Gerir o orçamento eficientemente varia de acordo com os diferentes momentos da nossa vida, nomeadamente as necessidades que temos à medida que avançamos na idade. Neste artigo, damos-lhe algumas pistas que o vão ajudar a gerir o seu dinheiro consoante a faixa etária em que se encontra.

Gerir o orçamento pessoal para que o dinheiro chegue ao final do mês, sem dramas, requer algum investimento pessoal. É preciso criar rotinas e estudar conceitos para tomar decisões ponderadas e, ao longo da idade adulta, passamos por diferentes fases (o primeiro emprego, a compra da casa, o nascimento dos filhos, a reforma…). No entanto, nem sempre estamos cientes das necessidades da etapa seguinte e acabamos por cometer alguns erros na gestão do orçamento pessoal.

Construir um hábito de gestão do dinheiro desde os primeiros anos de adulto é fundamental para que, ao longo da vida, não sejamos apanhados por imprevistos que colocam o nosso bem-estar financeiro à prova. Deixamos-lhe algumas dicas para gerir o orçamento pessoal consoante a faixa etária (20, 30 e 40 anos).

Gerir o orçamento aos 20 anos: controlar os gastos

Registar os gastos 

O primeiro emprego é, muitas vezes, sinónimo de independência financeira (dos pais). Finalmente podemos comprar aquele gadget que queríamos há tanto tempo, ou aquela peça de roupa que andávamos a namorar. O facto de termos um ordenado pode levar ao exagero de gastos, porque finalmente temos acesso a dinheiro que é só nosso e que é fruto do nosso trabalho.

Assim, se está a entrar nesta fase, sugerimos que, com o primeiro ordenado, comece também a ganhar hábitos de gestão de orçamentos: no início de cada mês, estipule quais são os gastos fixos (gasolina, refeições, etc.) e que dinheiro sobra para os gastos variáveis (sem esquecer a poupança). Use uma app ou um ficheiro de Excel para registar os gastos e analise-a mensalmente, para identificar gastos excessivos e oportunidades de poupança. O Doutor Finanças aconselha o Boonzi, que lhe permite controlar os seus movimento apenas com um copiar/colar.

Iniciar um plano-poupança

Tal como referimos acima, é importante começar a poupar desde cedo. Consulte o seu banco para saber quais os planos-poupança disponíveis. Embora os depósitos atualmente existentes nos bancos tenham taxas pouco atrativas também são uma opção, não têm qualquer tipo de risco e permitem-lhe ter algum dinheiro à parte da conta corrente, para imprevistos ou projetos futuros.

Pode ainda utilizar a solução automática que lhe permite  transferir directamente um valor mensal para a sua conta, de forma automática.

Estabelecer objetivos a curto, médio e longo prazo

Pense nos planos que tem para o futuro e como vai financiá-los. Se está a planear comprar um carro ou tirar um curso, defina o valor de que necessita, a data em que pretende concretizar esse objetivo e como pode lá chegar. Estabeleça um valor mínimo de poupança mensal de acordo com o seu objetivo.

Gerir o orçamento aos 30 anos: comprar casa e investir

Escolher um seguro de saúde

Parece improvável, mas os 30 anos são a altura ideal para escolher um seguro de saúde. Iniciará agora um investimento que poderá a vir a ser muito útil no futuro, pois terá acesso a uma rede de cuidados médicos de excelência, a um custo mais reduzido. Antes de escolher um seguro de saúde, faça uma análise do mercado, compare planos e tenha especial atenção às franquias e aos limites de reembolso.

Comprar casa

Sair de casa dos pais é, habitualmente, um dos planos que fazemos assim que iniciamos a vida adulta. Contudo, a idade média para comprar casa própria situa-se cada vez mais perto dos 30. Esta é, portanto, uma boa altura para começar a investigar o mercado imobiliário e descobrir qual o banco que está a oferecer melhores condições de crédito habitação

Investir as poupanças

Se começou a poupar aos 20, aos 30 já terá uma boa quantia de dinheiro de parte. Faça contas às suas poupanças e ponha de lado uma pequena parte para investir. Tenha sempre em mente que os produtos financeiros que geram maior retorno têm também associado um maior risco, pelo que não deve investir a totalidade das suas poupanças.

Gerir o orçamento aos 40 anos: precaver o futuro

Amortizar o crédito

Nesta fase da vida, talvez seja boa ideia pensar em amortizar o crédito, seja para mudar de casa, comprar uma casa de férias ou simplesmente ver a sua dívida mais rapidamente saldada. Mas atenção: nem sempre a amortização é vantajosa e alguns bancos podem penalizar o cliente. Consulte sempre o seu banco e avalie as vantagens e/ou desvantagens antes de amortizar a dívida do crédito habitação.

Fazer um PPR

Ao chegar aos 40 anos, está sensivelmente a meio da sua carreira contributiva. No entanto, para assegurar um estilo de vida confortável na reforma, é aconselhável fazer um Plano Poupança Reforma. Para além de assegurar o futuro, terá benefícios no IRS.

Poupar para a universidade dos filhos

Por esta altura, os seus filhos já estarão na idade escolar. Está na altura de começar a poupar para a universidade: propinas, livros e alojamento (se o seu filho escolher uma universidade longe de casa) podem ter um grande impacto no orçamento mensal familiar, pelo que, quanto mais cedo começar a poupar para estes gastos, melhor.

 

Gerir o orçamento de forma responsável é essencial para evitar créditos desnecessários para responder a imprevistos e toda a ansiedade relacionada com os problemas financeiros. Poupar, gastar e investir de forma ponderada é o truque para que nunca sinta que perdeu as rédeas da sua vida financeira, seja qual for a sua idade.

Etiquetas: