Finanças pessoais

O que são e como funcionam os Hedge Funds?

Os Hedge Funds são um tipo de fundo de investimento que visa manter a rentabilidade independentemente das flutuações do mercado.

Finanças pessoais

O que são e como funcionam os Hedge Funds?

Os Hedge Funds são um tipo de fundo de investimento que visa manter a rentabilidade independentemente das flutuações do mercado.

Os Hedge Funds ou Fundos de Cobertura são produtos financeiros de elevado risco e que não estão sujeito a tantas regras como os restantes fundos de investimento. Neste artigo, explicamos-lhe o que são estes fundos, as principais estratégias que utilizam e aquilo a que deve estar atento antes de investir.

Qual a origem dos Hedge Funds?

O termo “hedge” significa, em português, “cobertura” ou “proteção”. Nesse sentido, os Hedges Funds são fundos de investimento que visam manter a rentabilidade do investimento independentemente das flutuações do mercado.

Estes fundos tiveram origem no final da década de 1940 quando Alfred Winslow Jones, um jornalista da revista norte-americana Fortune, projetou um fundo de investimento que combinava investimentos na bolsa de curto e longo prazo. 

Recorrendo à alavancagem, Jones comprou um número maior de ações e depois recorreu ao short selling (vendas a descoberto) para garantir uma proteção perante as oscilações do mercado.

Desde a sua origem que os Hedge Funds mantêm os seguintes princípios:

  • Podem recorrer a técnicas mais agressivas, como a alavancagem, com o objetivo de aumentar a margem de lucro.
  • Podem assumir a forma de uma sociedade limitada, pelo que, em caso de falência, os investidores não podem ser responsabilizados pelas perdas.
  • Regulamentação mais flexível do que os restantes fundos. Esta flexibilidade permite a aplicação de estratégias que de outra forma não seriam permitidas, mas implica, ao mesmo tempo, falta de transparência, que pode tornar-se um problema para o investidor. 

Principais estratégias dos Fundos de Cobertura

Os Hedge Funds recorrem a várias estratégias para proteger os ativos das perdas e gerar lucros elevados. Entre elas destaca-se o short selling (vendas a descoberto), que é uma forma de ganhar dinheiro com a queda de um determinado ativo.

Fique agora a conhecer outros exemplos de estratégias utilizadas pelos Fundos de Cobertura:

Event-driven

Estratégia para tirar proveito das variações de preços provocadas por alterações na estrutura de capital e outros eventos relacionados com determinada empresa, tais como fusões e aquisições, reestruturações, recompra de ações, ofertas públicas, entre outros.  

Exemplo: O gestor de investimento do Hedge Fund compra ações de uma empresa em dificuldades financeiras e faz uma venda a descoberto de ações apostando que o valor das ações vai cair. Se isso acontecer, recompra as ações a um valor mais baixo e lucra com a diferença. 

Macro

Neste caso, procuram oportunidades decorrentes de eventos económicos e políticos globais. Ou seja, tentam prever as subidas e descidas do mercado económico.

Assim, apostam nas tendências do mercado global através de posições longas ou curtas em ações, dívida soberana, contratos futuros, moedas e bens imobiliários.

Exemplo: O caso da “Quarta-feira Negra” que aconteceu a 16 de setembro de 1992 no Reino Unido. George Soros, um investidor de origem húngara, apostou na desvalorização da libra depois de a Itália e da Alemanha terem desvalorizado a sua própria moeda. Assim, Soros vendeu cinco mil milhões de libras enquanto ainda estavam com um preço alto e recomprou-as quando o valor destas caiu estrondosamente. O investidor lucrou mil milhões de libras com a diferença.

Relative value

Baseiam-se na tomada de posições longas e curtas em títulos relacionados e procuram tirar proveito de uma discrepância temporária na relação de preços percebida. 

Exemplo: Um investidor que aposta numa estratégia de Relative value, ao invés de tentar prever as oscilações do preço do petróleo, antecipa que vai haver uma redução da margem entre o preço do petróleo e o preço da gasolina.

Posições longas e curtas em ações

Esta será, provavelmente, a estratégia mais usada pela maioria dos fundos e consiste na tomada de posições longas e curtas em ações e derivados. Esta estratégia pode concentrar-se em setores específicos ou ser diversificada.

Exemplo: Neste tipo de estratégia, é comum um investidor apostar em ações que podem ser lucrativas e simultaneamente proceder à venda de ações sobrevalorizadas, numa tentativa de se proteger contra as oscilações do mercado.

Maiores Hedge Funds do mundo 

A maioria dos Hedge Funds estão localizados nos Estados Unidos. Segundo dados de junho de 2022 do portal Pensions & Investments, estes são os 5 maiores Hedge Funds do mundo com base no total de ativos sob gestão (UAM):

  1. Bridgewater Associates 

UAM: 126.400 milhões de dólares

Sede: Westport, Estados Unidos da América

  1. Man Group

UAM: 73.500 milhões de dólares

Sede: Londres, Reino Unido

  1. Renaissance Technologies

UAM: 57.000 milhões de dólares

Sede: East Setauket, Estados Unidos da América 

  1. Millenium Management

UAM: 54.968 milhões de dólares

Sede: Nova Iorque, Estados Unidos da América

  1. TCI Fund Management

UAM: 52.970 milhões de dólares

Sede: Londres, Reino Unido

Hedge Funds em Portugal

Segundo a CMVM (Comissão de Mercado de Valores Mobiliários), responsável por supervisionar e regular os mercados financeiros em Portugal, os Hedge Funds ou Fundo de Cobertura são um fundo de investimento “não sujeito a regulação ou sujeito a regras menos exigentes que as aplicáveis aos fundos de investimento harmonizados”.

Assim, apesar de não se registar uma presença muito ativo deste tipo de fundos em Portugal, atualmente são seis as empresas alvo de vendas a descoberto, segundo dados da CMVM: CTT, Galp, BCP, REN, Nos e Altri. Os CTT são o alvo mais cobiçado dos Hedge Funds no nosso país, com vários fundos a apostarem na queda das ações.

Legislação na União Europeia

Na verdade, a legislação relativa a estes fundos é bem mais rigorosa na União Europeia (UE) do que nos Estados Unidos, pelo que é mais difícil ocorrerem grandes investimentos deste tipo. 

A Diretiva 2011/61/UE regulamenta os Fundos de Investimento Alternativos (FIA) na UE, no qual se inserem os Hedge Funds. Foi aprovada no seguimento da crise de 2008 e determina que, para poderem operar, os FIA têm que obter autorização prévia e realizar várias divulgações como forma de manter a transparência. 

Na altura da aprovação, o então presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, afirmou que “a adoção da diretiva significa que os Hedge Funds (…) deixarão de funcionar num vazio regulamentar fora do âmbito dos supervisores. O novo regime traz transparência e segurança à forma como estes fundos são geridos e funcionam, o que contribui para a estabilidade global do nosso sistema financeiro”.

O que ter em conta antes de investir

Como qualquer investimento, existem vários riscos associados, mas também benefícios.

Algumas das principais vantagens dos Fundos de Cobertura em relação a outros tipos de fundos:

  • Possibilidade de diversificação dos investimentos na carteira, ou seja, pode aumentar o investimento enquanto dilui o risco por diferentes ativos;
  • Oportunidade de realizar alguns investimentos mais agressivos e com maior risco que não seriam permitidos noutro tipo de fundos;
  • Acesso a opiniões especializadas através dos gestores dos fundos aumentando a probabilidade de sucesso. 

Por outro lado, estas são as principais desvantagens:

  • Menos regulamentação, logo, menos transparência;
  • Pagamento de comissão altas;
  • Alto risco: o investimento envolve um lock-up period (período de bloqueio, em português) no qual os investidores não estão autorizados a resgatar ou vender ações de um determinado investimento. Além disso, a utilização de técnicas como a alavancagem pressupõe um endividamento sem a certeza de que será bem-sucedido.

O caso da Gamestop

Tendo em conta que alguns Hedge Funds lucram com a falência de empresas (quando apostam na queda do valor das ações) gera-se, muitas vezes, alguma animosidade contra este tipo de fundos.

O caso que envolveu a Gamestop, uma empresa norte-americana de compra e venda de jogos eletrónicos, ocorreu em janeiro de 2022 e irá ficar sempre na história como o momento em que pequenos investidores se revoltaram e venceram os Hedge Funds.

Na altura, a Gamestop passava por algumas dificuldades financeiras e, como resultado, o preço das suas ações caiu e alguns investidores começaram apostar na venda a descoberto das suas ações (antevendo uma queda significativa do valor das mesmas).

No entanto, um grupo de utilizadores do Reddit, mais especificamente do fórum Wall Street Bets (apostas de Wall Street, em português), uniu-se numa compra massiva de ações da Gamestop, fazendo disparar o seu valor. 

Assim, os short sellers, que haviam investido na queda do valor das ações, perderam milhões de dólares, o que levou até à falência do Melvin Capital, um dos Hedge Funds envolvidos. Por outro lado, os pequenos investidores ganharam grandes quantias nesta tentativa de protesto contra os Fundos de Cobertura.

Entretanto, este grupo de investidores amadores já tentou replicar o mesmo movimento noutras empresas em apuros, mas não alcançou o mesmo sucesso.

Leia ainda: Fundos de investimento: Vale a pena investir?

Partilhe este artigo
Artigos Relacionados
Ver todos
Tem dúvidas sobre o assunto deste artigo?

No Fórum Finanças Pessoais irá encontrar uma grande comunidade que discute temas ligados à Poupança e Investimentos.
Visite o fórum e coloque a sua questão. A sua pergunta pode ajudar outras pessoas.

Ir para o Fórum Finanças Pessoais
Deixe o seu comentário

Indique o seu nome

Insira um e-mail válido

Fique a par das novidades

Receba uma seleção de artigos que escolhemos para si.

Ative as notificações do browser para receber a seleção de artigos que escolhemos para si.

Ative as notificações do browser
Obrigado pela subscrição

Queremos ajudá-lo a gerir melhor a saúde da sua carteira.

Não fique de fora

Esta seleção de artigos vai ajudá-lo a gerir melhor a sua saúde financeira.