Vida e família

Subsídio de desemprego prolongado por 6 meses em 2021

O subsídio de desemprego vai ser aumentado excecionalmente por mais 6 meses em 2021. A prestação terá também o valor mínimo aumentado. Conheça ao detalhe estas atualizações.

Vida e família

Subsídio de desemprego prolongado por 6 meses em 2021

O subsídio de desemprego vai ser aumentado excecionalmente por mais 6 meses em 2021. A prestação terá também o valor mínimo aumentado. Conheça ao detalhe estas atualizações.

Uma das novidades do Orçamento do Estado (OE) de 2021 é o prolongamento do subsídio de desemprego, assim como o aumento do seu valor mínimo. Os últimos dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) indicam que a taxa de desemprego registada no passado mês de outubro fixou-se nos 7,5%.  

Quem está nesta situação e previa deixar receber esta prestação social em 2021, verá o período prolongado por mais 6 meses. A medida excecional foi proposta pelo PCP para o Orçamento do Estado de 2021 e aprovada no Parlamento no passado dia 23 de novembro. 

Mais tempo e mais dinheiro 

Além de verem a concessão do subsídio de desemprego prolongada por mais 6 meses, os contribuintes que estejam nesta situação poderão ver a prestação aumentada. Esta medida terá impacto junto de quem está a receber o subsídio mínimo. Isto porque o objetivo é aumentar a prestação até ultrapassar o limiar da pobreza.

Atualmente, em Portugal calcula-se o subsídio de desemprego com 75% da remuneração líquida de referência. Sendo o mínimo de 438,81€ (valor do IAS para 2020). 

Em 2021, o mínimo será de 504,6€ (1,15 IAS), acima do valor de €502 considerados como limiar de pobreza. Contas feitas, o valor mínimo da prestação sobe 65,8€. No entanto, esta subida não é indexada ao valor do salário mínimo, que ainda não tem o novo valor para 2021 definido. 

Leia ainda: Seguro de desemprego: uma forma de assegurar os seus rendimentos

Quanto vou receber de subsídio de desemprego?

A alteração tem apenas impacto nas prestações mínimas, que ficam, assim, acima do limiar de pobreza. A prestação máxima mantém-se nos 1.097€ (2,5 IAS). Por ser uma prestação contributiva, o subsídio de desemprego reflete os descontos feitos pelo contribuinte nos 14 meses anteriores (sendo que importa olhar para até 24 meses antes). Há ainda outros aspetos que impactam nestes cálculos: 

  • Idade; 
  • Situação do agregado familiar e número de dependentes
  • Carreira contributiva (total).

Para saber quanto pode receber caso tenha entrado recentemente numa situação de desemprego, utilize o nosso simulador de subsídio de desemprego. 

Atente que deve pedir esta prestação no centro de emprego, num prazo de até 90 dias contínuos, após a data de desemprego. 

Nota: o simulador Doutor Finanças não reflete a extensão de 6 meses aprovada para o OE 2021. 

Leia também: Em situação de desemprego, como posso proteger o meu crédito?

Partilhe este artigo
Artigos Relacionados
Ver todos
Tem dúvidas sobre o assunto deste artigo?

No Fórum Finanças Pessoais irá encontrar uma grande comunidade que discute temas ligados à Poupança e Investimentos.
Visite o fórum e coloque a sua questão. A sua pergunta pode ajudar outras pessoas.

Ir para o Fórum Finanças Pessoais
Deixe o seu comentário

Indique o seu nome

Insira um e-mail válido

67 comentários em “Subsídio de desemprego prolongado por 6 meses em 2021
    1. Olá, Carlos.

      Até ao momento, ainda não há confirmação se o subsídio se irá prolongar até ao próximo ano.

  1. Olá Carolina.
    Eu fiquei desempregada em 2020 e já recebi a primeira prorrogação que terminou em Outubro deste ano, será que ainda terei direito de receber desta prorrogação???

    1. Olá, Sandra.

      Até ao momento, ainda não foi divulgado qualquer comunicado oficial que confirme a prorrogação.
      Sugiro que se mantenha atenta às notícias e ao nosso portal.

  2. Boa noite. Em Maio suspendi o fundo de desemprego e voltei a pedir no dia 11 do mês que está a decorrer ainda tenho direito? É que ainda não recebi a informação

    1. Olá, Gonçalo.

      Sim, à partida terá direito.
      Contudo, deve contactar a Segurança Social. Poderá fazê-lo através do número 300 5032 502.

    2. Olá, Gonçalo.

      Sim, à partida terá direito.
      Contudo, deve contactar a Segurança Social. Poderá fazê-lo através do número 300 502 502.

Fique a par das novidades

Receba uma seleção de artigos que escolhemos para si.

Ative as notificações do browser para receber a seleção de artigos que escolhemos para si.

Ative as notificações do browser
Obrigado pela subscrição

Queremos ajudá-lo a gerir melhor a saúde da sua carteira.

Não fique de fora

Esta seleção de artigos vai ajudá-lo a gerir melhor a sua saúde financeira.