Finanças pessoais

7 dicas para pagar o curso sem a ajuda dos pais

Está prestes a ingressar no ensino superior e pretende saber como pode pagar o curso? Fique a conhecer algumas dicas.

Finanças pessoais

7 dicas para pagar o curso sem a ajuda dos pais

Está prestes a ingressar no ensino superior e pretende saber como pode pagar o curso? Fique a conhecer algumas dicas.

O apoio financeiro dos pais aos filhos para frequentarem a universidade nem sempre é um dado adquirido. Para muitas famílias é difícil suportar as despesas inerentes. Nestes custos, incluem-se não só as propinas, mas também as refeições, livros e outro material escolar que os filhos necessitam durante alguns anos até terminar o curso.

Devido à pandemia da Covid-19, os problemas económicos acentuaram-se fazendo com que mais alunos no ensino superior sentissem dificuldade em suportar as despesas associadas à sua formação, segundo detalhou a Assoxiação Académica de Lisboa em resposta ao DN.

Assim, independentemente de ter apoio financeiro dos seus pais ou estar a receber uma bolsa de estudo, deixamos-lhe algumas dicas que podem ajudar a pagar o curso sem ajuda dos pais.

Trabalhar enquanto faz o curso

Trabalhar a tempo inteiro enquanto estuda é uma das formas de pagar o seu curso e ainda conseguir poupar algum dinheiro para si. No entanto, ao fazer as duas coisas ao mesmo tempo, certamente não terá tanto tempo para aproveitar a vida social como a maioria dos estudantes.

Por essa razão, um emprego apenas em part-time pode ser uma alternativa, desde que lhe permita ganhar dinheiro suficiente para pagar os seus estudos. Assim, consegue ter mais tempo para si, mas tudo depende da sua situação financeira e das despesas que tem a seu cargo.

Por exemplo, se tiver de pagar as despesas de habitação ou quarto, só com um part-time dificilmente conseguirá pagar os seus estudos, alimentação e outros custos. Logo, deve considerar outras fontes de rendimento além do seu part-time, nomeadamente uma bolsa de estudo.

Leia ainda: Está na hora de decidir? Estes são os cursos com maior empregabilidade

Candidatar-se a uma bolsa de estudo

Para fazer face às despesas de um curso, conseguir uma bolsa de estudo de ação social pode fazer a diferença. No entanto, tem de reunir alguns critérios para que esta lhe seja concedida. Além de ser necessário apresentar uma candidatura válida a um curso superior, os requisitos são os seguintes:

  • O estudante deve encontrar-se inscrito em, pelo menos, 30 créditos (ECTS), se este já estiver matriculado em alguma instituição de ensino superior;
  • O património mobiliário do agregado familiar (incluindo o do estudante) não pode exceder 240 vezes o valor do IAS (Indexante para Apoios Sociais que estee ano foi fixado em 443,20€);
  • O estudante deve apresentar um aproveitamento escolar de 36 créditos no ano anterior, no caso de lhe já ter sido atribuída uma bolsa de estudo;
  • O rendimento anual ao agregado familiar não pode exceder 18 vezes o IAS, juntamente com o valor da propina anual;
  • As informações relativas à situação tributária e contributiva do estudante devem encontrar-se regularizadas.

Tenha em atenção que os valores das propinas podem diferir entre faculdades. Por isso, os cálculos para atribuição de uma bolsa de estudo dependem sempre da instituição de ensino.

Leia ainda: Cursos online gratuitos: Comece o ano a valorizar-se profissionalmente

Gestão da alimentação

Outra forma de poupar e ainda ajudá-lo a conseguir pagar o curso sem ajuda dos pais, está relacionada com a gestão da alimentação. Nomeadamente, com a possibilidade de escolher fazer as refeições na cantina, em vez de shoppings ou restaurantes. Por exemplo, suponha que uma refeição na cantina de uma universidade ronda os 3€. Se almoçar todos os dias num restaurante e gastar 7,5€ no seu almoço, gasta mais 4,5€ por dia. No final de um mês, terá gasto 100€ a mais do que se almoçasse apenas na cantina da universidade.

Este montante "aparentemente pequeno" faz diferença nas contas de um estudante. Tendo em conta que as propinas numa instituição pública rondam os 700€ (exemplo considerado da Universidade de Lisboa), isto significa que se poupasse esses 100€ mensais, conseguiria pagá-las apenas com este esforço nas questões da alimentação.

Leia ainda: Como escolher o curso certo para mim?

jovem mulher a trabalhar num cafe, um emprego que é uma oportunidade de verão para os jovens

Fazer estágios de verão

Por esta altura do ano, existem várias possibilidades de fazer estágios e conseguir ganhar mais algum dinheiro. Além disso, vai também ganhar experiência e aplicar os conhecimentos que foi adquirindo ao longo do curso. Ao contrário de um part-time normal, um estágio de verão deverá estar relacionado com a sua área de formação. Se tiver um bom desempenho, pode até receber uma proposta para trabalhar a tempo inteiro após a conclusão do curso.

Além disso, se trabalhar a tempo inteiro durante os três meses de verão, vai conseguir juntar uma boa quantia para o começo do novo ano letivo. Esse dinheiro pode ser utilizado para pagar parte das suas propinas, compra de livros e material escolar, ou até mesmo em formações que pretenda fazer para adquirir mais competências.

Leia ainda: Ensino superior: o peso da empregabilidade na escolha do curso

Procurar alojamento com antecedência

Além das propinas, os custos relacionados com o alojamento têm um grande peso no orçamento de um estudante. Especialmente se estiver a estudar longe da família, torna-se ainda mais importante minimizar estas despesas. Embora não exista uma fórmula mágica para ter acesso a um alojamento acessível, existem opções às quais pode recorrer.

Por exemplo, pode candidatar-se ao arrendamento acessível através do Portal da Habitação. Os estudantes não necessitam de ter rendimentos próprios, mas deve existir alguma garantia (fiador) que assegure o pagamento da renda.

Outras alternativas incluem arrendar um apartamento e dividir as despesas com outros estudantes ou recorrer às residências de estudantes, regra geral geridas pelas instituições de ensino. No entanto, tenha em consideração que os preços não são tabelados, por isso podem variar consoante a instituição. Uma vantagem das residências de estudantes é que, na maioria dos casos, as despesas de água, eletricidade, etc. já estão incluídas na mensalidade. Além disso, parte das despesas com o alojamento podem ser deduzidas no IRS.

Leia ainda: Ensino Universitário ou Politécnico? Conheça as diferenças

Prefira instituições de ensino públicas

Uma das formas para minimizar os custos da sua formação é escolher uma das instituições de ensino públicas. Deta forma, vai conseguir diminuir as despesas com as propinas. Ao contrário das instituições de ensino privadas, as públicas são significativamente mais acessíveis.

No entanto, "nem tudo são rosas". Espera-o uma maior competição para ingressar nas instituições públicas, o que faz com que as médias de ingresso sejam mais altas.

Por exemplo, o primeiro curso privado de Medicina custa cerca de 1625€ por mês, mas no ensino público ronda os 700€ por ano. Ainda que na grande maioria dos casos os custos numa instituição privada não atinjam valores tão altos, são significativamente superiores a uma pública. Por isso, todo o esforço que fizer no ensino secundário de forma a obter classificações mais elevadas, vai valer a pena.

Leia ainda: Pré-requisitos do ensino superior: O que são e o que pode ser pedido?

Bolsas de mérito

Além da bolsa de estudo de ação social, existem também as bolsas de mérito. Estas são atribuídas de acordo com o aproveitamento escolar do estudante. No entanto, as regras de atribuição podem variar de consoante a instituição de ensino. Além disso, os montantes também podem variar e, em alguns casos, estas bolsas podem ser atribuídas também por entidades parceiras.

Por exemplo, a Universidade do Porto atribui uma bolsa de mérito anualmente no valor de cinco vezes o salário mínimo em vigor. Para ter direito a esta bolsa, o estudante tem de ter uma média não inferior a 16 valores e ter aprovação às unidades curriculares que integrem o plano de estudos desse ano, respeitando os 60 créditos. Ao contrário da bolsa de estudo de ação social, esta bolsa de mérito é atribuída independentemente da situação socioeconómica do estudante.

Leia ainda: Maiores de 23: O que deve saber antes de entrar na universidade

Partilhe este artigo
Artigos Relacionados
Ver todos
Tem dúvidas sobre o assunto deste artigo?

No Fórum Finanças Pessoais irá encontrar uma grande comunidade que discute temas ligados à Poupança e Investimentos.
Visite o fórum e coloque a sua questão. A sua pergunta pode ajudar outras pessoas.

Ir para o Fórum Finanças Pessoais
Deixe o seu comentário

Indique o seu nome

Insira um e-mail válido

Fique a par das novidades

Receba uma seleção de artigos que escolhemos para si.

Ative as notificações do browser para receber a seleção de artigos que escolhemos para si.

Ative as notificações do browser
Obrigado pela subscrição

Queremos ajudá-lo a gerir melhor a saúde da sua carteira.

Não fique de fora

Esta seleção de artigos vai ajudá-lo a gerir melhor a sua saúde financeira.