Esta é uma das perguntas mais frequentes que recebemos no Dr. Finanças. Durante muitos anos era comum os portugueses serem fiadores dos familiares, dos amigos ou até dos colegas de trabalho. Fica então a dúvida se depois de ser fiador de alguém pode pedir um empréstimo. Será que sim?

Ser fiador é dar uma garantia ao banco

Se é fiador possivelmente saberá quais os riscos e consequências dessa decisão. Sabe que em caso de incumprimento do crédito é chamado a cumprir com as prestações ou mesmo a liquidar toda a dívida. Não ganhando nada com isso…

O simples facto de ser fiador de alguém não implica que fique com a sua vida hipotecada. Não implica também que não possa ter acesso a financiamento bancário. Pode ter acesso a financiamento. Pode pedir empréstimos e pode viver a sua vida de forma normal… mas com cautela.

Como está o seu mapa de créditos do Banco de Portugal?

fiador-pode-ter-emprestimos

Para ter acesso ao crédito tem de ter o seu nome “limpo” no mapa de créditos do Banco de Portugal. Assim, se retirar o seu mapa irá constatar que terá uma (ou mais) linhas referentes aos contratos dos quais foi fiador ou avalista. Aparecem como créditos potenciais, uma vez que apenas terá de um suportar em caso de incumprimento do seu familiar ou amigo.

Se a pessoa a quem foi fiador não cumprir com as suas responsabilidades, o incumprimento é comunicado ao Banco de Portugal, ficando tanto o cliente como fiador com registo de incumprimento. Aliás, esta ferramenta pode ser uma ótima forma de controlar se o cliente paga ou não as prestações.

Uma ajuda ao seu familiar

Se percebe que o seu familiar ou amigo tem dificuldade em cumprir com as prestações do crédito (ou dos créditos) talvez faça sentido que o ajude a colocar as finanças em ordem. Atuar de forma preventiva pode ajudar a evitar grandes problemas para si e para o seu familiar ou amigo.

Uma forma de evitar estes problemas será a renegociação dos diversos créditos. É possível baixar as prestações bancárias em mais de 30%, facilitando o cumprimento das prestações bancárias. Por que não atuar de forma preventiva?