Finanças pessoais

Devo continuar a poupar na reforma?

Será que poupar na reforma faz sentido? Este é um período para ser vivido com tranquilidade, mesmo a nível financeiro. Saiba como.

Daniela Gonçalves Daniela Gonçalves , 26 Outubro 2020

Sabemos que a poupança deve estar presente nas diferentes fases da vida. Mas fará sentido também poupar na reforma? O auge da poupança deve acontecer na vida ativa, uma vez que os rendimentos são maiores (e a energia, por norma, também!). No entanto, dependendo da capacidade que teve para amealhar dinheiro durante a vida ativa, deve ou não continuar a fazê-lo.

Consegui poupar ao longo da vida: tenho reforma e usufruo de PPR

Este é o melhor cenário de todos. Se conseguiu amealhar durante toda a vida ativa para um Plano Poupança Reforma e ainda beneficia da reforma, está tranquilo. Todavia, há questões que deve colocar a si próprio antes de ficar completamente “livre” de preocupações:

  • Ainda tem dívidas: crédito habitação, automóvel ou pessoal? 
  • Tem pessoas dependentes financeiramente de si? 

Estes são encargos que não finalizam automaticamente com o início da reforma, por isso, convém analisar todo o panorama financeiro para depois usufruir de uma vida financeira tranquila e sem percalços.

Ainda tenho encargos importantes: devo também poupar na reforma?

Se as respostas às questões que se colocou no ponto anterior foram positivas, então o caso muda um pouco de figura. Deve analisar a capacidade de liquidar totalmente os encargos que tem com alguma poupança que conseguiu fazer ao longo da vida. Se não for possível, terá que definir um plano para conseguir poupar e eliminar as dívidas ou assegurar o pagamento de encargos (como a formação superior de um filho) o mais rapidamente possível. 

Por exemplo, se tem vários créditos, esta pode ser uma boa altura para os consolidar num só e com o remanescente, conseguir poupar para o liquidar mais cedo do que o previsto. 

Saiba ainda como acabar com uma dívida difícil

Não tenho muitos encargos, mas a reforma não dá para muito mais

Infelizmente há muitos reformados em Portugal que vivem nesta situação. Com as despesas base (renda, luz, água, alimentação) e, em muitos casos, extras como a medicação, há reformados que não têm margem de manobra, mesmo sem encargos maiores. 

Nestes casos, é importante garantir pelo menos um fundo de emergência, para alguma despesa inesperada. Mesmo com as despesas a levarem praticamente a totalidade da reforma, deve-se procurar poupar mensalmente, mesmo que seja um valor baixo, a fim de constituir esse fundo. Se está nessa situação: 

  • Aproveite, por exemplo, a folga do 13.º e 14.º mês; 
  • Peça a algum familiar que o apoie na negociação de serviços que tenha contratado, de telecomunicações, por exemplo; 
  • Recorra a apoio social se a situação for mesmo insustentável. 

Seja qual for a sua situação, o ideal é viver a reforma com tranquilidade. Se está perto desta fase da sua vida, saiba com o que pode contar: simule no site da Segurança Social Direta quanto irá receber na reforma.

Conheça também 7 formas de se preparar para a reforma

Partilhe este artigo
Tem dúvidas sobre o assunto deste artigo?

No Fórum Finanças Pessoais irá encontrar uma grande comunidade que discute temas ligados à Poupança e Investimentos.
Visite o fórum e coloque a sua questão. A sua pergunta pode ajudar outras pessoas.

Ir para o Fórum Finanças Pessoais

Deixar uma resposta (Podemos demorar algum tempo até aprovar e mostrar o seu comentário)