Finanças pessoais

5 Sinais que indicam que não está a gerir bem a sua vida financeira

Natacha Figueiredo Natacha Figueiredo , 27 Setembro 2019

Numa sociedade de consumo nem sempre é fácil gerir bem a nossa vida financeira. Quando não temos um bom método de gestão, e contraímos alguns empréstimos que nos permitem adquirir o estilo de vida que desejamos, arriscamo-nos a ficar rodeados de dívidas que não conseguimos suportar com os nossos ordenados.

Por isso é fundamental ser um consumidor consciente e responsável. Poupar e gerir podem não ser as palavras mais atrativas, no entanto são a chave para termos uma vida financeira estável e segura.

De forma a alertar os portugueses para os graves problemas de uma má gestão, damos-lhe 5 sinais que indicam que não está a gerir bem a sua vida financeira. Apresentamos também soluções práticas para mudar o rumo das suas finanças.

1 - A sua taxa de esforço é superior a 50% 

A taxa de esforço é uma fórmula simples que permite apurar o esforço financeiro que um agregado familiar tem com o pagamento de prestações de créditos contraídos. É aconselhável que a sua taxa de esforço não exceda os 30%, para conseguir continuar a pagar todas as suas despesas com tranquilidade. 

Se a sua taxa de esforço é superior a 50%, poderá não estar a gerir a sua vida financeira da melhor forma. Esta é a altura ideal para repensar nas suas prioridades, e perceber como poderá diminuir a sua atual taxa de esforço.  

Dica: Pode aprender a calcular a sua taxa de esforço neste link, e saiba como baixar a mesma neste artigo.

2 - Neste momento não tem qualquer tipo de poupanças 

Se todos os meses costuma gastar todo o seu ordenado, sem nunca colocar uma quantia de parte, pode não ajudar na poupança no futuro. Ter um fundo de emergência ou um plano de poupanças é essencial para ter uma vida financeira mais tranquila. .

Dica: falamos muitas vezes sobre a importância de ter um orçamento familiar, e como poupar dinheiro com algumas mudanças na sua gestão financeira. Lembre-se de incluir um valor mensal para criar um fundo de emergência ou uma poupança. O valor aconselhável são 20% dos rendimentos do seu agregado familiar. No entanto se for uma quantia muito alta neste momento comece por uma pequena percentagem. O mais importante é conseguir poupar mensalmente.

3 - Tem muitas dívidas relativas aos seus cartões de crédito

Se neste momento tem dívidas relativas aos seus cartões de crédito, e tem estendido o prazo para o pagamento dos mesmos, este é indicador de uma má gestão financeira. A utilização ideal de uma cartão de crédito pressupõe a liquidação a 100% do valor no prazo acordado. Quando utilizamos regularmente o cartão de crédito, principalmente sem ser de uma forma regrada e com um objetivo bem definido, existe uma forte probabilidade de acumularmos dívidas difíceis de liquidar.  

Dica: Se já está a pagar a dívida do seu cartão e os seus respetivos juros, evite a utilização do mesmo enquanto não liquidar o valor total que está em falta. Quando saldar a sua dívida repense na forma como utiliza o seu cartão, e faça usufruiu do mesmo apenas quando for vantajoso e conseguir pagar a totalidade do valor no prazo acordado. Pode ainda ler o artigo “Crédito: Como regular as dívidas do cartão de crédito” para o ajudar nesta fase.

4 - Os seus cartões costumam ser recusados por falta de liquidez

Se é habitual chegar à caixa para efetuar uma compra e o seu cartão é recusado por falta de liquidez, deve equacionar os seus gastos de outra forma. Quando somos os gestores das nossas finanças temos que planear bem as nossas compras, mas também temos que saber quando é altura de entrar em modo de poupança. Ao fazermos uma boa gestão, com tudo orçamentado, sabemos exatamente qual é o valor que podemos gastar mensalmente.  

Dica: Seja qual for a fase em que estamos, ter um orçamento pessoal ou familiar com objetivos bem definidos é essencial para não termos problemas financeiros mais tarde. Pode ler o artigo: “As várias etapas da vida financeira: como gerir o orçamento aos 20, 30 e 40 anos” para o ajudar a criar o seu orçamento.

5 - Costuma deixar passar a data limite de pagamentos

Se costuma ficar sem o seu tarifário porque se atrasou no pagamento ou se por vezes já ficou sem água ou eletricidade pelos mesmos motivos, não está a gerir bem as suas finanças. Existem várias contas que todos os meses têm que ser liquidadas dentro do prazo limite, e se não tivermos uma boa organização estamos sempre a pagar multas e a ficar privados desses serviços.

Solução: Para evitar estes problemas basta criar um método para não falhar o prazo limite. O método pouco importa desde que resulte para si. Deixamos aqui cinco formas de organização para não falhar os seus pagamentos:

  • Colocar post-its no seu frigorífico com as datas das faturas a pagar 
  • Anotar na sua agenda os dias que tem que pagar as suas contas 
  • Agendar no seu telemóvel os dias de pagamentos  
  • Pagar todas as contas assim que recebe o seu ordenado de forma a liquidar todas as contas 
  • Usar uma aplicação de gestão financeira (existem muitas aplicações que permitem agendar as datas de pagamentos e têm alertas quando chegar a data definida). 

Quer melhorar os seus rendimentos? Talvez seja hora de começar a investir

Se atualmente vive uma situação financeira estável, mas gostava de melhorar os seus rendimentos, investir pode ser uma boa solução. Em caso de dúvida pode sempre contar com a ajuda dos nossos profissionais que irão apresentar-lhe as melhores soluções do mercado para si.

Ler mais: Na hora de investir, sabe onde colocar o seu dinheiro?

Dica para jovens melhorarem a sua vida financeira enquanto vivem em casa dos pais

Para aqueles que ainda vivem em casa dos pais, mas já iniciaram a sua vida profissional esta é a melhor altura para criar uma conta poupança.

Pense que neste momento não tem as contas para pagar que teria se fosse completamente independente, por isso é uma oportunidade que não deve deixar passar para criar um “pé de meia”. Se todos os meses colocar de parte 100 euros, ao fim de 3 anos terá junto 3600 euros.

Pode não parecer muito, mas este valor dará para pagar a caução de uma renda, e ainda comprar algumas coisas que irá precisar para a sua casa nova. Se está a pensar comprar casa poderá ter que juntar durante mais algum tempo, mas imagine que consegue poupar o valor da entrada da sua casa sem ter que contratar mais um crédito.

Este tipo de decisão pode melhorar muito a sua vida financeira no futuro, por isso não descure a hipótese de criar uma conta poupança enquanto vive com os seus pais.

Partilhe este artigo
Etiquetas
  • #finanças pessoais

Deixar uma resposta