Vida e família

Como pode investir na agricultura e criar o seu negócio

A agricultura pode ser uma alternativa de negócio rentável. Saiba alguns aspectos em que deve pensar antes de iniciar a atividade, nomeadamente sobre a localização e plantação de culturas.

Rui Aspas Rui Aspas , 15 Outubro 2019

A agricultura afigura-se cada vez mais como uma hipótese de investimento rentável. Apesar de nos últimos anos esta opção estar fora da rota de investimentos, a verdade é que aos poucos este setor da economia portuguesa está a ser revitalizado, atraindo muitos empresários e empreendedores.  

Desenvolve-se assim uma consciência da importância deste setor e até há quem já pense em implementar um negócio agrícola. Porém, existem alguns aspectos a ter em conta antes de avançar para a criação de um negócio neste setor de atividade. 

Fique a conhecer neste artigo, algumas ideias de investimento na agricultura e através delas plante a semente de rendimentos passivos.  

Género de cultura e tipos de produtos 

Antes de se iniciar no negócio da agricultura, convém saber qual o género de cultura que se quer desenvolver e na qual se pretende investir. 

A boa notícia é que as hipóteses são variadas, estando apenas dependente do valor a aplicar neste negócio. 

É de considerar também os tipos de produtos que vão ser comercializados, uma vez que existem bens de diversas necessidades como é caso dos de primeira necessidade, como cereais, fruta e legumes. Haverá situações em que a procura por este tipo de produtos possa ter uma maior demanda e outros onde a concorrência é menor.  

Deve ter em atenção à periodicidade e ao tempo de vida que a qualidade dos produtos obedece. Por exemplo, um diospiro estraga-se muito mais rapidamente do que uma maçã por exemplo. Estes detalhes de produção em relação ao tipo de produto que vai cultivar, são muito importantes.  

Produção e comercialização 

Na constituição de num negócio agrícola, outro dos elementos que assume uma vital relevância é o para quem esses produtos vão ser produzidos e a forma como eles vão ser comercializados e vendidos. Existem vantagens quer a nível de produção para consumo interno, quer seja para o mercado de exportação.  

Embora a diferença principal resida na maneira de comercialização, o segredo será encontrar quem pretenda adquirir todos os produtos antes mesmo de se dedicar a produzir novas culturas. Ganham aqui um papel essencial as parcerias de negócio, para minimizar um dos factores mais críticos neste género de atividade: o escoamento dos produtos.  

Assim, o investimento na agricultura pode ter várias vertentes de aplicação, consoante o tipo de culturas que se pretende trabalhar e produzir. Seguem-se algumas delas como indicadores de referência:  

Bens de primeira necessidade 

Se pretende iniciar-se nestas lides pelos bens de primeira necessidade como os cereais, pode desenvolver esta área de atividade produzindo milho, trigo, aveia, centeio, cevada ou arroz. Esta opção para começar pode ser uma das mais acertadas uma vez que os cereais são componentes básicos da alimentação, consumidos em todo o mundo para além de terem os preços cotados em bolsa. A regra de outro é possuir uma grande extensão de terreno para o seu culturo. 

Bens de grande consumo 

Pode também direcionar o seu investimento nesta área para os bens de grande consumo, como batata, cebola, cenoura, alface, feijões e cogumelos.   

A principal vantagem da cultura destes produtos deve-se a serem alvo de uma grande procura que é feita de forma intensiva. Para responder a esta procura, a sua produção normalmente é feita recorrendo a grandes estufas, com o principal objectivo de maximizar a produção e abastecer o mercado. Neste caso, não se aplica a recomendação de ter uma larga extensão de terreno para cultivo destes bens 

Micro culturas 

Se o seu foco for as micro culturas, como ervas aromáticas, plantas para infusões e espécies com procura menor no mercado, é aconselhável abordar os mercados mais pequenos e que em grande parte das vezes não recebem a mesma atenção que os grandes mercados.

Outra ideia de investimento para o negócio agrícola, pode ser a aposta em pomares: macieiras, laranjeiras, pereiras, pessegueiros, figueiras. A fruta como bem de primeira necessidade faz falta numa alimentação equilibrada e por isso alvo de grande procura e concorrência. 

A chave para o sucesso na produção deste género de culturas é apostar na especialização de uma qualidade deste tipo de frutos, para que se possa tirar um melhor partido do investimento feito. Deve por isso possuir um terreno bastante extenso. 

Para finalizar, pode sempre aplicar a implementação do negócio agrícola, associando-o a bens e produtos de baixo consumo, como beringelas, pepinos ou pimentos. 

Este género de produtos, apesar de serem de procura relativamente reduzida, conseguem-se desenvolver de uma forma muito eficaz em Portugal, devido às condições climatéricas, podendo ser uma aposta ganha para a exportação. Frutos vermelhos podem também ser uma boa aposta, pese embora a sua exploração em outros mercados esteja mais avançada 

Em suma, antes de avançar para este género de investimento e negócio, convém estudar bem o mercado, os consumidores, revendedores, a analisar muito bem a concorrência. Esta pesquisa vai ser crucial por forma a poder tirar o máximo partido do investimento efectuado bem como ter uma clara noção dos riscos a enfrentar. 

Partilhe este artigo

Deixar uma resposta