elementos do board conversam sobre o passado e futuro do Doutor Finanças
ícone do formato do post video
Institucional

Doutor Finanças: 7 anos em 7 perguntas

Para assinalar o 7.º aniversário do Doutor Finanças, elementos do board sentaram-se à mesa para responder a sete perguntas e fazer o balanço dos últimos anos.

Sete anos. Sete perguntas. Para assinalar o 7.º aniversário do Doutor Finanças, sentámos à mesa elementos do board para um desafio. Em sete porquinhos mealheiro estavam sete perguntas diferentes.  

O maior desejo para o futuro da empresa, quem levariam para uma ilha deserta, onde estavam no dia 31 de outubro de 2014 ou o que representa o Doutor Finanças foram algumas das perguntas retiradas à sorte dos mealheiros. Um balanço descontraído e animado dos últimos anos que fechou com uma palavra do CEO Rui Bairrada. 

Qual é o teu maior desejo para o Doutor Finanças?  

A primeira pergunta foi lançada por Nuno Leal, Chief Incubator Officer (CIO) a Hugo Rosa Ferreira, CEO do Doutor Finanças Empresas.  

Um dos seus maiores desejos é que "daqui a cinco anos estejamos em vários países a ajudar pessoas de diferentes culturas e com o sucesso redobrado e multiplicado”, respondeu Hugo Rosa Ferreira, que deixou a nota, em tom de brincadeira: “devem ser países com praia”.  

Quem do board escolhias para ir contigo para uma ilha deserta e porquê? 

E falando em praia, surge uma nova questão. Afinal quem é que Ricardo Santos, Chief Brand Officer (CBO), levaria do board para uma ilha deserta e porquê? A pergunta é atirada por Sérgio Cardoso, non-executive board member.

A pergunta faz soar gargalhadas à volta da mesa. Mas Ricardo Santos é prático: “Se não fosse para lá ficar levava o Sérgio. Ele é ‘engenhocas’, se eu quisesse sair de uma ilha deserta com uma jangada” seria a melhor solução. O CBO não se fica por aqui e prevê outros cenários.

Qual foi a situação mais engraçada que viveste no Doutor Finanças? 

A próxima questão é lançada a Cláudio Santos Chief Commercial Officer (CCO), por Ricardo Santos. “Eu acho que o humor e o bom humor fazem parte do nosso ADN”, começa por dizer Cláudio Santos.  

O CCO conta a história de “Mamadu Spread Baldé”, uma personagem que nasceu em 2018 e que tem acompanhado o Doutor Finanças em vários momentos.

Onde é que estavas a 31 de outubro de 2014? 

É Cláudio Santos que pergunta a Rui Costa, Chief Operating Officer (COO). A 31 de outubro de 2014 acontecia o lançamento do Doutor Finanças. Rui Costa faz parte da equipa fundadora e conta que, enquanto a marca estava a ser lançada, “assegurava as pontas” no pequeno escritório em Picoas.  

“A nossa sala era se calhar do tamanho desta mesa”, recorda o COO. “Repartíamos as tarefas, sempre repartimos a dor por todos de maneira a que efetivamente hoje pudéssemos estar aqui todos orgulhosos com o nosso passado”

Video Thumbnail
ícone do formato do post

O que é que representa para ti o Doutor Finanças? 

A próxima pergunta sai do porquinho mealheiro de Rui Costa. Afinal, o que é que representa o Doutor Finanças para Sérgio Cardoso, é o que se quer saber.  

“Para mim, do pouco tempo que eu cá estive, é um exemplo. A forma como as coisas se fazem aqui, como se lida com os projetos, como se trata das pessoas, como se encaram os desafios e como se encara o erro é especial”, descreve Sérgio Cardoso.  

Qual foi o maior desafio do Doutor Finanças nestes sete anos? 

A pergunta foi lançada por Hugo Rosa Ferreira e dirigida a João Saleiro, Chief Technology Officer (CTO), que diz sem hesitar, em tom de brincadeira: “montar as mesas do Ikea”.  

Rui Bairrada, CEO do Doutor Finanças, intervém: “Ao longo destes anos, temos montado muitas secretárias, o que é bom”, fazendo o paralelismo com o crescimento da empresa. Rui Bairrada recorda ainda uma prática da empresa: “cada pessoa que entrava montava a sua cadeira”.  

O que é que aprendeste com o Doutor Finanças? 

A sétima pergunta é dirigida a Nuno Leal. João Saleiro quer saber o que é que o CIO aprendeu com o Doutor Finanças.  

Nuno Leal destaca que “ter um objetivo de longo prazo que não é puramente económico” é algo ímpar. “Nós estamos aqui para ajudar pessoas, para as formar em literacia financeira. Obviamente que queremos ganhar dinheiro com isso, mas não é o propósito do dia a dia.” 

Veja o vídeo: Doutor Finanças em Carcavelos: a literacia financeira é a nossa praia

E o que diz o CEO? 

“A mim lançaram-me o desafio de responder às sete perguntas. Mas mais uma vez e com felicidade eu digo: não tenho de responder”, diz Rui Bairrada. “Felizmente tenho a sorte de vos ter todos dias à volta desta mesa e a tomar decisões juntos.” 

O CEO faz a alusão para o trabalho e espírito de equipa que caracterizam o Doutor Finanças e dá por terminado o balanço de aniversário. “Bora lá fazer o bem, bem feito?”. Bora!  

Partilhe este artigo
Etiquetas
  • #aniversário,
  • #Doutor Finanças,
  • #finanças pessoais
Artigos Relacionados
Ver todos
Tem dúvidas sobre o assunto deste artigo?

No Fórum Finanças Pessoais irá encontrar uma grande comunidade que discute temas ligados à Poupança e Investimentos.
Visite o fórum e coloque a sua questão. A sua pergunta pode ajudar outras pessoas.

Ir para o Fórum Finanças Pessoais
Deixe o seu comentário

Indique o seu nome

Insira um e-mail válido

Fique a par das novidades

Receba uma seleção de artigos que escolhemos para si.

Ative as notificações do browser para receber a seleção de artigos que escolhemos para si.

Ative as notificações do browser
Obrigado pela subscrição

Queremos ajudá-lo a gerir melhor a saúde da sua carteira.

Não fique de fora

Esta seleção de artigos vai ajudá-lo a gerir melhor a sua saúde financeira.