Investimentos

Quero começar a investir: qual o caminho que devo seguir?

Quando decidimos investir, há vários caminhos que podemos percorrer. Para avançar, é fundamental saber quais os riscos e custos associados.

Investimentos

Quero começar a investir: qual o caminho que devo seguir?

Quando decidimos investir, há vários caminhos que podemos percorrer. Para avançar, é fundamental saber quais os riscos e custos associados.

O primeiro fator que devemos analisar quando pretendemos concretizar um investimento é saber identificar qual o objetivo que pretendemos atingir. A nossa abordagem será sempre diferente em função do propósito pretendido. Como exemplo, se pretendermos comprar uma casa para a viver ou para investimento, as características procuradas no imóvel serão diferentes. Quanto mais esclarecidos estivermos melhor!

A mesma regra se aplica aos investimentos mobiliários. Se soubermos à partida qual o objetivo que o investimento que vamos concretizar pretende alcançar, iremos conseguir posicionarmo-nos de uma forma mais eficaz.

O caso do João

Para ser mais fácil de perceber o que ter em consideração antes de investir, vamos analisar um caso prático. Neste caso, vamos explorar o caso do João, que tem 30 anos e quer poupar para a reforma. O João não é um investidor ativo, nem tem tempo para acompanhar diariamente uma carteira de títulos. O João não vai necessitar de movimentar este investimento e pretende reforçá-lo todos os anos. O que pode fazer?

ícone do formato do post video
Finanças pessoais
Diogo Luís: O que deve ter em conta antes de investir
Ler mais

Primeiro passo

O João tem características em que muitos portugueses se reveem. O primeiro passo é explicar ao João quais as formas em que pode iniciar o seu investimento e quais as vantagens associadas a cada uma delas.

Como o João pretende investir e não tem intenções de movimentar o dinheiro no curto prazo, devemos procurar soluções que lhe permitam tirar partido de um prazo alargado de investimento. E aqui deparamo-nos com o primeiro caminho a selecionar: Qual a forma sob a qual vou investir? Vou criar uma carteira de investimento num banco ou numa corretora? Opto por uma carteira já constituída, subscrevendo um perfil? Complemento o investimento de um perfil sob a forma de um PPR?

Nesta primeira fase o objetivo não passa por analisar a carteira ou o perfil de risco em que se pretende investir, mas sim a forma como fazê-lo, “olhando” sempre para o longo prazo. Desta forma, temos três soluções possíveis:

  • Criamos uma carteira de investimento normal, com um dossiê de títulos;
  • Optamos por investir numa carteira sob a forma de seguro Unit Linked (seguros ligados a fundos de investimento);
  • Investimento sob a forma de PPR

Nas três soluções, podemos ter uma exposição ou uma carteira de investimento semelhante, conforme explicaremos mais à frente. A grande diferença que devemos percecionar é qual a vantagem de cada uma delas no longo prazo.

A tributação das mais-valias ajuda a selecionar o caminho.

Começando pela primeira, ao criarmos uma carteira de investimento simples, título a título, não iremos conseguir beneficiar de nenhuma característica especifica de longo prazo. A vantagem é que a carteira poderá ser mais personalizada, embora no caso concreto do João, este não seja um ponto preponderante, uma vez que não tem tempo para acompanhar o seu investimento diariamente. Comparativamente com as restantes soluções, o investimento numa carteira personalizada não acresce nenhuma comissão de gestão. Como tal, esta é uma vantagem face às restantes opções.

A constituição de uma carteira de investimento
Ler mais

Ao investir numa carteira sob a forma de Unit Linked , temos a vantagem de ter uma tributação das mais-valias que se vai reduzindo ao longo do tempo. Até cinco anos a tributação é de 28%, entre cinco e oito anos passa a 22,4% e após oito anos a tributação das mais valias é de 11,2%. Normalmente, este tipo de carteira apresenta uma comissão de gestão associada e que deverá ser tida em conta.

A terceira opção – investir num PPR – é aquela que traz mais vantagens fiscais a longo prazo.

Assim, se optarmos por investir num PPR sem utilizar o benefício fiscal, a taxa de tributação até cinco anos é de 21,5%. Entre cinco e oito anos é de 17,2% e após oito anos é de 8,6%. Nestes casos, o PPR pode ser resgatado a qualquer altura sem quaisquer penalizações.

Contudo, se optar por investir num PPR e o resgatar dentro das condições previstas, terá uma tributação de 8%:

  • Reforma por velhice;
  • A partir dos 60 anos de idade;
  • Desemprego de Longo Duração do cliente ou de qualquer membro do agregado familiar;
  • Incapacidade Permanente para o Trabalho do Segurado ou de qualquer membro do agregado familiar;
  • Doença Grave do Segurado ou de qualquer membro do agregado familiar;
  • Amortização de crédito habitação

Esta é claramente uma vantagem que pode e deve ser potenciada. Como podemos observar, caso o João opte por esta solução irá obter uma taxa de tributação sobre as mais-valias consideravelmente mais baixa, uma vez que o seu objetivo de investimento é de longo prazo.

Assim como os investimentos sob a forma de Unit Linked, os PPR também têm comissões de gestão associadas, que deverão ser alvo de análise e de comparação.

Leia ainda: 5 livros que os investidores (mas não só) devem ler

Segundo passo

De forma a poder potenciar as poupanças no longo prazo e as vantagens associadas a cada uma das opções anteriores, é necessário que o João se foque na exposição que vai ter. Numa primeira fase, é fundamental definir o seu perfil de risco, sendo que como o João é novo (30 anos), e como pretende investir no longo prazo, poderá fazer sentido assumir uma carteira com maior risco.

Probabilidade de perder dinheiro na bolsa? Não é assim tão elevada
Ler mais

Após a definição do perfil, é muito importante que o João consiga analisar a carteira de títulos em que vai investir. Poderá, e deverá, solicitar essa informação às entidades gestoras, de forma a poder avaliar e analisar o comportamento da mesma no passado (de preferência num horizonte temporal mais alargado – 5 ou 10 anos) e para ter uma noção clara se está a investir numa carteira diversificada, equilibrada e sem conflitos de interesse, garantindo que o gestor ou equipa de gestão escolhem os ativos que fazem mais sentido a cada momento.

Leia O bê-à-bá do investimento

A carteira de investimento faz toda a diferença e deve ser um dos pontos onde se “perde” mais tempo. Porque se o João investir num ativo que no longo prazo não tem retorno, então as vantagens associadas à redução da tributação das mais-valias acabam por desaparecer. Por este motivo, a definição do caminho a seguir é muito importante, mas o conteúdo que esse caminho terá ainda se torna mais importante.

Terceiro passo

Esta etapa já foi abordada no primeiro passo. É fundamental conhecer as comissões de entrada, saída e de gestão de cada uma das soluções pretendidas, para poder avaliar qual aquela que possibilita a obtenção de uma mais-valia superior no final do período. Todos os pontos contam. Tudo deve ser analisado e percecionado.

Em resumo, numa primeira análise deveremos percecionar que existem vários caminhos por onde podemos seguir. Perceber cada um deles e quais as vantagens/desvantagens associadas é fundamental. Posteriormente, devemos ter em atenção em que é que vamos investir, perceber a qualidade da carteira que iremos escolher, de forma a enquadrá-la nos nossos objetivos de investimento. Por fim, analisar os custos associados a cada uma das opções, de forma a que em conjunto com os dois passos anteriores, possamos ter uma visão clara da forma como podemos potenciar as nossas poupanças.

Partilhe este artigo
Artigos Relacionados
Ver todos
Tem dúvidas sobre o assunto deste artigo?

No Fórum Finanças Pessoais irá encontrar uma grande comunidade que discute temas ligados à Poupança e Investimentos.
Visite o fórum e coloque a sua questão. A sua pergunta pode ajudar outras pessoas.

Ir para o Fórum Finanças Pessoais
Deixe o seu comentário

Indique o seu nome

Insira um e-mail válido

Um comentário em “Quero começar a investir: qual o caminho que devo seguir?
Fique a par das novidades

Receba uma seleção de artigos que escolhemos para si.

Ative as notificações do browser para receber a seleção de artigos que escolhemos para si.

Ative as notificações do browser
Obrigado pela subscrição

Queremos ajudá-lo a gerir melhor a saúde da sua carteira.

Não fique de fora

Esta seleção de artigos vai ajudá-lo a gerir melhor a sua saúde financeira.