Os cartões de crédito são uma das pragas nacionais. As dívidas que lhes estão associadas deverão ser das principais causas de problemas emocionais, pois as taxas de juro são de tal modo proibitivas que acabamos por aumentar a dívida todos os meses. Neste artigo vamos mostrar-lhe algumas ideias e estratégias simples para poupar dinheiro com o seu cartão de crédito.

Quando contratou o seu crédito?

Sugerimos que procure o contrato do seu cartão de crédito. Pode também consultar o seu extrato online para perceber qual a taxa de juro que estará a suportar com este contrato. Se fez o cartão há mais de 2 anos, irá constatar que as taxas de juro estão significativamente acima de 20%. Hoje em dia, as taxas máximas permitidas por lei para novos créditos estão perto de 19%.

Contacte o seu banco

ligar-ao-banco

O primeiro passo, mais imediato e lógico, passa por contactar o banco e procurar reduzir a taxa de juro. Se for um bom cliente e se não esgotar o plafond todos os meses, com grande probabilidade conseguirá negociar uma redução da taxa de juro. Não é garantido, mas se conseguir estará já a poupar algum dinheiro.

Nunca pague o mínimo

É caricato, mas muitas vezes vemos pessoas a pagar o valor mínimo do cartão de crédito sem terem a consciência que todos os meses estão a aumentar o valor em dívida. Não acontece com todos os contratos, mas o Dr. Finanças conhece inúmeros casos em que isto acontece. E se têm o azar de ultrapassar o limite de crédito, acabam por somar ainda comissões e outras penalizações. Aliás, parece-nos que o negócio de algumas instituições financeiras é mesmo com o incumprimento ou com atrasos de pagamento.

Altere a data de pagamento

As prestações dos cartões de crédito têm um dia fixo no mês para irem à conta. Acontece que muitas vezes este dia é distante do dia em que recebe o seu vencimento, o que pode implicar que não tenha provisão na sua conta para pagar aquele crédito. Logo, irá ter de suportar juros e comissões e outras penalizações que o banco resolver aplicar. Nesta situação, a estratégia passa por negociar com o banco a alteração da data de pagamento, aproximando-a da data em que recebe o seu salário (garantia de que irá ter dinheiro disponível).

Peça um novo cartão de crédito

Talvez seja possível pedir um novo cartão de crédito com um plafond semelhante ao cartão de crédito inicial. Se assim for, compare a taxa de juro e veja se compensa. A estratégia passa por usar o plafond disponível e amortizar a dívida do primeiro cartão. Tenha em atenção de não ceder à tentação de gastar o dinheiro noutra compra… caso contrário vai entrar numa espiral de endividamento da qual será muito difícil de fugir.

Peça um crédito pessoal

Banners-dr-financas-credito-pessoal-vector-12

Uma estratégia que o Dr. Finanças utiliza muitas vezes para eliminar a dívida do cartão de crédito e garantir que os seus pacientes conseguem amortizar progressivamente os seus créditos passa por transformar a dívida do cartão de crédito num crédito pessoal. Nestas situações, irá reduzir a taxa de juro de forma significativa, garantindo também que consegue eliminar todos os meses uma parcela do valor em dívida. Saiba mais sobre o serviço de crédito pessoal do Doutor Finanças.

Consolide os seus créditos

BAr-dr-financas-2

A alternativa da consolidação de créditos é muito interessante para quem tem vários créditos, especialmente créditos de curto prazo. Se tiver um crédito habitação é também possível fazer um crédito consolidado com hipoteca, o que resulta numa redução ainda maior da sua prestação mensal.

Caso tenha dúvidas sugerimos que leia as respostas às principais questões colocadas ao Dr. Finanças sobre crédito consolidado.

É possível poupar dinheiro e o campo do crédito é um campo muito vasto, onde uma parte importante do nosso orçamento é desbaratado. Assim, caso seja rigoroso e siga algumas estratégias simples, com grande probabilidade irá poupar dinheiro todos os meses ao mesmo tempo que acaba com os seus créditos.