Finanças pessoais

4 regras de Marie Kondo que pode aplicar no orçamento familiar

Marie Kondo pode ajudá-lo a organizar a sua casa, mas os seus ensinamentos também servem para organizar a sua vida financeira. Siga estas 4 regras.

Luísa Barreira Luísa Barreira , 19 Novembro 2019

Manter o controle apertado e constante das finanças pessoais é desafiante e ao mesmo tempo desgastante. Contudo, a boa gestão das finanças pessoais é essencial para ter uma vida organizada.

O sucesso das nossas finanças pessoais dependendo cumprimento de três etapas fundamentais: boa gestão do orçamento familiar, a disciplina de poupar e a rentabilização das mesmas.

Uma forma de poder "arrumar" as suas finanças pessoais é inspirar-se no método KonMarie, de Marie Kondo.

Este método, já tão conhecido mundialmente, foi criado pela Marie Kondo. Considerada já uma “guru” da arrumação, é japonesa e consultora de organização. É autora de vários livros abordando esta temática e tem até um programa de grande sucesso na Netflix: “Tidying Up with Marie Kondo”.

Esta especialista, com o seu estilo minimalista, tem inspirado o mundo com as suas técnicas e métodos de organização e arrumação do lar. O seu objetivo é possibilitar o equilíbrio emocional e familiar e eliminar o stress das nossas vidas.

Como a própria especialista diz “a arrumação é saudável e traz felicidade, pelo que ter uma casa arrumada é benéfico para a saúde e para a felicidade”. Além disso, podemos ver que o método de organização KonMari tem muitos princípios que podem ser aplicados às finanças pessoais.

Princípios básicos do Método KonMari:

O método criado pela Marie Kondo pretende que as pessoas tomem consciência, através da perceção visual, dos bens materiais que possuem. É ao visualizar que se consegue estabelecer prioridades e comprometer-se com a arrumação, de modo a eliminar o que é prescindível, guardando apenas aqueles itens que lhe geram felicidade.

O método defende que existe uma ligação entre as suas emoções e as coisas que temos. Assim, deve-se livrar do que não traz felicidade e não é útil.

No seu processo de mudança, a seleção de artigos e a posterior arrumação dos mesmos deve ser feita por categorias e não por localização ou divisão da casa. Isto é, em vez de arrumar primeiro o quarto, depois a sala ou a cozinha, deve, segundo esta especialista, arrumar tudo o que diz respeito à categoria da roupa, passando para a categoria dos objectos pessoais, livros, utensílios de cozinha, entre outras categorias que ache necessárias criar.

Marie Kondo é apologista também de arrumar tudo o que pertence a uma determinada categoria, de uma só vez, ou seja, o que começa deve acabar de modo a obter resultados imediatos e desde o primeiro dia. Esta arrumação vai começar a fazer parte das rotinas diárias, promovendo a disciplina e uma melhor otimização do tempo passado a arrumar.

É certo que completar todo esta processo é moroso, mas no final verificará que é muito compensatório, pois os benefícios são muitos: vai perceber que há muita coisa acumulada que não utiliza e poderá ter a sua casa renovada e com mais espaço

finanças pessoais_calculadora reorganizar poupar poupança

4 regras do Método KonMari para as finanças pessoais:

Os princípios da arrumação defendidos por Marie Kondo no método KonMari, podem ser facilmente aplicados na nossa vida, em vária vertentes, nomeadamente nas nossas finanças pessoais. Vejamos de que forma:

1 - Aponte todas as despesas:

Tal como acontece na arrumação de um espaço, também na gestão da nossa vida financeira, a organização e planificação das receitas/ despesas num orçamento mensal familiar, é regra fundamental.

O facto de elaborar este orçamento e ir anotando, ao longo do mês, todas as despesas da família, gera um comprometimento permanente dos membros da família, na manutenção de umas finanças “saudáveis”.

É certo que a tarefa nem sempre é fácil, pois podem surgir ao longo do mês situações imprevistas e gastos de dinheiro que não conseguimos controlar.

Mas é imprescindível, para a saúde das nossas finanças e crescimento das nossas poupanças, que se comprometa a desenvolver este hábito e que incentive toda a família a fazê-lo.

2 - Defina diferentes categorias para as suas despesas

Para que o seu orçamento mensal não saia dos “carris”, o seu mapa de despesas deve estar dividido em categorias, para que, deste modo, saiba exatamente para onde vai o seu dinheiro todos os meses. Da mesma forma de Marie Kondo arruma as roupas e objetos por categorias e itens pertencentes a uma mesma categoria organizados no mesmo local da habitação, também na sua vida financeira deve organizar os gastos segundo este ensinamento.

Podemos sugerir como categorias do seu mapa mensal, as seguintes:

  • Despesas Mensais: este tipo de despesas podem ser variáveis ou fixas e são aquelas em que, a maior parte do nosso orçamento mensal é despendido. Nesta categoria pode incluir despesas como: alimentação, saúde, vestuário, telecomunicações, água, eletricidade, gás, prestação da casa ou renda, entre outros gastos mensais fixos/ variáveis.
  • Despesas anuais: nesta categoria pode contemplar despesas que se verifiquem uma vez por ano, como é o caso do IMI, seguro automóvel (quando é pago uma vez ao ano), IUC, entre outros. Não esquecer de contemplar estas despesas no orçamento do mês correspondente ao seu pagamento.
  • Poupanças: nesta categoria é importante que saiba com pormenor, quantas contas tem, quer à ordem, quer poupanças ou outro tipo de investimentos. Deve analisar a rentabilidade de cada uma e investigar se existem outro tipo de produtos bancários onde o seu dinheiro possa render mais. Deve ter em atenção as comissões de gestão de conta e outros impostos que lhe são cobrados e tentar saber junto da entidade bancária se existem alternativas, de forma a poupar nestes montantes.
  • Compromissos financeiras: neste caso pode incluir prestações com crédito habitação ou outros créditos que tenha contraído, cartões de crédito ou outro produtos financeiros, assim como seguros.

3 - Liberte-se das despesas supérfluas:

Tal como diz Marie Kondo, existe uma ligação ente as coisas e as emoções” E tal como na arrumação da casa, também na organização das nossas finanças devemos dispensar o desnecessário, o fútil e o que não nos traz felicidade real e manter na nossa vida o que é realmente essencial.

Analise todos os seus hábitos de consumo e todas as categorias onde gasta o seu dinheiro e pergunte-se se essas despesas são realmente necessárias, se são fundamentais, caso contrário “liberte-se” delas, elimine-as.

Para além de ter em atenção as despesas variáveis, não descure as suas despesas fixas. Estas também merecem a mais importante das atenções, pois é neles que gastamos uma fatia grande do nosso orçamento.

Se não é possível “fugir” aos impostos obrigatórios, pode tentar poupar algum dinheiro, renegociando a anuidade dos seguros, faça simulações dos vários seguros que possui, para tentar baixar o valor a pagar. Tente também renegociar o contrato de telecomunicação, ou mude de operadora se tiver vantagens, entre outros.

A posição minimalista de Marie Kondo em relação à organização também se adapta a esta vertente das finanças pessoais. Manter uma boa relação com o seu dinheiro é também saber o que comprar e quando comprar, de forma a alcançar o seu estilo de vida ideal.

4 - Comprometa-se com o plano:

É muito importante que tenha sempre presente estas regras que mantenha o foco e que se comprometa com elas diariamente.

É importante também que mentalize constantemente o que quer realmente para si e para a sua família, qual é o seu objetivo financeiro! Pergunte a si mesmo o que gostaria de alcançar, quais são as suas metas financeiras: uma casa nova, um carro novo, aumentar a família? Tente focar-se nesse objetivo e traçar um plano para lá chegar, sem se desviar dele, tendo em conta estas regras.

Deste modo, ao aplicar as premissas deste método à sua vida financeira, vai ter uma noção mais clara dos seus gastos, poderá pagar as suas dívidas e ter uma gestão financeira melhor, poupando para que não falhe os seus compromissos financeiros.

Concluíndo, segundo a Marie Kondo, uma vida organizada a todos os níveis é uma vida mais feliz. Organize as suas finanças pessoais e poderá ter uma vida financeira mais saudável.

Partilhe este artigo

Deixar uma resposta