Utilidades

Dicas para diminuir a sua pegada ecológica

Conheça algumas dicas para reduzir a sua pegada ecológica no mundo.

Natacha Figueiredo Natacha Figueiredo , 6 Janeiro 2020

Mais de 75% dos europeus estão preocupados com a sua pegada ecológica, com sustentabilidade do planeta e com a degradação da Natureza, segundo o Eurobarómetro. No entanto, muitas pessoas ainda não sabem como devem proceder para reduzir a sua pegada ecológica no mundo. Há gestos mais simples e outros que requerem um esforço maior. Mas a verdade é que alterar alguns comportamentos é o primeiro passo para melhorar as condições atuais da Terra. 

De forma a esclarecer todas as pessoas que querem contribuir para melhorar a sustentabilidade do planeta, o Doutor Finanças apresenta uma série gestos que ajudarão a diminuir a pegada ecológica no mundo.

Leia também: Cada divisão da casa pode ser uma oportunidade para poupar

Controlar o desperdício de água

Este ano, em Portugal voltou a verificar-se escassez hídrica. Por isso, poupar água nas nossas casas é fundamental. Lembre-se que sempre que deixa a água a correr numa torneira está a gastar cerca de 6 litros de água por minuto. 

Para que poupe água, deve sempre controlar o gasto através das torneiras. Tome banhos rápido e feche a torneira enquanto lava os dentes, por exemplo. Se deixar as torneiras abertas, coloque um balde para poder reaproveitar o excesso para outras utilizações, como despejar na sanita ou regar as plantas.

Atualmente muitas pessoas já têm autoclismos mais económicos de dupla carga. Se não for o seu caso, basta colocar dentro do autoclismo uma garrafa de 1 litro e meio. Desta forma quando puxar o autoclismo a quantidade de água utilizada será muito menor. 

Evitar o excesso de consumo de carne

Muitas pessoas questionam-se o porquê dos ecologistas falarem tanto na redução do consumo de carne, associada à redução da pegada ecológica. A resposta é simples. “A produção alimentar é responsável por 30% das emissões de gases com efeito de estufa, acabando pela criação de gado e a indústria dos laticínios terem o papel principal nessas emissões devido à produção de metano”, segundo um artigo publicado na revista Visão. 

Alterar a sua dieta alimentar, optar por um regime que inclua menos quantidade de carne mais frutas e legumes é um dos gestos com mais impacto nesta questão. Deve também não despediçar comida e comprar e cozinhar as quantidades certas. Recorra mais o “dia das sobras”, poupando assim dinheiro e usando todos os recursos. 

Para também reduzir o impacto ambiente, opte por produtos frescos, da época e locais. Potenciar o comércio tradicional e os agricultores locais permite a poupança de recursos no transporte dos produtos até aos supermercados. 

Evitar uso do plástico e produtos descartáveis

sacos de plástico

Sabia que em média cada português produz 31 quilos de plástico por ano? Em termos de produção de plástico, Portugal encontra-se claramente acima da média europeia, com uma produção de quase 370 toneladas de plástico. 40% desse valor deve-se às embalagens de plástico, e 22,5% aos bens de uso doméstico e de consumo, segundo o jornal Público. Com estes dados é essencial mudar o comportamento e os hábitos de consumo.

Procure alterantivas para as palhinhas, os sacos de plásticos, os talheres descartáveis ou até as garrafas de água. Substitua este ítens por alguns mais duráveis e que possa reutilizar mais vezes. 

Quanto às embalagens, na hora de escolher tente ao máximo evitar embalagens desnecessárias. Optar por sabonetes embrulhados em papel e produtos vendidos a granel pode ser uma boa opção quando não são embalados em plástico. O produtos de higiene pessoal devem ser repensados. Cada vez mais vão aparecendo soluções que contribuem para minimizar o impacto ambiental negativo e consequentemente a pegada ecológica de cada um. Por exemplo: desodorizantes embrulhados em papel ou cartão, champôs e amaciadores sólidos sem embalagem, o copo menstrual, escova de dentes de bambu, pasta de dentes sólida, entre outros.

O papel deve ser aproveitado e reaproveitado até ser reciclado

Muitos portugueses continuam a fazer um uso excessivo do papel. Eis alguns gestos que podem contribuir para a diminuição do uso de papel:

Não imprima nada que não seja realmente necessário. Vivemos numa época digital, onde a impressão é cada vez menos necessária. Quando precisar de imprimir algo, opte pela impressão nas duas faces da folha.

Se tiver de imprimir páginas, não deite fora depois de cumprirem o seu objetivo. Aproveite-as para papel de rascunho, para as suas listas de tarefas diárias ou para a lista de compras. Assim não terá de comprar tantos blocos de apontamentos e otimizar o consumo do papel.

Quando já não for possível reutilizar o papel, tenha atenção antes de colocá-lo no ecoponto azul. Muitas vezes o papel pode conter fita cola, plástico ou pequenas quantidades de metal. Remova tudo aquilo que não é papel antes de colocar no ecoponto azul.

Poupe eletricidade 

Apesar de 51% do consumo nacional de eletricidade ser garantido por fontes sustentáveis, segundo o Expresso, ainda é essencial mudar alguns hábitos no consumo de eletricidade dentro de quatro paredes. Servem de exemplo os seguintes gestos:

  • Lembre-se se apagar todas as luzes das divisões da casa onde não está ninguém;
  • Pense nos eletrodomésticos em sua casa que ficam com a luz vermelha acesa. Sabia que se permanecerem assim um ano inteiro consomem a mesma quantidade de eletricidade que uma lâmpada acesa um dia e meio?;
  • Se não vai utilizar um eletrodoméstico deve desligar o mesmo da tomada;
  • Após carregar o seu telemóvel, computador, entre outros aparelhos remova os carregadores das tomadas. 
tomadas-electricidade

A roupa também tem impacto na pegada ecológica

Muitas pessoas desconhecem que a roupa ao ser produzida está a consumir recursos naturais, e sempre que é lavada alguns tipos de tecido acabam por poluir o ambiente. Isto porquê? Porque muitas das roupas que usamos diariamente largam microplásticos nas lavagens. Essa água acaba por chegar ao mar, causando graves problemas ambientais. 

Evite ao máximo comprar roupas de poliésteres, estas podem libertar até 1900 fibras numa só lavagem. No caso de ter muita roupa deste tipo de tecido aconselha-se a compra de um saco que proteja a roupa no momento da lavagem. Também não deve lavar esta roupa a altas temperaturas. Embora os outros tecidos também não sejam muito amigos do ambiente devido ao excesso de água que é utilizado para produzir um quilo de roupa, o poliéster é sem dúvida o tecido mais poluente. 

Para não perpetuar o uso excessivo dos recursos na produção de roupa opte por comprar de vez enquando roupa em segunda mão ou trocar peças com amigos e conhecidos.

Além disso, não deite roupa fora, recicle ou doe a quem precisa. Todos os anos são deitadas fora várias toneladas de roupa que nunca será reciclada. Segundo a Agência Portuguesa do Ambiente, em 2017 foram deitadas fora mais de 200 mil toneladas de roupa. Reciclar e doar são gestos essenciais para diminuir os efeitos ambientais negativos da roupa no lixo. 

Evite andar sempre de carro 

A maioria dos portugueses tem consciência que o uso frequente do carro causa diversos problemas ambientais. “Os meios de transporte são responsáveis por quase um quarto das emissões de gases com efeito de estufa, gerados pela queima de combustíveis fósseis”, segundo a Agência Internacional de Energia.

Andar a pé e de bicicleta não só fazem bem à saúde, como são a solução indicada para diminuir as emissões de gases com efeito de estufa. Caso precise de fazer distâncias longas tente ir de transportes públicos, pois diminuem o número de transportes a circular na estrada. Caso tenha mesmo que optar pelo seu carro tente não andar a acelerar constantemente e não ligue o ar condicionado. Tente ao máximo poupar combustível.

A solução está na diminuição do lixo e não na reciclagem

Esta é uma perspetiva ainda pouco conhecida. A quantidade de lixo produzido por cada ser humano é um dos maiores problemas da atualidade. Como ao longo dos anos tem sido muito complicado diminuir essa quantidade, a reciclagem acabou por ser uma opção viável para evitar a acumulação de resíduos.

No entanto reciclar não soluciona o problema alarmante da quantidade de lixo produzido no mundo. Nos últimos anos Portugal tem melhorado os números no que toca a reciclar, mas ainda há um longo caminho pela frente quanto à diminuição da quantidade de lixo.

Optar por uma vida minimalista é uma das soluções mais viáveis. Isto a par com a consciencialização da pegada ecológica de cada um através de tudo aquilo que se compra. Ou seja, o ideal é:

  • Não trazer nada para casa que não seja necessário;
  • Doar tudo aquilo que não quer;
  • Consumir o que é apenas essencial;
  • Optar por produtos ecológicos e com preocupações ambientais;
  • Tentar acabar com a compra de produtos embalados e descartáveis;
  • E reciclar de forma correta o que sobra.

Atualmente existem algumas pessoas que seguem um estilo de vida com o objetivo de produzir o mínimo de lixo possível. Um dos casos mais conhecidos no nosso país é o Movimento Lixo Zero.

Inspire-se e procure reduzir a seu pegada ecológica, com gestos que também são amigos da carteira, já hoje.

Partilhe este artigo
Tem dúvidas sobre o assunto deste artigo?

No Fórum Finanças Pessoais irá encontrar uma grande comunidade que discute temas ligados à Poupança e Investimentos.
Visite o fórum e coloque a sua questão. A sua pergunta pode ajudar outras pessoas.

Ir para o Fórum Finanças Pessoais

Deixar uma resposta (Podemos demorar algum tempo até aprovar e mostrar o seu comentário)

4 comentários em “Dicas para diminuir a sua pegada ecológica