Poupar nos bens de primeira necessidade sem perder qualidade de vida também é possível. Neste artigo, conheça algumas dicas que podem ajudar a poupar mais de 50% em bens essenciais. 

Pedro Pais é o fundador do financaspessoais.pt e do forumfinancas.pt. O Pedro é um dos maiores promotores de literacia financeira em Portugal contribuindo com centenas de artigos, ferramentas e simuladores que ajudam as pessoas a poupar, a investir ou a decifrar os mistérios da fiscalidade.

Numa altura em que se fala de crise, de dívidas e desemprego é importante que cada um de nós pense em como pode organizar os seus gastos para poupar algum dinheiro. E se já cortou nos gastos mais supérfluos, já pensou em cortar nos bens de primeira necessidade?

Este artigo reúne conselhos importantes para poupar dinheiro nos bens de primeira necessidade. À primeira vista podem parecer tostões, mas não são. São dicas simples e práticas que o vão fazer poupar mais de 50% em produtos que compra e usa todos os dias, sem que para isso tenha de passar fome ou abdicar da qualidade.

O primeiro aspecto que precisa ter em conta é nunca ir ao supermercado com fome, há sempre tendência para comprar comida em excesso. Além disso, leve sempre consigo uma lista do que necessita. Conselhos simples mas que o farão poupar rios de dinheiro.

Quanto às poupanças, comece por cortar nos produtos já preparados. A vida atarefada actual torna difícil não comprar refeições prontas, mas a verdade é que esse tipo de refeições, além de ser muito mais dispendioso, é também menos saudável. Se fizer em casa, terá o prazer de uma refeição caseira, com comida de qualidade e poupando dinheiro.

Um outro hábito que se torna pouco económico é comprar legumes já arranjados e embalados. É inegável que é mais prático, mas a diferença de preços é assustadora e se tiver de emagrecer os gastos, vai ter de cortar aqui. Por exemplo, uma salada apenas com alface e cenoura custa €1,29 e tem apenas 175g enquanto que uma alface de 500g custa apenas 0,90€ (-75%). E se 200g de cenoura custam apenas €0,32, se comprar uma embalagem de cenoura já cortada fica-lhe a €0,99 (2x mais caro).

Outro aspecto que deve ter em conta é que o peixe congelado é muito mais barato que o peixe fresco e a qualidade é praticamente a mesma. As actuais técnicas de congelamento conservam as propriedades dos alimentos, uma vez que normalmente os peixes são congelados em alto-mar, logo após serem apanhados. Quanto ao preço, a diferença é visível: uma pescada fresca com 1,5Kg custa €11,96 e a congelada com o mesmo peso custa apenas €4,49 (-62%). É  menos de metade e faz toda a diferença.

Por último, mas não menos importante, prefira as cada vez mais famosas marcas brancas em vez das originais. Normalmente são idênticas, excepto no preço. Vejamos dois exemplos: um azeite de marca com 75 cl custa €2,46, mas se for de marca branca é apenas €1,84 (-43%) e ainda tem mais quantidade, pois trata-se de uma embalagem de 1L . Também o açúcar é muito mais barato se não for de marca: a diferença é de 1,18€ para 0,53€ (-55%) em pacotes com 1 Kg.

Aceite este desafio: faça as suas compras seguindo estas dicas e compare os talões. Vai ficar surpreendido!

Já agora! Sugerimos que leia também o artigo “Como poupar em saúde sem poupar em cuidados”. Cortar custos neste campo não significa que vai deixar de aceder a cuidado médicos, pelo contrário poupar em saúde significa antecipar e prevenir qualquer potencial ameaça ao nosso bem-estar.