Na Dica do Doutor desta semana procuraremos alertá-lo para os principais elementos que deve considerar para assegurar a escolha certa do seu crédito habitação. 

Na fase de crescimento económico que vivemos, numa altura em que a oferta de imóveis acabados de construir aumenta, a oferta de imóveis para arrendamento é cada vez menor e mais cara, os Bancos possuem maior capacidade para financiar, com as taxas Euribor negativas e com os spreads a reduzir, a compra de casa própria é cada mais equacionável pelos Portugueses.  

“Mas será que todos sabemos escolher o melhor crédito habitação? 

Muitos são os fatores que deveremos ter em consideração no momento de optarmos pela escolha de um produto bancário que iremos pagar nos próximos anos (deixando sempre a ressalva importante, que poderemos e deveremos transferir o crédito para outro Banco, quando as condições escolhidas inicialmente ficam desajustadas ao que se pratica pelos Bancos), senão vejamos: 

Antes de mais, deveremos saber que não há um só Banco que seja a melhor opção para todos os casos, como tal, deveremos saber o enquadramento do nosso caso específico e saber escolher. 

7 dicas a ter em conta do momento de escolher o seu Crédito Habitação

 TAEG / MTIC – deveremos perceber, através da FINE (Ficha Informação Normalizada Europeia) qual é a taxa final (incluindo os custos associados) e o MTIC (Montante Total Imputado ao Consumidor), ou seja, quais os custos reais que teremos com o crédito que pretendemos contratar. 

– A escolha do tipo de taxa – podemos optar por taxa fixa, taxa variável ou taxa mista e perceber quais as vantagens e desvantagens de cada uma delas para o nosso processo. 

– Produtos obrigatórios associados ao crédito habitação – a maioria dos Bancos fazem reduções na taxa do crédito habitação na condição de subscrevermos outros produtos bancários, e esses custos associados justificam a redução na taxa que nos propõem? 

– Qual o prazo da Euribor que deveremos escolher? Se optamos por taxa variável, qual o indexante que deveremos pedir (3, 6 ou 12 meses)? 

O arredondamento da Euribor para a definição da taxa final a cobrar. 

– Seguros associados – Sabendo que o contrato de crédito habitação nos acompanhará diversos anos, quando decidimos contamos com o aumento que irá ocorrer nos prémios de seguroespecialmente no seguro de vida que tem agravamentos elevados com o aumentar da idade? 

 Despesas associadas cobradas pelo Banco – Existem sempre diversas comissões que nos são cobradas quando contraímos um crédito habitação, como a avaliação, comissão de processo, despesas de solicitadoria, comissão de gestão de prestação, entre outras, umas são medíveis pela FINE, mas outras não, e no final quando gastamos realmente? 

Existem outros fatores que são importantes analisar quando escolhemos um crédito habitação, que representam muitos milhares de Euros ao longo do prazo do contrato de crédito e que nem sempre analisamos ao pormenor porque o crédito habitação é denominado como um produto emotivo, porque afinal estamos a comprar a nossa casa.

Não pretendemos alarmá-lo com a complexidade destes temas, apenas alertá-lo. Pretendemos que faça uma escolha acertada e que só pague o que precisa de pagar. 

Para uma melhor escolha aconselhamos a que procure a ajuda de um consultor. Este vai ajudá-lo a encontrar a solução mais vantajosa, o Banco e produto mais ajustado à sua necessidade, no momento de escolher o seu crédito habitação. 

Compre a sua casa, mas pague só o que precisa de pagar. 🙂

Reveja as Dicas do Doutor anteriores:

“Já reservou as suas férias e pagou com cartão de crédito?”

“Será que não estou a pagar mais de IMI do que devia?”

“O que é o LTV?”