Crédito Habitação

Crédito Habitação: acesso para pessoas portadoras de deficiência

Sofia Serrano Sofia Serrano , 3 Julho 2017 | 63 Comentários
Antes ou após pedirem um crédito habitação os consumidores portadores de deficiência podem aceder a um regime de crédito bonificado. Conheça as condições.O regime de crédito habitação bonificado para pessoas com deficiência está em vigor desde 2015 e tem como objetivo proteger e facilitar o acesso de pessoas portadoras de deficiência ao crédito habitação. Os bancos não são obrigados a conceder o crédito ao abrigo deste regime, no entanto se o cliente adquirir um grau de incapacidade igual ou superior a 60% após a celebração do contrato, tem direito à conversão do mesmo.

Conheça as condições de acesso ao Crédito Habitação Bonificado para pessoas portadoras de deficiência

Este regime de crédito habitação destina-se a:

    • Aquisição, ampliação ou realização de obras de conservação da habitação;
    • Aquisição de terreno e construção de imóvel para habitação permanente;
  • Realização de obras de conservação ou beneficiação em partes comuns de edifícios destinadas ao cumprimento de normas previstas na lei, para a melhoria de acessibilidade à habitação;

Condições de acesso ao Crédito Habitação Bonificado

    • Serem maiores de 18 anos;
    • Terem um grau de incapacidade igual ou superior a 60%, comprovada por atestado médico;
    • O empréstimo não se pode destinar à aquisição de imóvel ou propriedade de familiares do interessado;
    • Nenhum membro do agregado familiar pode possuir outro empréstimo em qualquer regime de crédito bonificado;
  • A constituição de hipoteca sobre o imóvel financiado, não podendo o mesmo ser vendido durante um período mínimo de cinco anos, o imóvel constitui-se como garantia de pagamento da dívida durante este período.

Taxa de Juro

    • Este regime de crédito prevê uma bonificação na taxa de juro igual à diferença entre a taxa de referência definida pela Portaria n.º 502/2003, de 26 de Junho e a 65% da taxa de referência do Banco Central Europeu.
  • Se a taxa de juro contratada for inferior à Taxa de Referência para o Cálculo das Bonificações, a bonificação é calculada tendo em conta a diferença entre essa taxa de juro contratada e 65% da taxa de referência do Banco Central Europeu

"E quando a incapacidade surge depois do crédito?"

  • Neste caso, o cliente tem direito a mudar o regime do seu empréstimo. Este deve preencher a condições previstas na legislação e apresentar um requerimento à instituição bancária onde fez o crédito.
  • No caso se já usufruir de um regime de crédito habitação bonificado e ocorra a mudança para o regime de crédito bonificado a pessoa com deficiência, o prazo do empréstimo abrangido por este regime terá em conta o número de anos decorridos do empréstimo anterior, não podendo a soma dos prazos dos dois empréstimos exceder 50 anos.

Aspectos importantes a ter em conta:

    • O montante máximo do empréstimo é de 190.000 euros.
    • O valor do empréstimo não pode ultrapassar 90% do valor de avaliação da habitação pela instituição de crédito, ou do custo das obras de conservação ordinária, extraordinária ou de beneficiação.
    • Os empréstimos em regime de Crédito Habitação Bonificado têm um prazo máximo de 50 anos.
    • A realização de seguro de vida não é obrigatória por lei mas, a instituição de crédito pode solicitar a subscrição deste tipo de seguro.
    • Os clientes que usufruem deste regime não podem dar ou transferir os imóveis adquiridos ou construídos no prazo de cinco anos, havendo excepções em caso de desemprego, morte do titular, alteração da dimensão do agregado familiar ou mobilidade profissional. Ao não cumprir esta regra o cliente fica sujeito ao pagamento de penalizações, correspondentes ao montante das bonificações de que beneficiou e mais de 10% das mesmas.
Como em qualquer outra situação de pedido de crédito habitação deverá procurar saber as condições oferecidas em mais do que uma instituição. A equipa de crédito habitação do Doutor Finanças pode ajudá-lo nessa tarefa. Procuramos por si o banco que oferece as melhores condições para o seu caso.
Partilhe este artigo
Etiquetas
  • #crédito habitação bonificado,
  • #crédito habitação incapacidade,
  • #crédito habitação para dificientes,
  • #Crédito habitção,
  • #pedir crédito habitação bonificado

Deixar uma resposta

83 comentários em “Crédito Habitação: acesso para pessoas portadoras de deficiência

  1. Boa tarde, agradecia um esclarecimento, caso possível:
    Estou a tratar com o banco da migração do crédito habitação de regime normal para o regime deficiente, uma vez que me foi atribuída uma incapacidade de 61% após a realização do contrato.
    Já fiz requerimento, onde entreguei atestado multiuso, inclusive outros documentos, que incessantemente, estão a ser solicitados!
    Neste momento, o banco está a solicitar que numa conservatória de registo predial faça uma certidão da migração de regime normal para deficiente, ou seja registo do ônus, onde tem um custo à volta de 900€.

    Pretendo saber se este valor corresponde à realidade ou se existe uma outra forma de proceder à migração para regime deficiente, que não exija esses custos tão elevados?!

    Obrigada
    Irene Fonseca

    1. Olá, Irene.

      Havendo alterações às condições do empréstimo que foram escrituradas, parece-me legítimo que também essas alterações devam ficar escrituradas.
      Quanto ao custo da escritura, sugiro que peça uma opiniao no registo predial.

  2. Boa noite Paulo,

    Apenas uma ajuda.
    Estou a tratar com o banco da migração do credito habitação do regime normal para o regime bonificado (incapacidade 60% após contrato). Após feito requerimento e envio do atestado multiusos o banco continua a pedir mais documentação, agora pede o código on-line da certidão conservatória registo predial e o comprovativo da apólice do seguro multirriscos

    Tratando-se de uma migração do regime de crédito é mesmo necessária toda esta documentação?

    Muito Obrigado
    Sérgio Figueiredo

    1. Olá, Sérgio.

      Se já existe um contrato com esse mesmo banco, parece-me que deviam ter acesso já a essa informação, não? Pode questionar o banco sobre o porquê de não poderem aproveitar os dados do contrato já existente…

      Em qualquer caso, o nº 11 do artigo 6º da legislação refere que é suficiente nestes casos a apresentação do requerimento acompanhado do atestado médico de incapacidade…

  3. Boa noite, tenho duvidas e agradecia um esclarecimento se possível. Tenho um crédito habitação que já foi renegociado, por motivo de desemprego, em 2018 foi me atribuída uma incapacidade de 60% por ser doente oncológica, será que posso ter algum beneficio com esta incapacidade, também já estou reformada e tenho 62 anos. Obrigado

    1. Olá Isabel,
      Agradecemos a sua mensagem.

      Deverá dirigir-se ao banco e levar os comprovativos em como tem incapacidade permanente acima dos 60%, para que lhe possam alterar a taxa de juro do empréstimo.

      Nota : Atendendo a que se tratou de uma deficiência adquirida durante a vigência do contrato e porque deverá ter seguro de vida, convém que se assegure se o seguro de vida não poderá ser acionado e liquidar o empréstimo existente.

      Obrigada.

      1. Boa tarde
        Aqui a uma questão que e muito importante que senhora fala numa incapacidade de 60 % não mais acima do que esse valor questão surge que o banco sim terá que baixar os valores para taxa que se aplica aos funcionários bancários zero mas em relação ao seguro de vida pode manter os papéis mas tem que ter em atenção qual a clausa que está no contrato para que seja pago o restante empréstimo.
        Visto que normal das seguradores clausa para pagamento do restante empréstimo e de 65% para cima .
        Falo ok estou na mesma situação e com stress seguradora devido ter uma incapacidade de 75% defenitiva e não conseguir que o seguro pague a restante dívida pk empréstimo foi em 2008 e doença foi em 2011 neste caso falo de um cancro mas tem uma clausa que diz para esses efeitos tenho que estar reformado e não ter qualquer tipo de recompensa a nível salarial.
        Por isso pode estar reforma e ter direito mas em contra partida poderá ter os valores exigidos pela seguradora mais altos do que sua incapacidade ….
        Quer dizer que por um lado pode (reforma ) mas por outro não…
        ( Percentagem da seguradora )
        Boa sorte