Crédito Habitação

Juros do crédito habitação voltam a descer em abril

O INE explica que a redução da taxa de juro implícita no crédito habitação pode estar associada às alterações decorrentes do regime de moratória.

Sara Fernandes Sara Fernandes , 20 Maio 2020

A taxa de juro implícita no crédito habitação registada no mês de abril foi 0,947%, observando-se uma queda de 0,051 pontos percentuais face a março. De acordo com os dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), este é o valor mais baixo desde pelo menos o início de 2009.

Nos contratos celebrados nos últimos três meses, a taxa de juro foi 0,891% (1,118% no trimestre anterior).

No que diz respeito ao financiamento para aquisição de habitação, a taxa de juro implícita para o total dos contratos desceu para 0,964%.

O gabinete estatístico relembra que as taxas de juro implícitas no crédito habitação são obtidas por quociente entre juros pagos e capital em dívida. Assim, salienta que "as reduções das taxas, bem como da prestação média mensal, observadas em abril, poderão estar associadas às alterações decorrentes do regime de moratória, estabelecido no Decreto-Lei nº10-J/2020".

Recorde-se que a moratória legal estabelecida pelo Governo suspende, pelo prazo de seis meses, o pagamento, total ou parcial, da prestação mensal das famílias com o crédito à habitação.

Moratória com impacto na prestação vencida

Apesar de o capital em dívida ter aumentado na generalidade dos contratos, a prestação vencida diminuiu, algo que só se justifica pelas moratórias concedidas pela banca.

O INE explica mesmo que "a prestação média desceu 12 euros, para 237 euros, correspondendo à maior redução mensal observada desde junho de 2009." A descida percentual foi de 4,82%, o que também é a maior desde 2009, ano marcado pela crise financeira mundial.

Nos contratos celebrados nos últimos 3 meses, o valor médio da prestação desceu para 272 euros, uma redução de 19%, algo nunca antes visto, de acordo com os dados do INE, que recuam até janeiro de 2009.

O INE faz ainda a ressalva de que as moratórias provocaram "alguma perturbação na transmissão dos dados pelas instituições bancárias", sendo que poderá ser necessário "efetuar uma revisão excecional dos resultados de abril, a ocorrer no próximo destaque que publicará os resultados referentes a maio".

Leia ainda: Como está a pandemia a influenciar o mercado de crédito?

Partilhe este artigo
Etiquetas
  • #Crédito habitação,
  • #juros
Tem dúvidas sobre o assunto deste artigo?

No Fórum Finanças Pessoais irá encontrar uma grande comunidade que discute temas ligados à Poupança e Investimentos.
Visite o fórum e coloque a sua questão. A sua pergunta pode ajudar outras pessoas.

Ir para o Fórum Finanças Pessoais

Deixar uma resposta (Podemos demorar algum tempo até aprovar e mostrar o seu comentário)