Vida e família

Avaliação bancária atinge novos máximos em fevereiro

A avaliação das casas continua a aumentar. Este é um indicador muito revelante para quem quer comprar casa com recurso a crédito.

Os valores de avaliação dos imóveis continuam a aumentar em Portugal. Os últimos dados revelam um aumento generalizado do valor mediano da avaliação bancária que é feita aos apartamentos e moradias em território nacional.

O preço mediano da avaliação bancária em Portugal atingiu os 1.174 euros por metro quadrado em Portugal, de acordo com os últimos dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

Este valor corresponde a mais quatro euros por metro quadrado (ou 0,3%) do que em janeiro. Já em relação a fevereiro de 2020, o aumento é de 5,7%, ou seja, 63 euros por metro quadrado.

De realçar que os dados divulgados revelam um abrandamento do ritmo de aumento, ainda assim, estamos perante um novo máximo histórico nos valores das avaliações imobiliárias.

Este dado é particularmente importante para quem está a comprar casa com recurso a financiamento. Isto porque é com base nesta avaliação que são determinadas algumas condições do empréstimo, nomeadamente o montante que pode ser financiado.

Leia ainda: O que posso fazer quando a moratória no crédito terminar?

Menos avaliações bancárias

Um dado relevante é também a evolução do número de imóveis avaliados. Os dados do INE revelam uma queda de 4,1% face a fevereiro do ano passado. Este indicador é importante porque ilustra a dinâmica do mercado.

No total, foram realizadas 23.087 avaliações bancárias em fevereiro de 2021. Uma queda de 4,1% face ao ano passado, um período que ainda não tinha sido marcado pelo confinamento.

De salientar que em novembro se realizaram mais de 27 mil avaliações, o que corresponde ao número mais elevado desde que há dados (janeiro de 2019).

Madeira regista o maior aumento

Os aumentos dos valores das avaliações foram generalizados, mas há uma região que se destaca. A Região Autónoma da Madeira foi onde se verificou a maior subida mensal do valor mediano: 2,1%. Em fevereiro esta região contava com um preço mediano de 1.192 euros por metro quadrado

O Norte foi a segunda região onde se registou as maiores subidas. Assim, o preço mediano da avaliação bancária do Norte do país, em fevereiro, situou-se nos 1.024 euros, o que corresponde a um aumento de 1,5% quando comparado com janeiro e de 6,4% face a fevereiro de 2020.

Açores e Algarve contrariam tendência

Apesar de se ter observado uma tendência generalizada de aumentos, há duas regiões onde se registaram descidas mensais. Quando comparado com o mesmo mês do ano passado continuam a observar-se aumentos na ordem dos 4%, mas, analisando o comportamento face a janeiro, assiste-se a descidas.

O preço mediano no Algarve desceu, em termos mensais, 0,4% para 1.522 euros. No caso do Algarve fevereiro representa o terceiro mês consecutivo de descida do valor da avaliação bancária.

De realçar que, apesar destas descidas, o Algarve continua a estar entre as regiões onde os preços são mais elevados.

Já no caso da Região Autónoma dos Açores, os valores desceram 0,5%, face a fevereiro, para 933 euros por metro quadrado. Esta região também regista reduções nos valores medianos da avaliação bancária há três meses consecutivos.

Leia ainda: Proteja-se dos efeitos financeiros da pandemia e reduza os seus créditos

Lisboa é a mais cara e o Alentejo o mais barato

A Área Metropolitana de Lisboa é a região onde as avaliações são mais elevadas. O metro quadrado desta região atingiu os 1.558 euros, o que corresponde a um aumento de 1,4% face a janeiro (é mesmo a maior subida em 12 meses) e de 5,3% quando comparado como mesmo mês do ano passado.

A segunda região com o preço mediano mais alto é o Algarve.

Do lado oposto encontramos o Alentejo, onde o valor mediano se situa nos 837 euros, seguido de perto pela região Centro, onde os valores se encontram nos 843 euros.

Qual a importância do preço médio por metro quadrado?

Este indicador, apesar de parecer apenas mais um número, será determinante para quem quer comprar casa com recurso a financiamento bancário. Mais 100 euros ou menos 100 euros na avaliação do preço do metro quadrado pode fazer a diferença entre conseguir a casa que se quer e não ter condições para tal.

Isto porque, quanto menor for a avaliação, menor será o valor do empréstimo potencial. Por exemplo, uma casa para primeira habitação que seja avaliada em 100 mil euros só será financiada em até 90 mil euros (e depende de instituição para instituição financeira).

De realçar que 90% de financiamento será o valor a que terá acesso através de um banco. Seja 90% da avaliação, seja 90% do valor da transação (e será o menor dos dois).

Assim, se estiver a pensar comprar casa, tenha em mente que precisa de ter um "pé de meia" antes de avançar, porque, mesmo que a avaliação do imóvel seja muito superior ao valor que precisa para "fechar" o negócio, no final das contas o banco só financia até 90% do menor dos valores. Ou seja, quer comprar uma casa por 100 mil euros e o banco avaliou-a por 120 mil. O valor do empréstimo será de 90 mil euros.

Leia ainda: Redução da prestação ou do prazo no crédito habitação: qual a melhor opção?

Partilhe este artigo
Tem dúvidas sobre o assunto deste artigo?

No Fórum Finanças Pessoais irá encontrar uma grande comunidade que discute temas ligados à Poupança e Investimentos.
Visite o fórum e coloque a sua questão. A sua pergunta pode ajudar outras pessoas.

Ir para o Fórum Finanças Pessoais

Deixar uma resposta (Podemos demorar algum tempo até aprovar e mostrar o seu comentário)

Um comentário em “Avaliação bancária atinge novos máximos em fevereiro