Poupança

Planeamento de Poupança para 2020: guia para as famílias prepararem o novo ano financeiro

Comece o ano de 2020 com o pé direito na vida financeira. Siga este Planeamento de Poupança para 2020 para ter as suas finanças em ordem.

Lídia Dias Lídia Dias , 6 Janeiro 2020

Ao chegar ao final de mais um ano, todos nós, naturalmente, fazemos um plano do que esperamos do novo ano que se avizinha. Mudar de vida, fazer mais exercício, ler mais e dar mais saúde às finanças pessoais são as resoluções mais comuns. Embora não possamos ir consigo para o ginásio, podemos dar-lhe alguma ajuda nas suas finanças. 

Se 2019 foi um ano difícil para as suas poupanças, este é o momento ideal para começar a preparar o novo ano. Ainda que pareça difícil chegar ao final do mês com dinheiro disponível para engrossar as poupanças, existem algumas medidas que pode tomar, logo no início do ano, para dar mais saúde às suas finanças. 

Neste artigo, vamos apresentar duas situações diferentes: a de um casal com 2 filhos (a família Nunes) e a de um casal solteiro (a família Azevedo). Descubra como estas duas famílias organizam as suas finanças para o novo ano.

Controlar os gastos e o orçamento familiar

O início do ano é a altura ideal para começar a controlar os gastos e o orçamento familiar, isto é, deve fazer um orçamento familiar registando, mensalmente, as entradas de dinheiro (salários, dividendos de investimentos, rendimento por trabalho freelancer, etc.) e os gastos recorrentes (renda, água, luz, supermercado, etc.). Desta forma, conseguirá perceber se está a gastar demasiado e que gastos pode reduzir.

A família Nunes irá construir um ficheiro excel, partilhado entre os adultos da casa, para registar todos os pormenores do orçamento familiar. Neste ficheiro, estão incluídos os gastos relacionados com a escola e as atividades das crianças. Este é um hábito que a família adotou há alguns anos. Ao analisar o ficheiro do ano anterior, a família Nunes percebeu que todos os membros da família gastam muito dinheiro a fazer refeições fora, durante a semana. Resolução de ano novo: passar a levar o almoço para o trabalho e para a escola. 

Já a família Azevedo irá fazer este exercício em 2020. Como não têm muitos gastos para além da água, da luz, do empréstimo para a compra da casa e das contas de supermercado, vão usar uma simples folha de papel que ficará afixada num local acessível da casa. Ambos guardam os talões das compras e dos pagamentos que fazem, durante a semana, e aproveitam o fim de semana para atualizar a tabela de gastos.

Ambas as famílias vão aproveitar o início do ano para renegociar créditos. A família Nunes está a ponderar uma consolidação de créditos e a família Azevedo irá pedir uma renegociação do spread do crédito à habitação.

Colocar o Número de Identificação Fiscal nas Faturas

Isto não é novidade, ainda assim, há quem se esqueça que colocar o Número de Identificação Fiscal (NIF) nas faturas das despesas familiares pode trazer deduções na declaração anual de IRS. Se não se recorda os benefícios, nós ajudamos:

  • 15% de dedução do valor total de despesas de saúde (até 1000€);
  • 30% do valor total de despesas de educação (até 800€);
  • 100% do valor dos passes sociais (até 250€);
  • 15% do IVA das fatura em restauração/hotelaria, cabeleireiro e manutenção de automóveis (até 250%);
  • 35% do valor das despesas familiares, como supermercado, água, luz, combustível (até 250€ por sujeito passivo).

Tanto a família Nunes como a família Azevedo pedem para colocar NIF em todas as faturas, por isso têm a dedução devida em cada uma das categorias. No entanto, a família Nunes consulta o portal e-Factura mensalmente, para verificar as faturas, enquanto a família Azevedo só o faz no fim do ano. O resultado? A família Azevedo não consegue classificar algumas das faturas, pois já nem se recorda ao que estavam associadas.

Prever gastos futuros: mealheiros para as férias, para a escola e para o Natal

O casal Azevedo decidiu que, antes de ter filhos, querem fazer uma grande viagem, todos os anos. Assim que se casaram, começaram a fazer um mealheiro para a primeira viagem. Até agora, já foram à Tailândia, ao Japão e às Filipinas. Em 2020, planeiam ir à Austrália. O mealheiro já está preparado e assumiram o compromisso de colocar mensalmente no mealheiro 50 euros, cada um. Ao final de doze meses terão 1200€. Não é suficiente para todas as despesas, mas já dá uma grande ajuda!

Já a família Nunes tem outras preocupações. Maio e Setembro são meses de gastos acrescidos: num mês pagam o Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) e, no outro, têm de comprar todo o material escolar para os dois filhos. Este ano, decidiram criar dois mealheiros diferentes e, todos os dias, colocar um a dois euros em cada mealheiro. Quando chegar à altura de enfrentar as despesas, vai ser muito mais fácil.

Para além destes mealheiros, na casa da família Nunes existe ainda o mealheiro das férias. Neste, até os mais pequenos participam! Este mealheiro visa recolher dinheiro para as férias e servirá para pagar uma atividade à escolha dos mais pequenos. Como sabem que também depende deles o sucesso deste mealheiro, as duas crianças esforçam-se por poupar e conseguir contribuir com algumas moedas. 

Este é um hábito saudável para as suas poupanças e que pode ser adaptado às necessidades e possibilidades de cada família. Os valores não têm de ser fixos: o objetivo é que se habituem a colocar dinheiro de parte, todos os meses, e que o façam enquanto objetivo familiar

Investir e receber retorno

Tal como muitos portugueses, tanto a família Nunes como a família Azevedo têm alguns receios em fazer investimentos, pois temem que o factor “risco” ponha em causa as poupanças que tanto se esforçaram para fazer.

Nem todos os investimentos têm risco associado. Os depósitos, as contas-poupança e a maioria dos Planos Poupança Reforma não apresentam algum tipo de risco e permitem-lhe retirar algum juro (ainda que baixo, na maioria dos casos) das suas poupanças. Por outro lado, fundos, obrigações e ações podem, de facto, apresentar algum risco. São estes produtos financeiros que apresentam, habitualmente, condições mais vantajosas.

Antes de subscrever qualquer produto financeiro, informe-se sobre os diversos tipos de investimento. Pode ler sobre o assunto ou consultar a opinião de um especialista, mas é importante que compreenda o risco e benefícios associados e o faça de forma consciente. Se não se sente confortável em arriscar as suas poupanças, não há qualquer problema: escolha um investimento sem risco e continue a poupar para os seus objetivos. 

Estes são apenas alguns exemplos de atitudes saudáveis para com as finanças familiares que ajudam a gerir de forma mais eficaz o orçamento, durante todo o ano. Com os exemplos da família Nunes e da família Azevedo, pode começar a preparar o plano de poupança para 2020 da sua família!

Partilhe este artigo

Deixar uma resposta (Podemos demorar algum tempo até aprovar e mostrar o seu comentário)