A nossa vida financeira tem o poder de nos afectar – e muito – psicologicamente, bem como os restantes aspectos das nossas rotinas. Neste artigo, sugerimos-lhe cinco formas de lidar com o stress de uma situação de endividamento da melhor forma possível e apresentamos-lhe algumas soluções.

Não adicione mais fontes de stress financeiro

Identifique o que o está a incomodar financeiramente e que apresenta potencial para piorar a sua situação.
Quanto já tem dívidas, pode pensar que “o mal está feito” e que “perdido por cem, perdido por mil”, mas não é bem assim e as coisas podem sempre piorar. Para impedir que o problema aumente, recuse-se a introduzir mais stress à sua situação financeira.

Por mais que seja tentador, diga não a mais créditos, pelo menos até pagar os existentes. Concentre-se na eliminação das suas dívidas pendentes antes de pedir mais créditos.

Tente perceber se há margem para reestruturar as suas dívidas

É algo em que aqui no Doutor Finanças insistimos bastante, mas a verdade é que, em muitos casos, podemos ajudá-lo a fazer poupanças significativas ao reestruturar e renegociar as suas dívidas. Este é um passo importante e que fará toda a diferença na sua vida caso seja bem sucedido. Se quiser descobrir se há margem para baixar as suas dívidas e ganhar mais liberdade financeira todos os meses, contacte-nos através deste formulário para que possamos fazer o diagnóstico financeiro. A consulta do Doutor Finanças é gratuita, pelo que não pagará nada por se informar.

Dito por outras palavras, não custa nada saber se é ou não possível baixar as suas dívidas.

Gaste apenas no que é importante para si

O tempo e a experiência encarregar-se-ão de lhe mostrar no quão semelhante o esforço de economizar é em relação ao esforço de emagrecer.
Se nas dietas a restrição aumenta os nossos impulsos de consumo (calórico e em quantidade de comida), a restrição financeira extrema pode causar-nos a mesma compulsão.
Existem por aí muitas dietas financeiras que consistem em não gastar nada durante dias ou semanas, mas o stress de saber que não pode comprar absolutamente não essencial pode afectá-lo ainda mais do que a poupança que fará.
Nós somos mais adeptos da flexibilidade e do bom senso; não defendemos que não deve gastar nada em bens não essenciais, mas por outro lado propomos-lhe que só gaste dinheiro em bens não essenciais caso estes tenham algum significado para si.

Por exemplo, em vez de se deixar vencer pela preguiça de não preparar o almoço para levar para o trabalho no dia seguinte e gastar 10€ a comer à pressa num restaurante ao pé do trabalho, use antes esses 10€ para gastar num almoço ou jantar organizado e com calma juntamente com amigos que já não vê há algum tempo.
No fundo, a quantia que gasta é exactamente a mesma, mas o significado que dá ao dinheiro é outro completamente diferente.

Planeie a longo-prazo

Tendo em conta especialmente o ponto 2 e partindo do princípio que conseguimos baixar as suas dívidas, aproveite esse dinheiro extra que passará a sobrar ao final do mês para abastecer o seu fundo de emergência. Por mais que escrevamos sobre o assunto, não nos cansamos de alertar para o quão importante é ter um fundo de emergência, especialmente quando tem dívidas e, por conseguinte, pouco espaço de manobra.

Imagine que, daqui a meses, tem uma situação que requer um gasto de emergência, como por exemplo uma avaria no carro, num electrodoméstico ou até mesmo obras inadiáveis em casa? Ao ter um fundo de emergência preparado para essas situações, estará também a poupar-se à subida dos seus níveis de stress.

Pratique a gratidão e tente manter-se positivo

Tendo dívidas, é seguro assumir que não se encontra onde gostaria de estar na sua vida financeira, mas tente lembrar-se e concentrar-se nas coisas boas que tem na sua vida e que não há dinheiro que compre. O resto resolver-se-à, com empenho e resiliência da sua parte. E isso é algo em que tem total controlo.

 

Da nossa parte, estamos disponíveis para o apoiar. Contacte o Doutor Finanças para marcar a sua consulta de diagnóstico gratuita e descubra se existe a possibilidade de baixar as suas dívidas.