Finanças pessoais

Como escolher a tarifa de eletricidade mais conveniente?

Será que tem a melhor tarifa de eletricidade para o consumo que faz? Saiba o que deve ter em consideração e perceba pode poupar.

A eletricidade é um bem essencial do qual nenhum lar pode prescindir. Como tal, quando quem compra ou arrenda uma casa tem que contratar uma empresa de fornecimento de energia elétrica. Mas como saber o tipo de tarifa que deve escolher?

Hoje em dia existem inúmeras empresas que nos podem fornecer energia, quer no mercado livre, quer no mercado regulado. Além da oferta variada ao nível do fornecedor é preciso ter em conta o tipo de potência e tarifa contratada, escolhas que devem variar consoante os hábitos de consumo, a potência dos equipamentos elétricos que possui e o número de aparelhos eletrónicos que usa em simultâneo.

Vamos esclarecer alguns conceitos, como o de mercado livre e mercado regulado, potência contratada, e explicar as diferentes tarifas que tem ao seu dispor, para que possa ser mais fácil fazer as suas escolhas.

Mercado Livre Vs Mercado Regulado

A principal diferença, entre o mercado livre e o regulado, prende-se com o facto de no mercado livre os preços da eletricidade não serem estipulados por qualquer regulador, mas sim, pelos próprios fornecedores. Neste mercado há mais empresas a operar, pelo que há mais possibilidade de escolha.

O mercado livre de energia surgiu em 2006, com o objetivo de reduzir custos de eletricidade, melhorar a oferta e simplificar os processos envolventes. De realçar que, dentro do mercado liberalizado pode mudar de fornecedor sem qualquer custo associado, sempre que quiser.

Já o mercado regulado foi o primeiro a surgir em Portugal e o único durante vários anos. Neste tipo de mercado os preços são fixados anualmente pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE), não havendo oscilações ao longo do ano. Este mercado caracteriza-se por:

  • Definição pelo regulador dos preços praticados pelos comercializadores;
  • As tarifas são revistas com pouca frequência, por isso não sofrem grandes variações ao longo do ano;
  • Há menos operadores, logo há menos oferta;
  • O cliente tem menos margem de manobra para negociar o seu contrato.

No entanto, quer opte por um ou outro tipo de mercado, a qualidade do serviço e da energia fornecida, não é afetada.

Leia também : Quer produzir energia solar em casa? Conheça as regras

O que é a potência elétrica contratada?

A potência contratada é o valor máximo da potência elétrica, normalmente expresso em watts (W) ou quilowatts (kW), que pode ser consumida num determinado momento e simultaneamente. Isto é, imagine que contrata uma potência de 3,45kW, isto significa que a soma dos valores da potência elétrica dos aparelhos que estiverem ligados num determinado momento, não pode ultrapassar o valor de 3,45kW. Caso aconteça, o disjuntor do seu quadro elétrico desliga-se e deixa de ter fornecimento de energia.

Assim sendo, a potência que deve contratar para a sua habitação estará diretamente relacionada com o consumo individual de cada aparelho (potência elétrica nominal) e de quantos aparelhos elétricos pretende ligar em simultâneo.

Antes de escolher, perceba que tipo de consumo faz. Costuma ter vários equipamentos a trabalhar ao mesmo tempo? E qual é o consumo dos eletrodomésticos? Contrate uma potência que lhe garanta que a eletricidade não "vai abaixo", mas que não seja muito elevada face aos seus consumos. Isto porque se contratar potência inferior poderá provocar danos nos seus eletrodomésticos, se contratar potência a mais vai ter um custo superior, mesmo que nunca atinja aquele nível de potência.

As tarifas de eletricidade

Além da tarifa simples, cujo valor da eletricidade é o mesmo independentemente da hora em que está a consumir energia ou do dia da semana, existem outras tarifas que deve conhecer. Dependendo da forma como consome eletricidade em sua casa, é possível que haja uma tarifa alternativa que lhe vai fazer poupar dinheiro. Em causa estão as ofertas de tarifas com opção horária. Estas tarifas aplicam valores de eletricidade mais baratos, mediante a hora do dia ou o dia de semana.

Desta forma há duas tarifas horárias diferentes:

  • Tarifa bi-horária: em que o preço pelo consumo de energia varia consoante as horas do dia, os dias da semana e a época do ano. Existem dois horários diferentes, a "hora de vazio" e as "horas fora do vazio". As horas de vazio correspondem ao período do dia em que o valor da energia é mais barato. Por norma, são as horas do período noturno e fins de semana, quando os consumos também são maioritariamente mais baixos. Os consumos realizados fora das horas de vazio têm um custo mais elevado.
  • Tarifa tri-horária: tal como a tarifa bi-horária, esta também depende da hora do dia, do dia da semana e da época do ano. O que difere da anterior é o facto de, neste caso, se distinguirem três horários diferentes: horas de vazio, horas de cheias e horas de ponta. As horas de vazio são, tal como na opção anterior, as horas em que a eletricidade é mais barata. As horas de cheias são aquelas em que a energia é cobrada a um custo intermédio e as horas de ponta são as horas onde os níveis de consumo são mais elevados e por isso também o valor da energia é mais caro. 

Se utiliza equipamentos elétricos, que exigem maior consumo de energia (como a máquina de lavar roupa ou louça), em horas de menor "pico elétrico", como à noite ou aos fins de semana, então pode ser compensatório optar pela tarifa bi ou tri-horária.

Qual a tarifa ideal para si?

Para conseguir poupar com a tarifa horária que optar, tem de ponderar alguns aspetos:

  • Quais os eletrodomésticos e aparelhos eletrónicos que tem em casa;
  • Em que horários os eletrodomésticos de maior consumo estão maioritariamente em funcionamento;
  • De que forma adequa a utilização dos seus aparelhos eletrónicos à tarifa que tem;
  • Se os seus consumos estão igualmente repartidos ao longo do dia ou o seu consumo, a partir das 22h, é muito reduzido, então a tarifa ideal para si é a tarifa simples;
  • Se os seus consumos, são maioritariamente a partir das 22h e até às 8h do dia seguinte, deverá ponderar a tarifa bi-horária;
  • Se, por outro lado, não está em casa grande parte do seu dia e os consumos de energia são nulos ou muito baixos entre as 9h-10h30 e entre as 18h-20h30 (períodos em que o preço da energia é mais elevado) e por outro lado consome mais energia no período noturno, isto é, entre as 22h-8h, então a tarifa tri-horária é ideal para si.

O que é a Tarifa  Social?

Tarifa Social de Energia: o que é e a quem se destina?
Ler mais

A tarifa social na eletricidade é um desconto aplicado às famílias com maior dificuldade económica, no entanto, estes consumidores, só poderão ter potências contratadas inferiores ou iguais a 6,9 kVA. Este desconto é igual para todos os consumidores, independentemente do tipo de mercado (livre ou regulado) em que estejam.

Para os consumidores, do mercado liberalizado e beneficiários desta tarifa, a ERSE aplica o desconto da tarifa social, na tarifa de acesso às redes. 

Já para os consumidores que ainda estão no mercado regulado, a ERSE aplica diretamente a tarifa social, que é aplicada, por sua vez, pelo comercializador do mercado regulado.

Em suma, se pretende mudar de tarifa ou fornecedor, tenha em conta estas questões. Para poder fazer uma melhor escolha pode recorrer ao simulador disponibilizado pela ERSE.

Partilhe este artigo
Tem dúvidas sobre o assunto deste artigo?

No Fórum Finanças Pessoais irá encontrar uma grande comunidade que discute temas ligados à Poupança e Investimentos.
Visite o fórum e coloque a sua questão. A sua pergunta pode ajudar outras pessoas.

Ir para o Fórum Finanças Pessoais

Deixar uma resposta (Podemos demorar algum tempo até aprovar e mostrar o seu comentário)