Crédito Habitação

Avaliação bancária recua de máximos com queda de 9 euros em outubro

A avaliação bancária das casas desceu 9 euros em outubro, depois de ter atingido o valor mais alto de sempre no mês anterior.

Crédito Habitação

Avaliação bancária recua de máximos com queda de 9 euros em outubro

A avaliação bancária das casas desceu 9 euros em outubro, depois de ter atingido o valor mais alto de sempre no mês anterior.

O preço a que os bancos avaliam os imóveis no âmbito dos processos de crédito habitação desceu em outubro, depois de ter atingido, no mês anterior, o valor mais alto de sempre.

Segundo os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), o valor mediano de avaliação bancária fixou-se em 1.420 euros por metro quadrado em outubro, o que representa uma queda de 0,6% face ao máximo histórico de 1.429 euros alcançado em setembro.

Esta foi já a segunda descida em cadeia no espaço de três meses, já que, em agosto, este indicador decresceu pela primeira vez desde o início da pandemia. O maior aumento face ao mês anterior registou-se na Região Autónoma da Madeira (2,2%) e a única descida verificou-se no Norte (-0,2%).

No entanto, em termos homólogos – ou seja, na comparação com o mesmo mês do ano passado – a avaliação bancária aumentou 13,5% em outubro. Nesta análise dos últimos 12 meses, o crescimento mais expressivo ocorreu no Algarve (18,8%) e o menor no Norte (10,7%).

Avaliação bancária dos apartamentos no Norte com maior queda

A queda da avaliação bancária deve-se exclusivamente à diminuição do valor atribuído pelos bancos aos apartamentos, já que, no caso das moradias, o valor até subiu em outubro.

Nos apartamentos, porém, a avaliação desceu 0,6% para 1.581 euros por metro quadrado, menos 10 euros face ao máximo registado em setembro, de 1.591 euros por metro quadrado.

A queda mais acentuada ocorreu no Norte do país (-1,1%), enquanto o aumento mais expressivo se verificou na Região Autónoma da Madeira (2,9%).

No que respeita às tipologias, a diminuição da avaliação bancária foi transversal: o valor mediano dos apartamentos T2 caiu 8 euros para 1.599 euros por metro quadrado, e o dos apartamentos T3 recuou 2 euros para 1.400 euros por metro quadrado. No seu conjunto, estas tipologias representaram 78,6% das avaliações de apartamentos realizadas no período em análise.

Comparando com o mesmo mês do ano passado, a avaliação bancária aumentou 14,2%, já que, em outubro de 2021, o valor mediano dos apartamentos era de 1.385 euros por metro quadrado. Nos últimos 12 meses, a maior subida aconteceu na Região Autónoma dos Açores (22,3%), onde o valor dos apartamentos passou de 1.179 para 1.442 euros por metro quadrado, e o menor aumento na Região Autónoma da Madeira (9,7%). Ali, o valor mediano dos apartamentos subiu de 1.319 para 1.447 euros por metro quadrado.

Tal como nos meses anteriores, os valores mais altos foram registados no Algarve (1.967 euros/m2) e na Área Metropolitana de Lisboa (1.878 euros/m2) e o mais baixo no Alentejo (1.033 euros/m2).

Leia ainda: O que ganho em amortizar o crédito habitação?

fachada de edifício residencial

Moradias: Alentejo lidera subidas

Ao contrário do que aconteceu com os apartamentos, a avaliação bancária das moradias subiu, em outubro, pelo segundo mês consecutivo, para 1.142 euros por metro quadrado, o nível mais elevado desde que há registos. Este valor representa um aumento de 0,5% face a setembro, ou seja, um acréscimo de 6 euros por metro quadrado.

Foi nas moradias T4 que a valorização foi mais expressiva, com o valor mediano a aumentar 11 euros para 1.238 euros por metro quadrado. Nas moradias T3, a avaliação bancária cresceu 4 euros para 1.112 euros por metro quadrado, e nas moradias T2 desceu 11 euros para 1.107 euros por metro quadrado.

Olhando para as diferentes regiões do país, o Alentejo apresentou o crescimento mais acentuado (3,3%), mantendo-se, porém, como a segunda região do país com os valores mais baixos para as moradias (937 euros/m2), a seguir ao Centro (927 euros/m2). Em sentido contrário, o aumento menos expressivo ocorreu na Região Autónoma da Madeira (0,2%).

Em termos homólogos, a avaliação bancária das moradias aumentou 13,1%, com o Alentejo a posicionar-se, nesta análise, no fundo da tabela, com o menor crescimento dos últimos 12 meses (9,1%). O Algarve, que já tem o preço mediano das moradias mais alto do país (2.079 euros/m2) foi também a região com o maior aumento face a outubro de 2021 (25,4%).

Leia ainda: Regras de renegociação do crédito habitação já estão em vigor

Partilhe este artigo
Artigos Relacionados
Ver todos
Tem dúvidas sobre o assunto deste artigo?

No Fórum Finanças Pessoais irá encontrar uma grande comunidade que discute temas ligados à Poupança e Investimentos.
Visite o fórum e coloque a sua questão. A sua pergunta pode ajudar outras pessoas.

Ir para o Fórum Finanças Pessoais
Deixe o seu comentário

Indique o seu nome

Insira um e-mail válido

Fique a par das novidades

Receba uma seleção de artigos que escolhemos para si.

Ative as notificações do browser para receber a seleção de artigos que escolhemos para si.

Ative as notificações do browser
Obrigado pela subscrição

Queremos ajudá-lo a gerir melhor a saúde da sua carteira.

Não fique de fora

Esta seleção de artigos vai ajudá-lo a gerir melhor a sua saúde financeira.