O artigo que se segue foi escrito pela Isabel, uma mãe trabalhadora de quatro crianças pequenas que, neste seu relato na primeira pessoa, partilha connosco as suas estratégias para abastecer a sua casa de forma menos dispendiosa e sem sacrificar tempo de qualidade em família.

31 anos. Casada, mãe de 4.
Desafios diários: viver a vida alegre (independentemente das horas dormidas!), encaixar a rotina em 24 horas e provar que tudo é possível… incluindo poupar numa família de 6 nos dias que correm!

Cá em casa temos de fazer compras com frequência, pois somos muitos a consumir, o que nem sempre é fácil. Isto ajuda no que toca a prazos, já que nada atinge o prazo de validade, mas a nós, mães, mexe-nos com a logística e rotina diárias. É sempre mais uma coisa em que pensar, planear e concretizar; sempre contra o tempo de quem vive com o peso na consciência da quantidade de horas que já deixa os miúdos na escola.

Portanto, no que toca a compras, tenho em mente vários pontos para tornar a tarefa mais fácil e menos morosa:

Periodicidade e poupança: não faço compras mensais


fonte

As promoções vão mudando ao longo do mês e assim posso ir aproveitando o que mais convém em cada semana, dentro das necessidades lá de casa. Isto também me permite não andar a correr de supermercado em supermercado à procura daquele que tem cada uma das coisas que preciso mais barata. Posso ser fiel só a um – por questões de localização, qualidade dos produtos de marca branca, organização, – e aproveitar na altura certa a melhor oferta para os produtos que costumo e/ou gosto de consumir.

Posso também adaptar os jantares àquilo que estiver mais barato em cada altura. Mesmo que o mais barato corresponda a prazos mais curtos. Se comprar aquilo que pretendo consumir na própria semana, não vejo porque evitar esses produtos.

Aproveito a hora de almoço para ir ao supermercado


fonte

Vivemos numa constante gestão do tempo. A maior parte das vezes sem sucesso. Ir às compras depois do trabalho – já para não falar que não há grande cabeça para isso – significa mais tempo de escola para os filhos e isso é tudo o que não queremos! Como não faço compras mensais, aproveito a hora de almoço para tratar do que falta. As compras nunca serão muito volumosas, dada a regularidade com que são feitas.

Assumo que ajuda ter um supermercado perto do trabalho e um frigorífico/congelador onde posso guardar algumas coisas até voltar a casa.

Comodidade: ir directa ao que preciso

Compras não é o meu programa! Não sou fã de grandes voltas no supermercado e sou perita em ir directa ao que preciso. Por isso prefiro conhecer bem o supermercado onde vou e não fazer grandes variações. Acho que isso também nos permite poupar tempo e cansaço: estamos orientadas, ou seja, são menos voltas e menos pedidos de ajuda.

Organização e disciplina: aponto tudo no bloco do frigorífico

Claro que há coisas que temos de ter sempre em casa (leite, papel higiénico, pasta de dentes, fraldas, se for o caso, e a lista podia continuar..). Cá em casa a solução passou por pôr um bloco no frigorífico. Quando nos apercebemos que há coisas que estão a chegar ao fim – e atenção que é importante que não cheguem, para evitar as idas de urgência ao supermercado – escrevemos no bloco. Quando a lista justifica, vamos às compras. O que acaba por ser mais ou menos uma vez por semana, como já disse. A base começa aqui.

Para não andarmos a percorrer corredores desnecessários, a tentar decifrar o que nos falta, evitamos compras que não estavam nos planos e ajuda-nos, mais uma vez, na nossa (ou sou só eu que padeço deste mal?!) obsessiva luta contra o tempo. No dia em que vou às compras, dou uma vista de olhos na despensa, frigorífico e congelador, para acrescentar coisas que possam estar a acabar mas que, se acabarem, também não faz mal ou para incluir carne ou peixe (sem planos de menus, a decisão é feita na hora, sujeita aos preços).
Não é nenhuma ciência e pode haver outras maneiras de organização.

Em resumo

Agora, uma coisa é certa, mesmo que opte por outro estilo diferente, lembre-se: evite tanto quanto possível levar as crianças consigo! Fazem-nos travar a cada embalagem mais colorida (mesmo que seja uma esfregona ou um desodorizante!), vão ameaçar birras cada vez que se cruzarem com doces, bolachas ou brinquedos e.. ainda pode vir para casa com surpresas (no carrinho e na conta).