Crédito

Banco de Portugal flexibiliza regras no crédito pessoal

O Banco de Portugal está a implementar medidas para ajudar as famílias a ultrapassarem o "choque muito agudo" provocado pelo impacto do Coronavírus,

Sara Antunes Sara Antunes , 25 Março 2020 | 5 Comentários

Para ajudar as famílias a terem acesso a liquidez neste período conturbado, o Banco de Portugal vai permitir que os créditos pessoais até dois anos, e que sejam usados para contornar este período, não respeitem as regras da taxa de esforço.

O Banco de Portugal implementou algumas medidas para ajudar o sistema financeiro e as famílias a superarem este período de grandes constrangimentos, flexibilizando as regras no crédito pessoal. Mas apenas para casos específicos.

Ou seja, o regulador, liderado por Carlos Costa, não está a simplificar o acesso ao crédito para todos, está apenas a fazê-lo para alguns casos. O Banco de Portugal explica, numa nota, que “decidiu que os créditos pessoais com maturidades até 2 anos e que sejam devidamente identificados como destinados a mitigar situações de insuficiência temporária de liquidez por parte das famílias deixem de ter de cumprir um limite ao rácio de DSTI, ficando também dispensados de observar a recomendação de pagamento regular de capital e juros.”

O regulador está assim a retirar as imposições em relação à taxa de esforço para estes casos e a permitir que as famílias possam, por exemplo, começar só por pagar juros e só mais tarde o capital, dando tempo para que a situação económica normalize.  

Leia ainda: O que é o crédito pessoal?

Pandemia justifica alívio das regras

E tudo isto num enquadramento específico, tal como explica a nota do BdP: “A pandemia do novo coronavírus representará um choque muito agudo, mas de natureza temporária, pelo que é fundamental assegurar, no muito curto prazo, liquidez às famílias e às empresas, continuando a ancorar os critérios de concessão de crédito no médio e longo prazo.”

As regras de limites de DSTI (que é o rácio entre os encargos com prestações mensais e o rendimento líquido) determinam que as famílias têm de cumprir um rácio de 50%, ou seja, não podem gastar mais de metade do seu rendimento líquido em prestações mensais. Isto incluindo todo o tipo de financiamentos.

Desta forma, é possível conceder empréstimos a dois anos, que sejam usados para resolver problemas de liquidez temporária, em que os limites de taxa de esforço não são considerados. Contudo, tem de ser garantido que o cliente tem meios para cumprir com o pagamento.

Quanto aos valores que podem ser concedidos, o Banco de Portugal não fixou um limite na recomendação, mas só se incluem créditos acima dos 6.400 euros (o equivalente a 10 vezes a remuneração mínima garantida). Ainda assim, sendo o prazo máximo de dois anos, os montantes não poderão ser muito elevados, para que os clientes consigam cumprir com os pagamentos.

Mas, para que consiga aceder a um financiamento nestas condições, a financeira ou o banco em questão terão de avaliar a capacidade de cumprimento por parte do cliente e terão a última palavra sobre a aprovação do processo.

Leia ainda: Concessão de crédito ao consumo bate recorde em 2019

Na nota divulgada agora, para ajudar as famílias a contornar a atual situação (com algumas famílias a perderem parte dos seus rendimentos) flexibiliza esta questão da taxa de esforço, mantendo ainda assim as recomendações que tinha feito no final de janeiro e que vão entrar em vigor no dia 1 de abril.

O Banco de Portugal salienta ainda que a nota agora publicada “não constitui impedimento à aplicação de uma moratória para fazer face a insuficiências temporárias de liquidez das famílias, no contexto das medidas para combater os impactos do Covid-19. O mesmo se aplica às moratórias que os bancos têm vindo a conceder de forma voluntária.”

Novas regras entram em vigor a 1 de abril

No final de janeiro, o regulador emitiu recomendações que têm o objetivo de limitar concessão de crédito pessoal. As novas regras, que entram em vigor a 1 de abril, reduzem de 10 para sete anos o prazo máximo dos empréstimos ao consumo.

Esta recomendação, que se mantém, foi feita antes de o Coronavírus ter tido impacto na vida dos portugueses. O supervisor pretende com esta medida, não só prevenir o escalar de riscos para o sistema financeiro, tendo em conta o contexto de baixas taxas de juro, elevado endividamento e reduzida taxa de poupança das famílias, como também promover o acesso a financiamento sustentável.

Se nesta fase precisa de ajuda, consulte um intermediário financeiro, como o Doutor Finanças, que pode apresentar soluções para o seu caso, sem custos.

Partilhe este artigo
Tem dúvidas sobre o assunto deste artigo?

No Fórum Finanças Pessoais irá encontrar uma grande comunidade que discute temas ligados à Poupança e Investimentos.
Visite o fórum e coloque a sua questão. A sua pergunta pode ajudar outras pessoas.

Ir para o Fórum Finanças Pessoais

Deixar uma resposta (Podemos demorar algum tempo até aprovar e mostrar o seu comentário)

7 comentários em “Banco de Portugal flexibiliza regras no crédito pessoal

  1. Boa noite tenho um crédito que já consegui negociar com o meu banco e fiquei com uma prestação boa 160€ agora gostaria de consolidar os meus cartões de crédito que são 5 e mais um pessoal, já enviei os meus documentos para ver se consigo fazer um consolidado do resto e anular os cartões desde que não passe dos 50% do meu ordenado e isto não é? Mas já não queria mexer no do banco era só os restantes porque o millenium não faz consolidado de tudo e fiquei pendente com os cartões.
    Vamos ver se com a vossa ajuda eu consigo consolidar o resto para ter uma vida mais desafogada.
    Obrigado
    Marina Marcos

  2. Tenho dois creditos pessoais um na cofidis e outro no bankinter fiquei sem emprego mas tambem sem diryito ao fundo de desemprego gostaria de saber se posso pedir a moratoria nestes 2 creditos.obrigada

    1. Olá, Alexandra.

      De acordo com o nº2 do artigo 2º do Decreto-Lei 10-J/2020, a moratória de crédito para o caso de pessoas singulares só se aplica relativamente ao crédito habitação e, ainda assim, apenas no caso de a pessoa estar numa das muitas situações relacionadas com a pandemia que conferem direito a algum dos apoios (ou numa situação de desemprego).

      Estes são os cenários impostos pelo governo. Mesmo assim, há várias instituições que estão a aplicar moratórias também noutros cenários, pelo que recomendo que entre o mais depressa possível em contacto com a cofidis e com o bankinter para saber quais são as suas opções…

      Mesmo que eles não apliquem moratórias noutras condições, a Alexandra tem obrigação de lhes dar a conhecer a sua dificuldade em cumprir o pagamento das prestações enquanto ainda estão em dia, e eles de tentar ver consigo se é possível alterar o plano de pagamentos para evitar o incumprimento…

  3. Porque ainda não dizem nada sobre o pedido de moratória do santander consumer? Já liguei duas vezes antes de vencer meu crédito , pois meu patrão ainda não me disse nada a respeito do meu ordenado, no santander consumer não saber dizer nada sobre como proceder ao pedido de moratória do financiamento do carro?

    1. Olá, Márcia.

      Quanto à falta de resposta, terá de ser o Santander a esclarecer essa questão.
      Quanto ao procedimento, o Santander tem essa informação publicada no seu website, quer para acesso ao apoio do estado para crédito habitação, quer para os apoios que o próprio Santander decidiu disponibilizar (parece-me ser o seu caso).