Investimentos

Como escolher plataformas para negociar criptomoedas?

O interesse por cripotomoedas tem aumentado. Mas como escolher a plataforma para transacionar? Saiba o que deve ter em atenção.

Todos os dias, as várias plataformas de negociação de criptomoedas movimentam mais de 30 mil milhões de euros, em transações durante as 24 horas.

As melhores plataformas de negociação não só facilitam as transações, como também permitem a compra de criptomoedas através de transferência bancária com cartões de crédito, com cartões de débito e Paypal.

Leia ainda: Os primeiros passos no mercado de criptomoedas

Tipos de plataformas de criptomoedas

Existem 2 tipos de plataformas: centralizadas e P2P (peer-2-peer).

As plataformas centralizadas (Binance, Coinbase, Kraken, etc.), são as mais comuns e são detidas por uma entidade (intermediário). Simplesmente, usamos a plataforma para efetuarmos a transação, pagando um fee:

  1. Registo
  2. Dotamos a criptocarteira com fundos: Transferindo criptomoeda que já tenhamos ou através da nossa conta bancária;
  3. Efetuamos transações: Compramos ou vendemos, com atualização permanente do nosso extrato.

Os principais benefícios deste tipo de plataforma são: credibilidade (ou possível de verificar), ordens são finais quando executadas e transparência no preço. Como aspetos negativos temos: as fees que são cobradas e a potencial vulnerabilidade.

Bitcoin: Investimento ou especulação?
Ler mais

As plataformas p2p (bisq, bitquick, etc.) permitem colocar em contacto direto os potenciais compradores ou vendedores e, a partir desse momento, ficamos responsáveis pela transação. O processo é inteiramente digital e sem intermediário:

  1. Não é necessário registo ou verificação;
  2. O software faz a ligação entre os intervenientes;
  3. Acordam-se os detalhes da transação;
  4. Ambas as partes têm de garantir que têm condições para efetuar a operação;
  5. Após a conclusão dos vários passos do processo, se alguma das partes não cumpre, a transação não é executada.

Como principais benefícios temos a anonimidade total e um processo totalmente descentralizado, com a redução de risco inerente.

Como pontos negativos teremos a reduzida liquidez, visto serem menos procuradas, e o facto de o preço ser definido pelas partes e não pelo mercado.

Leia ainda: O ABC da Criptomoeda

Critérios de seleção da plataforma

No processo de seleção da plataforma existem diversos fatores a considerar.

Reputação - A reputação é um dos principais fatores a ter em conta. Verifique os comentários dos seus utilizadores, a sua história de hack (se alguma vez foi pirateada).  Pode encontrar a informação facilmente nas redes sociais, Reddit, Twitter e até mesmo em artigos online.

Volume de Transações - O volume indica o número e valor das transações que a plataforma assegura. Se o número for elevado, é um indicador claro de que a plataforma é de confiança e tem uma boa reputação.

Segurança - É indiscutivelmente "o" fator mais importante na escolha da plataforma. Se não for segura, pode ser pirateada, ou pode ter falhas técnicas que podem resultar na perda dos seus investimentos. É fundamental verificar as características de segurança back-end (localização dos seus servidores, medidas de segurança, disponibilidade de armazenamento a frio, etc.).

Fees - Múltiplos tipos de taxas associados a uma transação. Há taxa de depósito, taxa de levantamento, taxa de transação, etc. Isto é especialmente importante para quem pretende fazer trading. Se é um day trader, pretende fazer várias transações diárias e as comissões são um fator relevante a considerar.

Métodos de pagamento - Plataformas como CEX.io permitem-lhe comprar Bitcoins (e altcoins), diretamente, usando os seus cartões de crédito/débito, transferências bancárias e carteiras online.

Requisitos de verificação - Algumas plataformas requerem verificação KYC (know your customer), outras não. Ser verificado assegura que o seu cartão e dados bancários não podem ser utilizados sem a sua autorização. No caso da CEX.IO, permitem cartões de crédito, cartões de débito, levantamento/depósito por transferência bancária e, por conseguinte, aprovam primeiro os seus cartões ou detalhes bancários antes de o deixarem fazer uma transação.

Restrições geográficas - Algumas plataformas só aceitam utilizadores de regiões/países específicos. Ou, por outras palavras, alguns países/regiões são restritos e por isso os utilizadores dessas regiões não estão autorizados a utilizar as bolsas. Certifique-se sempre (através de apoio direto, ou na página de T&C) se o seu país está disponível.

Apoio - Obviamente, estamos a lidar com investimentos. Por conseguinte, é melhor optar por plataformas que ofereçam apoio em direto.

Leia ainda: Rendimentos com criptomoedas no IRS: O que diz a legislação

Sérgio Cardoso nasceu em Matosinhos, em 1979. Licenciado em Gestão pela Faculdade de Economia do Porto, frequentou The Lisbon MBA, que concluiu em UCLA. Fez grande parte da carreira profissional em media e entretenimento. Atualmente, é consultor dedicando-se a ajudar empresas nas várias áreas da gestão, que lhe permite acumular experiências que transmite aos alunos da licenciatura de Gestão, da UCP, onde é professor assistente.

Partilhe este artigo
Artigos Relacionados
Ver todos
Tem dúvidas sobre o assunto deste artigo?

No Fórum Finanças Pessoais irá encontrar uma grande comunidade que discute temas ligados à Poupança e Investimentos.
Visite o fórum e coloque a sua questão. A sua pergunta pode ajudar outras pessoas.

Ir para o Fórum Finanças Pessoais
Deixe o seu comentário

Indique o seu nome

Insira um e-mail válido

Fique a par das novidades

Receba uma seleção de artigos que escolhemos para si.

Ative as notificações do browser para receber a seleção de artigos que escolhemos para si.

Ative as notificações do browser
Obrigado pela subscrição

Queremos ajudá-lo a gerir melhor a saúde da sua carteira.

Não fique de fora

Esta seleção de artigos vai ajudá-lo a gerir melhor a sua saúde financeira.