Orçamento Familiar

Entrada na universidade? Ensine os seus filhos a gerir o dinheiro

Se o seu filho vai estudar para outra cidade, tome a dianteira para que a família consiga poupar o máximo possível nas despesas.

Orçamento Familiar

Entrada na universidade? Ensine os seus filhos a gerir o dinheiro

Se o seu filho vai estudar para outra cidade, tome a dianteira para que a família consiga poupar o máximo possível nas despesas.

A entrada de um filho na universidade é uma nova etapa para toda a família, principalmente quando há uma mudança de cidade. É preciso gerir as saudades e as despesas extra e, por isso, nada como incluir o seu filho nesta tarefa. Assim, além de o capacitar na gestão de finanças pessoais e de poupança, vai provavelmente conseguir fazer algumas poupanças.

Alojamento

Uma das despesas mais consideráveis para quem estuda fora de casa é o alojamento, já que as residências universitárias públicas são poucas e, geralmente, em cidades em que há farta oferta universitária, os preços dos quartos muitas vezes disparam.

Procure residências privadas de estudantes e pode pesquisar online os preços dos quartos, para ter uma ideia. Se não tem família ou amigos que vos possam aconselhar, nada como recorrer às associações de estudantes ou de antigos alunos para esclarecer dúvidas.

Depois, faça contas para perceber se não compensa arrendar um apartamento, até porque o seu filho pode sempre candidatar-se ao programa Porta 65 e reduzir consideravelmente o encargo. Em alternativa, caso haja colegas que também escolheram a mesma cidade/universidade, pondere arrendar para partilhar. Mas não se esqueça: neste caso, energia e internet também entram nas despesas, assim como mobília, se o apartamento estiver vazio.

Leia mais: Universidade: quanto custa tirar um curso superior?

Propinas e bolsas de estudo

Outra despesa fixa são as propinas, que podem ser pagas uma vez por ano ou faseadamente. Se o seu filho entrou na universidade pública, o valor a pagar de propina anual deverá rondar uma média de 650/700 euros, mas se entrou numa universidade privada, a média é de 3.000 euros por ano. 

Se os rendimentos são curtos e está a ponderar fazer um crédito universitário, vale a pena incentivá-lo a candidatar-se a uma bolsa de estudo, no caso da universidade pública, através da Direção Geral do Ensino Superior (DGES). Aliás, para quem recebe bolsas de estudo e não tem vaga em residência universitária, tem direito a um complemento de alojamento, no valor de 219 euros.

Algumas câmaras municipais também têm programas de bolsas de estudo, assim como algumas organizações sem fins lucrativos. É o caso da Fundação Calouste Gulbenkian, a Fundação António Aleixo ou a Fundação para a Ciência e Tecnologia, por exemplo. Se o seu filho for um estudante de excelência, pode sempre tentar obter uma bolsa de mérito junto da Universidade.

Leia mais: Não consegue pagar as propinas da universidade? Conheça 6 soluções

Como poupar no dia a dia

Alimentação

Outra grande fatia do orçamento vai para alimentação, principalmente se comer fora de casa. Aqui, há várias opções: há famílias que optam por enviar refeições individuais prontas a aquecer para toda a semana, mas também há quem incentive os filhos a planear e a confecionar a própria comida na cidade onde estudam e levar marmita caso não consigam ir a casa. Outra alternativa são as cantinas sociais, cujas refeições são, em regra, completas e bastante em conta.

Deslocações

Seja para deslocações diárias para a faculdade ou para visitar os pais ao fim de semana e férias, há sempre maneira de conseguir poupar dinheiro. Aliás, a escolha da casa também deve ser feita a pensar nisto. Se a distância for pedonal, é perfeito, mas caso não seja possível, o seu filho tira o passe social ou tenta articular-se com os colegas que tenham transporte próprio e possam dar boleia. No caso das viagens a casa, geralmente o autocarro é mais barato (e mais frequente) , mas se optar pelo comboio tem direito a 25% de desconto. Também há vários grupos de boleias nas redes sociais, que repartem os custos pelos ocupantes.

Descontos

Sabia que o cartão jovem ainda existe e continua a dar descontos em vários setores, com um custo de 10 euros por ano? Nada como instalar a app e verificar quais as ofertas na zona para onde vai o seu filho. Em algumas cidades também existe o cartão jovem municipal, pode ser mais vantajoso. Se necessita de lhe comprar um portátil ou outro equipamento informático, algumas marcas oferecem descontos para universitários. E se ainda não tem conta bancária, ser estudante também traz vantagens: uma delas é a anuidade gratuita.

Ganhar um extra

Se o seu filho quer ter mais liberdade financeira pode tentar encontrar um part-time que seja conciliável com os estudos, por exemplo, a dar explicações ou até inscrever-se na bolsa de voluntariado e ter um desconto nas propinas. Caso opte por um emprego, seja a tempo parcial ou a tempo inteiro, lembre-se que pode requerer o estatuto de trabalhador-estudante, o que traz algumas vantagens: época especial de exames e dispensa do trabalho para situações específicas, por exemplo.

Ler mais: O guia de poupança para estudantes universitários

Partilhe este artigo
Artigos Relacionados
Ver todos
Tem dúvidas sobre o assunto deste artigo?

No Fórum Finanças Pessoais irá encontrar uma grande comunidade que discute temas ligados à Poupança e Investimentos.
Visite o fórum e coloque a sua questão. A sua pergunta pode ajudar outras pessoas.

Ir para o Fórum Finanças Pessoais

Deixar uma resposta (Podemos demorar algum tempo até aprovar e mostrar o seu comentário)