Finanças pessoais

Seguro de recheio: Como funciona e quanto custa proteger a sua casa?

Salvaguardar o recheio da sua casa, em caso de azar, deve ser uma das suas principais preocupações. Saiba o que pode garantir com um seguro de recheio.

Finanças pessoais

Seguro de recheio: Como funciona e quanto custa proteger a sua casa?

Salvaguardar o recheio da sua casa, em caso de azar, deve ser uma das suas principais preocupações. Saiba o que pode garantir com um seguro de recheio.

Garantir a segurança da sua casa é essencial. Assegurar que no caso de algum infortúnio não perde tudo é obrigatório. Logo, o seguro de recheio deve ser uma das suas principais preocupações. Mas, como pode garantir que os seus bens estão realmente assegurados? Ajudamos a encontrar a resposta.

Quando compramos uma casa há seguros que são obrigatórios - como é o caso do seguro de vida ou o de incêndio. Normalmente, são contratualizados seguros multirriscos que, por regra, são muito abrangentes e têm cobertura para várias situações. Nomeadamente, incêndios ou explosões, inundações e cobertura de riscos elétricos para os equipamentos de sua casa, etc. Podem ainda incluir a cobertura de roubo de bens, mas deve verificar o que consta da sua apólice sobre este último ponto. 

Assim sendo, se quiser assegurar os bens que tem no interior da sua casa - mobília, equipamentos eletrónicos, vestuário e peças decorativas, tomar a decisão de contratualizar um seguro para o recheio da sua casa pode mesmo ser uma mais-valia.

Leia ainda: Não corra riscos com o seu seguro multirriscos 

O que é o seguro de recheio e o que cobre? 

Estes seguros são importantes para salvaguardar o recheio da sua casa, cobrindo uma percentagem do valor total dos bens que tem em sua casa, em caso de roubo, ou avarias e estragos. 

As coberturas deste tipo de seguros dependem da seguradora contratada, mas podemos definir quatro grandes áreas: 

  1. Furto ou roubo - esta cobertura garante que o tomador do seguro seja indemnizado em caso de furto ou roubo do recheio da habitação. Neste caso, os estragos decorrentes de um assalto podem também estar cobertos (por exemplo, a porta ou as fechaduras, as janelas, etc.);
  2. Danos considerados graves - inclui atos de vandalismo, catástrofes naturais, ou danos provocados por água ou choque de veículos;
  3. outros danos considerados menos graves - como queda/quebra de objetos, danos decorrentes de fumo ou calor, despesas de remoção relacionadas com escombros, por exemplo;
  4. Responsabilidade civil - cobre danos provocados a terceiros.

Leia ainda: Devo pedir um crédito pessoal para mobilar a minha nova casa

Como calcular um seguro de recheio?

A primeira coisa que deve fazer, se está a pensar contratar um seguro deste género, é um inventário de tudo o que tem na sua casa, pelo menos, de tudo o que vale a pena assegurar. Depois de inventariar todas as peças de valor que tem em sua casa, organize-as por secções, sendo que joias, obras de arte, antiguidades, armas ou coleções, são objetos de muito valor e, por isso, devem estar à parte. 

Fotografe as peças que quer assegurar e atribua-lhes um valor (se tiver faturas de aquisição anexe esses documentos, são importantes para atestar o valor das peças).

Com este processo garante que não deixa escapar nada e que os bens mais especiais estão bem avaliados (se necessário contrate um avaliador), caso contrário, numa situação de azar pode sair prejudicado.  

Por outro lado, saiba que os seguros de recheios de casa não cobrem furtos de dinheiro nem furtos relacionados com pessoas ligadas ao assegurado, como familiares ou empregadas. Tenha ainda em conta que a contratação deste seguro tem em consideração se a habitação tem alarme, ou outro tipo de segurança (por exemplo se viver num prédio com vigilante), o valor a pagar pelo seguro será mais baixo. 

Depois deste trabalho feito, some o valor total que quer assegurar e escolha a seguradora. 

Que informações pedir e analisar num seguro de recheio? 

Antes de contratar um seguro de recheio, o regulador dos seguros (ASF), aconselha que peça à seguradora as seguintes informações: 

  • riscos cobertos e excluídos; 
  • coberturas facultativas; 
  • opções quanto às  franquias e o seu impacto no preço do seguro; 
  • outros fatores que afetem o preço do seguro (por exemplo, ter um sistema de proteção contra roubo ou de meios de combate a incêndios); 
  • critérios usados pela seguradora para determinar o valor das indemnizações. 

Dica para os cálculos

Para além destes aspetos que deve ter em consideração, saiba que o montante anual a pagar dependerá também da localização da casa e se é apartamento ou moradia. 

Leia ainda: Comprar a primeira casa com crédito habitação: o que deve saber 

Partilhe este artigo
Artigos Relacionados
Ver todos
Tem dúvidas sobre o assunto deste artigo?

No Fórum Finanças Pessoais irá encontrar uma grande comunidade que discute temas ligados à Poupança e Investimentos.
Visite o fórum e coloque a sua questão. A sua pergunta pode ajudar outras pessoas.

Ir para o Fórum Finanças Pessoais
Deixe uma resposta

Insira o seu nome

Insira um email válido