Vida e família

Se tem roupa que já não usa, saiba onde e como pode vendê-la

Se tem roupa que já não utilize, pode vender em plataformas específicas ou em feiras de venda em segunda mão. Conheça neste artigo várias opções que pode ter.

Luisa Barreira Luisa Barreira , 9 Setembro 2019

Precisa de libertar espaço dos seus armários? Tem roupa que já não usa, muita dela só usou apenas uma vez e está em bom estado? Sabia que pode ter dinheiro “parado” em casa? É isso mesmo: vender roupa usada, assim como outros artigos usados que já não têm utilidade para si, tem sido um tema em destaque e cada vez mais comum.

Se acha que está na altura de deixar de acumular coisas de que não utiliza, então tem várias formas de rentabilizar o que tem acumulado lá por casa. Porque o que para si vale pouco ou já não tem valor, para outros pode ser a “tal” peça que tanto procuram.

Por isso comece a selecionar as peças de roupa que já não usa e venda! Seja através de plataformas online, lojas de roupa usada ou vendas de rua, acredite que consegue com isso um rendimento extra.

Deixamos-lhe algumas dicas para vender melhor e os locais onde pode fazê-lo.

Plataformas digitais

Existem, ao seu dispor, várias plataformas digitais, entre sites e aplicações, que o podem ajudar a rentabilizar o que tem guardado e não usa e provavelmente não vai voltar a usar. Pode vender roupa, sapatos ou acessórios de moda. Conheça alguns exemplos de plataformas onde pode colocar à venda todas essa peças e ganhar dinheiro:

OLX e Custo justo

Estes dois sites são dos mais conhecidos e também aqui poderá vender a sua roupa ou outros artigos em segunda mão. Para tal, basta tirar algumas fotografias às peças que quer vender, identificar o artigo e o tamanho da peça de roupa, definir um preço e a sua localização. Limitando a localização, poderá entregar a peça em mão ao comprador, diminuindo o custo que teria com portes de envio, por exemplo.

O processo é simples: basta registar-se, criar anúncios para cada uma das peças que pretende vender e aguardar o contacto de possíveis interessados, que é feito normalmente, por mensagem privada.

Roupeiro.pt

Este site é muito semelhante ao OLX e Custo justo, tendo a particularidade de ser apenas dedicado à compra e venda de roupa, calçado e acessórios.

Micolet

É uma plataforma de venda de roupa e acessórios em segunda mão, com uma particularidade. Neste caso é a plataforma que atribui um preço ao artigo que coloca à venda. Isto é, basta inserir os artigos que pretende vender e através de um algoritmo próprio o portal calcula automaticamente o valor das roupas e acessórios, de acordo com a sua cor, tamanho e interesse dos utilizadores. Os valores são estabelecidos de acordo com as mais de mil peças que vende por dia.

Poshmark

Trata-se de uma aplicação, disponível quer para android quer para iOS, onde pode colocar desde vestuário, a calçado e acessórios de moda. Pode ainda trocar, comprar ou vender os artigos. Nesta app promovem-se as chamadas “virtual shopping parties”, que são “encontros” organizados entre os utilizadores, para a partilha mais intensa de fotografias dos artigos, feedback e trocas de roupa entre utilizadores da aplicação.

Ebay

É uma plataforma muito conhecida e a vantagem de trabalhar com esta plataforma, em relação às plataformas e sites anteriormente referidos, é o facto de ter meios de pagamento associados.

Facebook

Se tem um perfil de facebook, aproveite para divulgar a roupa que pretende vender, quer pela criação de uma página própria, quer pela participação nas dezenas de grupos privados que existem para este fim.

Lojas de roupa usada

Normalmente, nas lojas de venda de roupa em segunda mão, os artigos que se vendem mais facilmente são as roupas mais antigas – peças vintage - que tenham valor histórico, de outras gerações e que marquem pela difrença.

Os artigos a vender são avaliados pela loja que vai selecionar quais as peças com que pretende ficar. Em alguns casos é a própria loja, que depois de avaliar as peças, atribui um preço, definindo a margem que fica para o proprietário.

O proprietário pode aceitar um pagamento pela peça e fica a cargo da loja a venda da mesma. Noutras lojas, o proprietário apenas recebe um valor de comissão quando a peça é vendida. Ou seja, neste último exemplo as peças ficam, como se designa, à consignação.

Existem algumas lojas como: Loja Baú (Lisboa), Retro City (Lisboa), Escolhido a Dedo (Torres Vedras), A outra face da Lua (Lisboa), Quartier Latin (Porto), 4 R'S (Viseu), Paradoxo (Leiria), Heartcore (Lisboa), Já (Oeiras), Mon Père Vintage (Porto), Wild at Heart (Porto), Kid to Kid (em vários pontos do país – roupa de criança), Dar a Vender (crianças).

Vendas de Rua, como feiras e mercados

Se pretende vender sem intermediários e gosta de manter o contato direto com os potenciais compradores, então a participação em vendas de rua é o ideal para si!

Saiba que este conceito tem ganho cada vez mais adeptos e são cada vez mais habituais nas nossas cidades. Em algumas feiras a participação é paga e o valor pode rondar entre os 10 euros e os 30 euros, mas noutras a inscrição é gratuita. Portanto, faça uma seleção do que tem a mais em casa e pretende vender e antes de se decidir por uma feira, informe-se se é gratuita ou se compensa o investimento da inscrição.

Na venda de rua, tenha em atenção à apresentação das peças. Tenha a roupa organizada em cabides e os acessórios numa mesa, por exemplo. Tenha o espaço, que lhe está reservado, limpo e organizado.

Algumas sugestões de feiras, nas quais pode participar, são:

  • Feira da Ladra: Lisboa, às terças e sábados, custo entre 4 a 16 euros;
  • Feira das Almas: Lisboa, uma vez por mês, participação gratuita;
  • Lx Market: Alcântara, todos os domingos, custo entre 20 a 30 euros;
  • Feira da Avenida da Liberdade: Lisboa, segundo fim de semana de cada mês, participação gratuita;
  • Feira da Vandoma: Porto, todos os sábados, participação gratuita;
  • Feira do Relógio: Marvila, todos os sábados, participação gratuta;
  • Mercado Porto Belo: Porto, todos os sábados, participação gratuita;
  • Flea Market: Porto, primeiro sábado de cada mês, custo desde 13 euros( espaço 2m x 2m);
  • Garden Sale: Cascais, datas previamente anunciadas, participação gratuita.

Dicas para apresentar as peças online

Depois de ficar a saber os principais locais onde pode vender a sua roupa usada, tenha em conta as seguintes dicas com vista a optimizar o seu anúncio e a melhorar a probabilidade de venda dos seus artigos.

Apresentação: Quer seja para vender online quer em feiras, tenha em atenção à apresentação. Lave e passe a roupa que pretende vender e repare pequenos detalhes se for necessário ( coser um botão ou uma baínha,por exemplo). Roupa com bom aspeto vende melhor!

Fotografias: Se for vender online saiba que tirar boas fotografias e de diferentes ângulos é meio caminho andado para a venda. Fotografe as peças em locais arrumados e limpos, com bastante luz e de preferência vista as peças, para o comprador ter a noção de como assenta no corpo. Tire fotografias aos pormenores da peça que podem valorizá-la e potenciar a sua venda.

Descrição das peças: Na venda online, refira o máximo de informação possível sobre a peça. Informações sobre a marca, o tipo de tecido, a cor, o tamanho e se é usada ou não, são fulcrais para o possível comprador.

Venda roupa da época: para ter êxito nas suas vendas, não é aconselhavel vender um casaco quente no pico do verão, não haverá, à partida, interessados. Adeque as peças que vai vender à estação do ano presente.

Acrescentar valor: Se tiver as etiquetas, caixas ou embalagens originais das peças que vai vender, junte-as à respetiva peça. Estará a acrescentar valor e o comprador poderá comprovar a sua autenticidade.

Em jeito de conclusão, as razões para comprar em segunda mão são diversas. Há quem veja esta vertente de negócio como uma excelente oportunidade de adquirir peças de luxo com preços baixos. Por isso se tem roupa ou artigos que foram pouco usados ou alguns que nunca chegou a vestir e ainda têm etiqueta, venda. Para além de conseguir um rendimento extra, está a contribuir para a “reciclagem” e sustentabilidade do planeta

Partilhe este artigo

Deixar uma resposta