Investimentos

As matérias-primas também são negociadas em bolsa

As matérias-primas estão no nosso dia a dia, nos produtos que consumimos. Mas também podem funcionar como investimento. Saiba como negoceiam.

Investimentos

As matérias-primas também são negociadas em bolsa

As matérias-primas estão no nosso dia a dia, nos produtos que consumimos. Mas também podem funcionar como investimento. Saiba como negoceiam.

À primeira vista pode parecer estranho que as matérias-primas que utilizamos no dia a dia estejam na bolsa, tenham uma cotação e até que as possamos comprar. O objetivo pode mesmo nem ser o seu consumo direto, mas sim ganhar dinheiro através de produtos financeiros complexos, como contratos de futuro, que as tenham como ativo base.

Conheça as matérias-primas mais importantes e como funciona o mercado das matérias-primas.

Leia ainda: Vamos falar sobre investimentos?

Matérias-primas: o que são?

Ouro, lítio, petróleo ou mesmo açúcar, algodão ou café são algumas matérias-primas que negoceiam em bolsa. São mais conhecidas por commodities. As matérias-primas, como o próprio nome indica, são materiais que servem de base ao desenvolvimento de outros produtos, sendo que também podem ser consumidas ou utilizadas no estado primário em que se encontram. Podem ser encontradas na natureza no seu estado puro, como o ouro ou cultivadas como o arroz.

Existe um mercado para as commodities?

Sim. Tal como as ações, as matérias-primas também negoceiam em bolsa. E é com base na oferta e na procura que o seu preço acaba por ser definido, tendo, posteriormente impacto no dia a dia dos consumidores.

Os principais mercados para matérias-primas estão nos Estados Unidos e no Reino Unido e são o Chicago Mercantile Exchange (CME), o New York Mercantile Exchange (NYMEX) e o Intercontinental Exchange (ICE), em Atlanta, e ainda o London Metal Exchange (LME).

Que tipos de matérias-primas existem?

De uma forma geral, podemos falar em matérias-primas industriais e matérias-primas agrícolas. As primeiras são materiais, sobretudo metais, que servem de base ao fabrico de produtos industriais. Por exemplo, o cobre e o lítio são imprescindíveis na indústria automóvel. Já as segundas provêm da agricultura, pecuária ou silvicultura e são uma fonte de alimentação para pessoas e animais, para a indústria e ainda podem servir para produzir combustível.

É um investimento arriscado?

Investir em matérias-primas, à semelhança de outros ativos, tem alguns riscos. Um deles é a elevada flutuação a que os preços estão sujeitos e que muitas vezes são de difícil previsão. Porquê? Um dos principais fenómenos que afeta este mercado é de difícil controlo, especialmente no que se refere às matérias-primas agrícolas, que são as condições climatéricas. O clima é um dos grandes responsáveis pelas boas e más colheitas, por exemplo. Com as alterações climáticas cada vez mais pronunciadas, sucedem-se fenómenos climáticos extremos, um dos fatores que mais impacto tem neste mercado.

Além dos fatores naturais, também há outros motivos, como conflitos sociais e geopolíticos que podem interferir com a exploração e produção de matérias-primas. Estes fatores condicionam os preços destes produtos. Em causa estão eventos que afetam a estabilidade política de alguns países, que estão entre os maiores produtores de commodities . Exemplo deste cenário são alguns países africanos, que estão entre os principais fornecedores de algumas das matérias-primas mais utilizadas em todo o mundo, como o cacau e o açúcar.

Requer conhecimentos financeiros?

Sim. Para investir neste mercado é preciso estar consciente da dinâmica do mercado, de que o preço pode sofrer fortes e repentinas oscilações. Além de ter noção de como funciona o mercado, é também necessário compreender o funcionamento dos produtos financeiros para investir neste mercado como contratos de futuros, contratos por diferenças (CFD), opções e warrants. Outro fator a ter em conta é que grande parte das matérias-primas, especialmente as agrícolas, são cotadas em dólares. Por isso, o seu respetivo valor é bastante afetado pela valorização ou desvalorização da moeda norte-americana.

Leia ainda: Produtos financeiros complexos: O que são e que cuidados deve ter

Quais são as vantagens?

Se há riscos, também há boas razões para investir em matérias-primas. Uma das leis dos investimentos financeiros diz que quanto maior o risco, maior é o potencial de ganho. Tudo depende do risco que estiver disposto a correr. As principais vantagens para investir em matérias-primas, globalmente falando, uma vez que depois tudo depende em particular da matéria-prima específica em que se invista.

  • Investir em matérias-primas pode ser benéfico para diversificar a carteira de investimentos. Por exemplo, pode ter uma carteira composta por ações, obrigações ou fundos de investimento, lítio ou petróleo.  
  • Outra vantagem muito conhecida e reconhecida a várias matérias-primas, em especial aos metais preciosos como o ouro, a platina e mesmo a prata é o seu efeito amortecedor. Especialmente em períodos de maior instabilidade, estes bens conseguem travar potenciais perdas em momentos de maior volatilidade porque o seu valor é relativamente estável e anti cíclico.

Leia ainda: A constituição de uma carteira de investimento

Algumas matérias-primas industriais

  • Cobre: é um metal, flexível e um bom condutor do calor e da eletricidade. Por isso, é muito utilizado em automóveis, equipamentos industriais e produtos eletrónicos.
  • Lítio: é outro metal que é macio e muito leve e tem a capacidade de conter grandes quantidades de energia em espaços muito pequenos.
  • Ouro: é o metal precioso por excelência, com capacidade de reserva de valor e que sempre teve um papel muito importante para a economia. Mas este metal é também procurado para fins industriais como a produção de joias e de componente eletrónicas.
  • Petróleo: esta fonte energética fóssil ainda é a base energética dominante e transversal a todas as indústrias. Por isso, é muito sensível ao ciclo económico. Apesar de ser muito procurado e utilizado, o maior investimento em fontes de energia renováveis pode levar à redução da procura por "ouro negro".

Algumas matérias-primas agrícolas

  • Açúcar: esta matéria-prima proveniente da cana-de-açúcar e da beterraba está todos os dias presente na nossa mesa, seja no seu estado puro, seja em chocolates, bolos ou geleias. Também pode ser utilizado na produção de combustível. O etanol é um combustível 100% natural produzido a partir do açúcar da beterraba.
  • Café: é a partir dos grãos de café que se obtém uma das bebidas mais consumidas em todo o mundo e, a seguir ao petróleo, é mesmo a matéria-prima mais produzida.
  • Algodão: costumamos "vestir" esta matéria-prima. O seu principal destino é a indústria têxtil e cresce em arbustos nas regiões tropicais.
  • Cacau: esta commodity serve sobretudo para fabricar chocolate e também produtos de cosmética, a partir da manteiga de cacau. Tem um ciclo de crescimento longo e estraga-se facilmente, o que pode originar períodos de maior escassez e instabilidade nos preços.
  • Cereais: arroz, trigo, milho são muito importantes na dieta alimentar de pessoas e animais em todo o mundo.
Partilhe este artigo
Artigos Relacionados
Ver todos
Tem dúvidas sobre o assunto deste artigo?

No Fórum Finanças Pessoais irá encontrar uma grande comunidade que discute temas ligados à Poupança e Investimentos.
Visite o fórum e coloque a sua questão. A sua pergunta pode ajudar outras pessoas.

Ir para o Fórum Finanças Pessoais
Deixe o seu comentário

Indique o seu nome

Insira um e-mail válido

Fique a par das novidades

Receba uma seleção de artigos que escolhemos para si.

Ative as notificações do browser para receber a seleção de artigos que escolhemos para si.

Ative as notificações do browser
Obrigado pela subscrição

Queremos ajudá-lo a gerir melhor a saúde da sua carteira.

Não fique de fora

Esta seleção de artigos vai ajudá-lo a gerir melhor a sua saúde financeira.