Contas bancárias

Extratos bancários: como obter para não lhe escapar nada

Os extratos bancários podem não ser os documentos mais interessantes que tem para ler, mas têm informação valiosa sobre as suas finanças.

Contas bancárias

Extratos bancários: como obter para não lhe escapar nada

Os extratos bancários podem não ser os documentos mais interessantes que tem para ler, mas têm informação valiosa sobre as suas finanças.

Os extratos bancários podem não ser os documentos mais interessantes que tem para ler, mas são os que mais informação valiosa acerca das suas finanças podem conter. Através destes documentos pode detetar movimentos invulgares na sua conta e agir de acordo com o que vê, e gerir o desempenho do seu orçamento.

Um extrato bancário é um documento com informação básica acerca da sua conta bancária, e a maior parte dos portugueses apenas olha para o valor que tem na conta para concluir a sua análise do mesmo. No entanto, a análise dos extratos bancários poderá ir muito além disto. Neste artigo vamos explorar a utilidade destes documentos.

Como tirar o extrato bancário?

Primeiro, precisamos de salientar que existem vários tipos de extrato bancário. O mais comum e conhecido é o tirado através do multibanco ou através de serviços de homebanking. Nestes, o cliente define o período que quer consultar e obtém o extrato quando o quiser.

Existe também o extrato bancário enviado mensalmente pela instituição financeira, em papel ou através de e-mail, que contém informações mais detalhadas. O Banco de Portugal regulamentou que as instituições financeiras têm de disponibilizar aos clientes extratos bancários mensalmente, com exceção de casos onde não tenham existido movimentos de conta.

Caso tenha uma conta onde não houve quaisquer movimentos, o documento irá ser disponibilizado de qualquer modo anualmente. Alternativamente, poderá consultar o extrato pelo homebanking ou multibanco sempre que o quiser fazer.

Que informações contém o extrato bancário?

De acordo com o Banco de Portugal, as instituições financeiras têm de disponibilizar através dos extratos bancários algumas informações mínimas relativas aos movimentos e à posição financeira dos seus clientes.

Estas informações obrigatórias são:

  • Datas de início e fim do período a que se refere o extrato;
  • Datas de movimentos;
  • Data-valor de movimentos;
  • Descrição das operações a que se referem os movimentos;
  • Montantes dos movimentos e a sua natureza (se são débitos ou créditos);
  • Moeda em que são denominados os movimentos (por noma, euro);
  • Saldo contabilístico;
  • Saldo disponível;
  • Confirmação da elegibilidade de depósitos para o sistema de garantia de depósitos, “através da referência ao formulário de informação ao depositante (FID)”.

Os extratos bancários contêm, assim, informação acerca da sua conta à ordem, de eventuais contas poupança, e de empréstimos que tenha contratado com uma instituição financeira. Note que o formato destes documentos varia de instituição para instituição, logo em caso de dúvida deve contactar o seu banco.

Por norma, através do multibanco retira um extrato com as últimas 10 transações que realizou, a data a que dizem respeito, e a natureza dos movimentos e o seu saldo contabilístico e disponível. Através do homebanking consegue mais algumas informações.

Algumas contas podem também conter informação relativa a movimentos em conta na caderneta bancária disponibilizada ao cliente. Em janeiro de cada ano, as instituições devem também enviar ao cliente um extrato de comissões.

Saldo disponível e saldo contabilístico

A disponibilização de dois tipos de saldos nos extratos bancários pode ser confusa para muitos clientes, visto que o valor de ambos pode por vezes ser até radicalmente diferente. Segundo o Banco de Portugal, o saldo contabilístico “corresponde ao resultado de todos os movimentos a crédito e débito efetuados na conta.”

Isto significa que o saldo contabilístico inclui valores que depositou, mas ainda não estão disponíveis, ou pode até ser negativo ao, por exemplo, utilizar o descoberto bancário disponibilizado pela sua instituição financeira.

Avisa o Banco de Portugal que os valores são considerados na determinação do saldo contabilístico, mas como podem não estar disponíveis, usá-los “antes da data-valor respetiva poderá implicar o pagamento de juros ou outros encargos.”

Por outro lado, o saldo disponível corresponde ao “montante que pode ser utilizado sem que tal implique o pagamento de juros ou quaisquer outros encargos.” Isto é, o dinheiro que tem na sua conta e está pronto a ser utilizado. O uso deste saldo não pode implicar o pagamento de juros ou outros encargos.

As instituições de crédito podem ainda disponibilizar outros saldos aos seus clientes, que podem incluir por exemplo o montante máximo de crédito disponibilizado ao cliente. Estes valores não têm necessariamente de aparecer no extrato bancário do cliente sem este os pedir.

O que procurar no extrato bancário

Os extratos bancários acabam por estar cheios de informação valiosa, mas há alguma a que devemos ter especial atenção todos os meses para não nos escapar nada. Tendo em conta que este é um documento que nos ajuda a gerir as nossas finanças pessoais, é importante não o deixar por ler.

Deverá prestar especial atenção à seguinte informação:

  • Data do extrato;
  • Movimentos;
  • Saldos apresentados;
  • Posição financeira global;

Através da data do extrato e dos movimentos poderá ter uma ajuda valiosa para fazer um orçamento. No extrato bancário estará discriminado para onde foi o seu dinheiro e que rendimentos teve. Consegue assim avaliar as suas despesas e ver como as reduzir.

Os saldos apresentados dão-lhe uma visão geral da eficácia do seu orçamento e ajudam-no a perceber se precisa de cortar nas despesas ou se consegue ainda aumentar a poupança todos os meses.

Por fim, a sua posição financeira global, que também lhe é apresentada no extrato bancário, apresenta-lhe todo o seu património financeiro com a instituição. Isto inclui as suas contas poupança, PPR, fundos de investimento, e eventuais créditos como o à habitação ou automóvel.

Esta informação ajuda-o a ver o progresso que tem feito nas suas poupanças ou a pagar os seus créditos. Caso os juros oferecidos na sua conta poupança alterem ou caso os seus fundos de investimento tenham um mau desempenho, terá aqui acesso a essa informação e poderá agir de acordo com as alterações que vê de mês para mês.

Note que o extrato bancário de uma instituição financeira apenas contém informação da sua posição financeira nessa mesma instituição. Caso tenha uma conta em vários bancos, poderá ter de dedicar algum tempo extra por mês a analisar extratos bancários para se certificar de que nada lhe escapa. Reduzir o número de contas em bancos pode também ajudá-lo a evitar pagar comissões bancários, em certos casos.

Partilhe este artigo
Artigos Relacionados
Ver todos
Tem dúvidas sobre o assunto deste artigo?

No Fórum Finanças Pessoais irá encontrar uma grande comunidade que discute temas ligados à Poupança e Investimentos.
Visite o fórum e coloque a sua questão. A sua pergunta pode ajudar outras pessoas.

Ir para o Fórum Finanças Pessoais

Deixar uma resposta (Podemos demorar algum tempo até aprovar e mostrar o seu comentário)