiares enfrentam vários desafios, alguns dos quais as podem debilitar, em particular em períodos de instabilidade financeira.

Um dos desafios mais comuns é o da gestão. Ao contrário das outras empresas, nas quais a gestão é exercida de modo profissional e em dedicação exclusiva, na grande maioria das empresas familiares quem gere o negócio está diretamente envolvido na produção ou na prestação dos serviços. Esta situação pode criar desfoque, ineficiências e perda de negócio.

Outro dos desafios que as empresas familiares, mais cedo ou mais tarde, acabam por enfrentar é o da sucessão: quantas empresas familiares não desapareceram apenas porque os filhos ou os netos dos fundadores não tiveram interesse em continuar com o negócio ou porque os herdeiros não chegam a acordo quanto ao futuro da empresa?

Um estudo recente realizado pela consultora PwC revela que apenas cerca de 12% das empresas familiares chega à terceira geração.

O custo destas situações não se mede apenas na ótica do dono da empresa, mas abrange também os trabalhadores e as suas famílias, bem como fornecedores e clientes.

Leia ainda: Quanto vale a sua empresa? O simulador de avaliação ajuda

Como contornar estes desafios?

Estas situações podem ser evitadas. Em primeiro lugar, é preciso criar nas empresas familiares a consciência da existência deste desafio, mesmo que a situação não seja imediata. Aliás, é importante que estas situações sejam preparadas com antecedência, na medida em que, nalguns casos, a solução escolhida pode exigir algum tempo para o seu planeamento e execução.

Em segundo lugar, é importante chamar a atenção para o facto de que a sucessão direta, ou seja, a assunção do negócio pelos herdeiros do dono da empresa, é apenas uma das soluções possíveis.

Outras soluções existem que poderão – e nalguns casos, deverão – ser tidas em consideração, na medida em que podem vir a revelar-se mais adequadas ao caso concreto.

A separação entre propriedade e gestão é uma dessas soluções. Neste caso, o que acontece é uma sucessão ao nível da gestão da empresa, a qual poderá ser assumida por alguém de dentro ou então por alguém contratado fora, enquanto a família continua como dona do capital social da empresa.

Este pode também ser o momento ideal para profissionalizar a gestão, outro dos grandes desafios enfrentados pelas empresas familiares.

Em alguns casos, esta sucessão da gestão poderá implicar a abertura de parte do capital social da empresa à nova equipa de gestão, como incentivo para a assunção dessa responsabilidade. Porém, é possível estruturar essa abertura de modo a que a família permaneça maioritária.

Uma outra solução passa por encontrar uma forma de dar continuidade à empresa com novos proprietários, seja através de uma venda ou de uma fusão com um concorrente, por exemplo. Encontrar uma solução na concorrência não deve ser excluído à partida. Dificilmente alguém valorizará mais todo o trabalho de uma ou mais gerações do que um concorrente.

No fim do dia, o mais importante de tudo é pensar sobre este tema e planear bem a sucessão da sua empresa familiar.

Leia ainda: Obrigações de uma empresa: Quais existem e o que tem de cumprir

Nasceu em Lisboa em 1974 e é pai de 4 rapazes. Licenciado em Direito, foi advogado na VdA, Diretor Jurídico do Deutsche Bank em Portugal e advogado em prática individual. Entre 2012 e 2020, foi o sócio responsável pela área de Direito Financeiro na PLMJ. Atualmente, é Special Advisor na PLMJ, CDO na Robot, Lda. e Board Member no Doutor Finanças.

Partilhe este artigo
Artigos Relacionados
Ver todos
Tem dúvidas sobre o assunto deste artigo?

No Fórum Finanças Pessoais irá encontrar uma grande comunidade que discute temas ligados à Poupança e Investimentos.
Visite o fórum e coloque a sua questão. A sua pergunta pode ajudar outras pessoas.

Ir para o Fórum Finanças Pessoais
Deixe o seu comentário

Indique o seu nome

Insira um e-mail válido

Fique a par das novidades

Receba uma seleção de artigos que escolhemos para si.

Ative as notificações do browser para receber a seleção de artigos que escolhemos para si.

Ative as notificações do browser
Obrigado pela subscrição

Queremos ajudá-lo a gerir melhor a saúde da sua carteira.

Não fique de fora

Esta seleção de artigos vai ajudá-lo a gerir melhor a sua saúde financeira.