Finanças pessoais

N26 ou Revolut: Quais as diferenças?

N26 ou Revolut: descubra as principais diferenças entre estes dois bancos online que estão a revolucionar o setor bancário em Portugal e no Mundo.

Daniela Gonçalves Daniela Gonçalves , 27 Novembro 2019

Se é daquelas pessoas que procura sempre soluções bancárias mais vantajosas, já ouviu falar do N26 e do Revolut com toda a certeza. Se por acaso ainda não conhece estes dois bancos online, continue a ler, porque vai querer ficar a saber mais. 

O que estes bancos digitais têm de bom

Antes de avançarmos para as diferenças entre o banco N26 e o banco Revolut, convém lembrar o que têm em comum e de bom, em relação a soluções bancárias tradicionais.

No fundo, é nestas características que estão as maiores vantagens para os consumidores: poupança e comodidade. Estas são duas fintech, que oferecem:

  • Possibilidade de abertura de conta rápida e simples, através do website ou da app;
  • Gestão de conta 100% digital;
  • Zero comissões de manutenção; 
  • Taxas muito competitivas em várias operações bancárias;
  • Acesso a movimentos, relatórios, dados infográficos relativos à conta diretamente no smartphone;
  • Apoio ao cliente sempre disponível e à distância de alguns cliques. 

No entanto, neste artigo dedicamo-nos especificamente a comparar as diferenças entre estas duas soluções inovadoras. Do envio do cartão aos movimentos no estrangeiro, vamos descobrir o que difere entre o serviço do N26 e do Revolut.

Leia também: Abrir uma conta bancária com o telemóvel já é possível. Descubra como. 

Planos com valores e opções desiguais

Tanto um banco como o outro tem 3 planos com mensalidades e funcionalidades diferentes. 

Revolut N26 
Standard: 0€/mês
Levantamentos até 200€ grátis e isenção de taxas de câmbio de moeda até 6000€.
Basic: 0€/mês
Levantamentos em euros grátis e pagamentos em qualquer moeda.
Premium: 7,99€/mês
Oferece a mesma isenção de taxas de câmbio, mas tem levantamentos de até 400€ por mês gratuitos. Inclui ainda seguros de viagem, apoio ao cliente prioritário e acesso a criptomoedas. 
You: 9,90€/mês 
Oferece as mesmas funcionalidades que o Basic, levantamentos grátis em qualquer parte do mundo e pacote de seguros Allianz. 
Metal: 13,99€/mês
Possibilita os mesmos benefícios que o plano Premium, mas com levantamentos grátis até 600€/ mês. Inclui ainda o reembolso de 0,1% de compras feitas na Europa e 1% de compras feitas fora da Europa, assim como serviço de concierge exclusivo.  
Metal: 16,90€/mês
Contém as mesmas características do plano You, mas acresce apoio ao cliente dedicado e vantagens junto de parceiros. 

Leia ainda: Revolut: o que é e como funciona?

Transferências internacionais taxadas de forma diferente 

É nas transferências internacionais que se verifica uma das principais diferenças entre N26 e Revolut

No caso do N26, a comissão pode variar entre os 0,36% e 2,86%, dependendo da moeda. 
Por sua vez, o Revolut aplica uma taxa de 0 a 2% nos primeiros 6.000€ transferidos, por mês. Depois desse valor, aplica-se sempre a taxa de 2%.  

Custos de levantamentos no estrangeiro também diferem

Se considerarmos o plano gratuito, o Revolut permite levantamentos gratuitos até 200€ por mês. A partir desse montante, considera-se uma taxa de 2%. Já no caso do N26, no plano basic a taxa cobrada sobre o levantamento é de 1,7%. Só no plano seguinte é que essa ação fica isenta.

Leia ainda: Cartões pré-pagos e viagens para o estrangeiro

IRS: um declara-se, o outro não

Apesar destes cartões serem muito apreciados pelos benefícios que oferecem para transações world wide, também há características relacionadas com a tributação nacional que importa referir. 

Contribuintes com contas no banco britânico Revolut não precisaram de as declarar no modelo 3 do IRS. Isto não significa que no IRS relativo a 2019 a diretriz se mantenham. Se é o seu caso, deve voltar ao assunto pela altura da entrega do IRS. 
Já no caso dos clientes do N26, viram-se obrigados a declarar a conta no quadro 11 do anexo J, já na declaração de IRS de ano 2018.

Estas diferenças verificam-se por causa da autorização ou não que ambas as empresas têm para atuarem como instituição de crédito.  

Comparativamente aos bancos tradicionais, ambas as soluções são muito favoráveis para o consumidor. Relembramos que não têm custos de adesão, estão sempre no bolso, à distância de um smartphone, mostram gráficos e relatórios e permite-lhe ter um maior controlo sobre a sua conta. 

Uma vez que existem custos de adesão, porque não subscrever ambos e aproveitar o melhor de cada solução? Visite os sites oficiais do N26 ou Revolut para saber mais. 

Partilhe este artigo

Deixar uma resposta