Se tem alguma dívida difícil que gostaria de eliminar de vez, sugerimos alguns passos simples que irão marcar a diferença na sua vida.

Ao longo da sua vida certamente que já se cruzou com problemas que pareciam impossíveis de superar. No entanto, passaram os anos e continua a viver a sua vida, com maior ou menor tranquilidade. Correto?

Os problemas da vida financeira não são diferentes dos outros problemas. Aliás, são muitas/ vezes mais fáceis de criar mas também mais fáceis (ou menos difíceis) de eliminar pela raiz. Partilhamos consigo os passos que deverá seguir para começar a eliminar as dívidas difíceis.

Comece por identificar o problema

Em momentos de aflição os problemas costumam surgir com uma intensidade maior do que tem na realidade. A falta de dinheiro costuma focar a atenção da pessoa nos pontos negativos, o que acaba por reforçar ainda mais a sensação de aperto financeiro e gerar sentimentos de revolta e mesmo de desespero.

Para poder acabar com um problema tem de o identificar com rigor. Isso passa por fazer um diagnóstico às suas finanças pessoais, que deverá conter informação sobre:

  • Rendimento da família (tanto o fixo como o variável);
  • Despesas mensais da família (essenciais e variáveis);
  • Número de créditos e suas características.

Pode parecer impossível mas nas nossas consultas de diagnóstico financeiro gratuito constatamos que existem muitas pessoas que não sabem ao certo o valor das suas despesas e o número e valor dos seus créditos. E acreditemos ou não é muito fácil perder o controlo sobre o nosso dinheiro.

Envolva toda a família

acabar com as dívidas

Envolva a sua família no processo de redução de despesas para atingirem melhores resultados em menos tempo

 

É fundamental que exista uma grande união e diálogo em casa não só para identificar os problemas como também para encontrar estratégias para a sua eliminação. Ambos os membros do casal (se for esse o caso) e os seus filhos devem estar alinhados no combate ao problema. A eliminação de uma dívida difícil pode envolver muitos sacrifícios sendo certo que a motivação de todos os elementos do casal é fundamental para o sucesso.

Reduza todos os custos ao máximo

Nesta fase podemos ser tentados a dizer que é impossível cortar custos. Que já eliminámos o desperdício ao máximo e que não dá mais para cortar. No entanto, sugerimos sempre que identifique com precisão onde gasta o seu dinheiro. Um exercício bem feito irá permitir-lhe constatar que ainda existem despesas facilmente elimináveis (como por exemplo comissões bancárias).

Para facilitar o seu esforço existem ferramentas informáticas disponíveis. Costumamos recomendar o Boonzi, uma aplicação para computador feita por portugueses que ajuda a gerir e a poupar dinheiro. Esta aplicação permite-lhe importar todos os seus movimentos do seu extracto bancário online, para que consiga ver com precisão as categorias onde gasta mais dinheiro. Adicionalmente, disponibiliza uma das mais poderosas ferramentas para construir e controlar o seu orçamento familiar. Conheça melhor o Boonzi aqui.

Se conseguir, vá amortizando o seu crédito

Se conseguir equilibrar o orçamento de forma a obter algumas poupanças mensais, então tente fazer amortizações pontuais à sua dívida. Ao amortizar, não só diminui a dívida e a despesa total com juros, como diminui também as prestações seguintes. Numa fase inicial pode não conseguir diminuições substanciais na prestação, mas ao fim de algumas amortizações começará a sentir alguma folga mensal.

Deve, no entanto, certificar-se das condições do seu crédito no que toca às amortizações parciais (nomeadamente comissões e penalizações) de forma a assegurar que realmente compensam para o seu caso.

Negoceie as condições dos seus créditos

Quando falamos da negociação falamos especialmente dos contratos de crédito, de seguros e de telecomunicações. No entanto, a mensagem é válida para todo o tipo de contratos e de despesas. Pode acontecer inclusivamente que a negociação seja essencial para evitar uma penhora bancária, pelo que o seu potencial é imenso.

renegociar dívidas com os bancos

Por vezes a negociação com os bancos pode ser um autêntico “braço de ferro”

Se já fez o diagnóstico da sua vida financeira a negociação será menos difícil. Reúna os seus movimentos bancários, o seu mapa de responsabilidades de crédito (conhecido como lista do Banco de Portugal) e entre em contacto com os vários bancos propondo reduções de prestações.

Apesar de possível, a negociação em simultâneo com diversas instituições financeiras e com companhias de seguros é uma tarefa que envolve tempo, burocracia e alguma frustração. Isto porque os bancos não se limitam a dizer que sim a todo o cliente que pede uma redução de custos. É aqui que o Doutor Finanças faz a diferença, fazendo por si todo este processo. Basta que marque connosco a sua consulta de diagnóstico financeiro gratuito (pode ser presencial ou por telefone).

Se objectiva livrar-se de uma dívida, não adie a solução para amanhã – se o fizer, arrisca-se a adiá-la novamente amanhã. Comece hoje a enfrentar a sua dívida.