Vida e família

Como vender a sua casa: através de uma imobiliária ou sozinho?

Vender a sua casa não tem de ser um processo complexo e caro. Sozinho ou com a ajuda de uma imobiliária, conheça as opções que o podem ajudar.

Quando decidimos vender uma casa, pensamos muitas vezes qual será a melhor forma. As agências imobiliárias são as soluções mais procuradas por quem procura vender a sua casa. Além de ser uma opção prática, é também um recurso mais seguro, principalmente na atual conjuntura.

Este método tem, como em tudo, vantagens e desvantagens. A maior desvantagem das imobiliárias são as comissões, que podem chegar aos 5% do valor de venda do imóvel. Ainda assim, atualmente há várias opções no mercado, há as imobiliários tradicionais e há também outros modelos de negócio imobiliário, cujo comissionamento é diferente. Agora que identificámos a grande desvantagem, é importante salientar a grande vantagem de se vender um imóvel com a ajuda de um profissional: o processo é mais simples para o vendedor, uma vez que é o agente imobiliário que trata de todo o processo, gere contactos e visitas, etc.

Assim, há varias opções para vender uma casa. A melhor forma dependerá da situação de cada um. Neste artigo, vamos analisar três sugestões para vender o seu imóvel. Avalie qual delas se aplica melhor para o seu caso.

Venda com ajuda de uma imobiliária

O procedimento de venda de uma casa pode tornar-se longo e difícil. Daí que a contratação de uma agência imobiliária continue a ser a única solução para a maioria das pessoas. Pelo seu conhecimento sobre o processo e o mercado local, assim como pelos seus contactos privilegiados, a mais-valia de um agente imobiliário é inegável.

No mercado são diversas as soluções de agências imobiliárias, umas passam pelo pagamento de comissões fixas outras por comissões variáveis. Conheça os dois modelos e, se a melhor solução para o seu caso é recorrer a uma imobiliária, avalie qual o modelo que é mais vantajoso.

Leia ainda: Vender a sua casa através de imobiliárias: Conheça 7 fatores a ter em consideração

Vender a casa através de uma agência com comissão variável

As vantagens de um agente imobiliário são vastas e indiscutíveis. Os profissionais possuem conhecimento do mercado e recursos de marketing para promover a sua habitação, assim como coordenam responsabilidades que têm de ser desempenhadas por bancários, advogados ou avaliadores, garantindo que todos fazem correta e rapidamente o seu trabalho.

No entanto, apesar de as vantagens de contratar uma imobiliária serem evidentes, é importante relembrar que recorrer a esta ajuda tem uma comissão associada, que varia de acordo com a localização do imóvel e as condições do negócio.

Por norma, os honorários variam entre 3% e 5%, mas, na maioria dos casos, o valor está fixado nos 5%. Porém, é importante ressalvar que a esta percentagem é necessário adicionar o valor do IVA. Assim, por exemplo, imagine que quer vender a sua casa por 310.000 euros, ao contratar uma agência imobiliária, que cobra 4% de comissão, terá de pagar 12.400 euros em honorários. Já se quiser vender a sua casa por 210.000 euros pagará uma comissão de 8.400 euros, se a taxa aplicada for de 4%.

Esta é a principal desvantagem das tradicionais agências imobiliárias de taxa variável, o que tem levado muitos portugueses a procurar alternativas a esta opção.

Escolher uma imobiliária com comissão fixa

Recentemente, entrou no mercado imobiliário uma nova alternativa para quem procura escapar aos honorários cobrados pelas agências tradicionais. Apesar de ser uma solução recente, já existe quase uma dezena de imobiliárias com comissão fixa a trabalhar em Portugal. Este modelo de negócio foi implementado em Portugal por startups, sendo praticado por imobiliárias on-line.

O funcionamento destas imobiliárias é semelhante às tradicionais, uma vez que também contam com comerciais, que ajudam em todo o processo de venda, desde a avaliação do imóvel até à oferta de opções de financiamento para os compradores.

Uma das grandes diferenças entre os dois modelos de imobiliárias prende-se com os honorários. Nestes modelos de negócio mais recentes, o valor que o cliente tem de pagar pelo processo de venda é sempre o mesmo, independentemente do valor pelo qual a propriedade é vendida. Ou seja, não é aplicada uma taxa sobre o valor de venda, é cobrado um valor fixo. O que pode significar uma poupança de milhares de euros, quando comparado com o pagamento de uma comissão variável.

Entre as empresas que oferecem esta solução estão a Housefy, a Kazzify e a Imobtech. No caso da Kazzify, a agência cobra uma comissão fixa de 1.999 euros, incluindo IVA, para qualquer negócio e imóvel. Já a Housefy disponibiliza duas comissões fixas, com IVA incluído: 2.400 euros para habitações à venda até 150.000 euros, ou 4.490 euros para imóveis de valor superior a 150.000 euros. A Imobtech assume que cobrará, no máximo, uma comissão de 2.990 euros.

No entanto, é importante referir que estas imobiliárias cobram uma taxa de serviço, para cobrir os custos da comunicação, marketing e visitas ao imóvel. Esta taxa é solicitada no momento em que o imóvel é colocado à venda.

Se optar por vender a sua casa através de uma imobiliária, antes de escolher, perceba o que lhe está a ser oferecido pelo serviço, seja através de uma rede que opera com lojas, seja através de uma plataforma on-line. Que apoio é dado, como é feita a divulgação do imóvel, que tipo de apoio jurídico prestam (se prestam), se tratam da documentação necessária para a concretização do negócio, etc. Questione tudo o que podem fazer por si e o que não está incluído. Em alguns casos pode fazer a diferença.

Vender a casa sozinho

Embora seja um processo mais complexo e demorado, com um pouco de dedicação e paciência poderá conseguir vender a sua casa sozinho e poupar algum dinheiro.

O primeiro passo é avaliar a sua propriedade. Muitos negócios particulares acabam por não se concretizar, porque os proprietários inflacionam em demasia o valor da sua habitação e recusam-se a ceder. Para evitar este problema, peça uma avaliação profissional, uma vez que lhe dará uma faixa de referência de preço e permitirá uma maior abertura de negociação. Esta avaliação tem um custo, cujo valor depende do profissional que o fizer.

Paralelamente, compare a sua propriedade a outras casas semelhantes à venda. Compare-a com imóveis com a mesma tipologia na mesma zona geográfica. Desta forma, poderá ter uma ideia mais realista dos valores de mercado.

Ainda antes de anunciar a venda, faça uma inspeção na propriedade, para conhecer possíveis problemas e repará-los, se possível. Reúna também os atrativos da casa para a valorizar no momento de divulgação do anúncio e nas visitas com clientes. Os benefícios podem incluir a localização, a iluminação, remodelações recentes, eletrodomésticos novos, eficiência energética, entre outros.

O passo seguinte é anunciar a venda. Com o aumento crescente de sites de classificados e especializados em vendas, torna-se imperativo anunciar em sites como o Imovirtual, o Idealista, a Casa Sapo, o OLX, entre outros. Aproveite também as redes sociais, porque permitem um contacto direto com possíveis interessados. Por último, pode ainda anunciar diretamente na sua casa, caso seja uma zona movimentada.

Saiba como mostrar a casa. Fotografe as principais características da casa e filme uma pequena tour, para que os possíveis compradores se sintam dentro do imóvel.

Além disso, esteja preparado para a eventualidade de não receber nenhuma oferta elegível e defina um prazo para baixar ligeiramente o preço. Para isso, antes de colocar a casa à venda, crie um cronograma para perceber quando deve baixar o valor.

Por último, não se esqueça que o processo de venda não termina quando um comprador aceita comprar a sua propriedade. São necessários vários documentos para oficializar o negócio, como certidão predial, licença de utilização, escrituras, entre outros.

Leia ainda: Na hora de vender a sua casa, lembre-se das mais-valias

Qual a melhor solução para vender a sua casa?

Em suma, vender um imóvel sem ajuda de uma imobiliária é uma solução eficiente se procura poupar dinheiro e controlar todo o processo. Porém, poderá não ser a opção mais acertada caso pretenda evitar burocracias e poupar tempo.

Assim, não existe uma opção perfeita, todas são complexas e com vantagens e desvantagens associadas. O mais importante é informar-se das agências disponíveis e dos passos necessários, para uma venda sem ajuda externa, e selecionar a solução que mais lhe convém.

Partilhe este artigo
Tem dúvidas sobre o assunto deste artigo?

No Fórum Finanças Pessoais irá encontrar uma grande comunidade que discute temas ligados à Poupança e Investimentos.
Visite o fórum e coloque a sua questão. A sua pergunta pode ajudar outras pessoas.

Ir para o Fórum Finanças Pessoais

Deixar uma resposta (Podemos demorar algum tempo até aprovar e mostrar o seu comentário)