Finanças pessoais

O Facebook mudou de nome. Será um bom investimento?

Fruto de uma mudança na estratégia da empresa, a rede Facebook mudou de nome. Saiba se pode ser um bom investimento.

Finanças pessoais

O Facebook mudou de nome. Será um bom investimento?

Fruto de uma mudança na estratégia da empresa, a rede Facebook mudou de nome. Saiba se pode ser um bom investimento.

No final de 2021, o Facebook anunciou que mudaria o seu nome para Meta. De acordo com o responsável da empresa, Mark Zuckerberg, esta mudança deve-se ao facto de a empresa pretender focar o seu investimento na área do metaverse nos próximos anos.

Em resumo, o metaverse consiste na criação de um universo virtual, no qual pode efetuar um conjunto variado de atividades do seu dia a dia, como jogar, ir às compras, ir a espetáculos, entre outros. É um conceito e uma tecnologia ainda pouco desenvolvida, pelo que o universo das suas aplicações pode ter um grande potencial.

De notar, ainda, que a empresa prevê aumentar o seu nível de investimento, devido à aposta no metaverse. Aliás, no ano de 2021, a empresa investiu cerca de 10 mil milhões de dólares nesta área.

Quanto vale a Meta atualmente?

Considerando a cotação à data de fecho de 11 julho 2022, a Meta tem um valor de mercado de cerca de 440 mil milhões de dólares. Para ter uma noção da real dimensão deste valor, o mesmo é cerca do dobro de toda a riqueza gerada em Portugal durante o ano de 2021. Trata-se de uma das empresas com maior capitalização bolsista em todo o mundo.

No entanto, o valor da empresa tem caído bastante desde o início do ano, acumulando uma queda superior a 50%. Estas quedas devem-se à conjuntura global negativa, devido à expetativa de um agravamento das taxas de juro. Para além disso, existem receios de que uma recessão económica afete fortemente o mercado da publicidade, do qual a empresa depende muito.

Áreas de negócio da empresa

A empresa tem essencialmente 2 áreas de negócio, nomeadamente:

  • Redes sociais, ou seja, o Facebook, Instagram, Whatsapp, entre outros;
  • Realidade virtual, em que se inclui o metaverse.

Ao nível das áreas referidas acima, como seria de esperar, as redes sociais são a "galinha dos ovos de ouro" da empresa. Assim, no final de 2021, as receitas no segmento de redes sociais, ascenderam a cerca de 114,9 mil milhões de dólares, o que corresponde a cerca de 97,5% do total de receitas em 2021. Deste modo, o segmento de realidade virtual tem ainda um contributo pouco relevante.

Relativamente à receita das redes sociais, as mesmas são quase na sua totalidade receitas com publicidade.

Esta área de negócio, para além de ter um volume de receita muito significativo, é também muito lucrativo. Por exemplo, em 2021, o resultado operacional desta área de negócio foi de cerca de 56,9 mil milhões de dólares, ou seja, uma margem de quase 50%.

Por oposição, a área de realidade virtual, apesar das baixas receitas, teve um prejuízo muito significativo em 2021, superior a 10 mil milhões de dólares. Tal deve-se ao facto de se encontrar ainda numa fase de desenvolvimento.

Evolução das receitas e do lucro da empresa

A Meta tem sido claramente uma empresa de crescimento. Assim, a mesma tem apresentado ao longo dos últimos anos, crescimentos muito interessantes ao nível da receita e lucros, conforme pode verificar na tabela abaixo.

Evolução da receita, resultado líquido e lucro por ação entre 2017 e 2021

2017

2018

2019

2020

2021

Receita (em milhões USD)

40 653

55 838

70 697

85 965

117 929

Resultado liquido (em milhões USD)

15 920

22 110

18 485

29 146

39 370

Lucro por ação

5,39

7,57

6,43

10,09

13,77

Assim, relativamente à receita, desde 2017 até ao final de 2021, praticamente triplicou. Por outro lado, os resultados da empresa também tiveram um comportamento muito positivo, tendo mais do que duplicao desde 2017.

Em resumo, comparando o lucro por ação de 13,77 USD referente a 2021, com a cotação atual à data de fecho de 11 julho, verifica-se que o preço/lucro por ação, se situa em cerca de 12x. Ou seja, este indicador encontra-se bem abaixo da sua média histórica, que no caso desta empresa se tem situado acima das 20x.

Indicadores operacionais

Assim sendo, a empresa depende essencialmente do negócio e da publicidade nas suas redes sociais, pelo que existe um conjunto de métricas importantes que deve ter presente ao analisar a performance do negócio, nomeadamente:

  • Número mensal de utilizadores ativos, ou seja, os utilizadores que acederam pelo menos uma vez no mês às plataformas da Meta, como o Facebook, Instagram, Whatsapp, entre outros. No caso deste indicador, a empresa tem tido um crescimento ao nível dos utilizadores, sendo que de acordo com os dados do primeiro trimestre de 2022, o número total atingiu os 3,64 mil milhões. De notar que se trata de um indicador relevante já que quanto maior o número de utilizadores, maior é o potencial da empresa para ter novas receitas;
  • Receita média por utilizador que é calculada dividindo a receita total da empresa na área de negócio das redes sociais pelo número mensal de utilizadores ativos. O objetivo da empresa é que esta receita média seja constantemente superior, o que tem acontecido no caso da Meta. A título de curiosidade, por exemplo no primeiro trimestre de 2020, a receita média por utilizador foi de 6,03 USD. No caso do primeiro trimestre de 2022, essa receita atingiu os 7,72 USD, ou seja, um valor bem superior.
pessoa a navegar no facebook
Bangkok, Thailand - March 5, 2018 : hand is pressing the Facebook screen on apple iphone6 ,Social media are using for information sharing and networking.

Oportunidades e riscos de investir

O investimento numa ação como a Meta, tem oportunidades, mas também riscos que deve conhecer. Assim, de seguida, destacam-se algumas das principais potencialidades da empresa, bem como possíveis riscos do investimento.

Oportunidades

No que diz respeito às oportunidades de investir na empresa, destacam-se:

  • Empresa líder no investimento na área do metaverse, que pode revolucionar as nossas vidas nas próximas décadas;
  • Posição de liderança no segmento das redes sociais;
  • Histórico de fortes crescimentos da receita e lucros ao longo dos anos. Para além disso, é expetável que o segmento das redes sociais possa continuar a expandir-se nos próximos anos;
  • Situação financeira da empresa muito saudável, com uma grande capacidade de efetuar novos investimentos;
  • As margens no seu principal negócio (redes sociais) são muito robustas.

Riscos

Apesar das oportunidades identificadas acima, existem, no entanto alguns riscos que a empresa identifica como podendo afetar o seu negócio, e como tal a sua rentabilidade enquanto acionista, a saber:

  • A maioria das receitas geradas pela empresa vem da publicidade nas plataformas, que são pagas por empresas e particulares (vendedores). Por norma, para publicarem estas publicidades nas redes sociais, os vendedores não têm acordos de longo prazo com a Meta, podendo abandonar as suas plataformas caso considerem que as mesmas deixaram de ser atrativas ou rentáveis para publicitar os seus produtos e/ou serviços. Deste modo, a elevada dependência da empresa de uma única fonte de receita, pode ser um problema;
  • Risco de alterações regulatórias que possam afetar a atividade da empresa, ou seja, o sucesso e a eficácia da publicidade nas redes sociais da Meta, depende do seu algoritmo, que basicamente com base nos dados dos utilizadores, seleciona os anúncios que são mais adequados e, a princípio, que vão mais ao encontro dos seus interesses. No entanto, ao longo dos últimos anos, tem sido lançada um conjunto de legislação ao nível da proteção de dados, que limita o acesso da Meta a esses mesmos dados, o que pode tornar a sua publicidade menos direcionada, e como tal menos eficaz;
  • Risco da área da metaverse não ter o sucesso que a empresa espera, ou seja, a Meta tem investido fortemente nesta área, sendo que inclusivamente em 2021 já investiu um montante muito significativo no metaverse. Trata-se, ainda, de uma área em fase inicial, que regista grandes prejuízos. No entanto, se no futuro a empresa não gerar lucros com esta atividade, pode ter grandes e irrecuperáveis perdas em termos financeiros.

Investir ou não investir? Eis a questão

A Meta tem sido uma empresa que ao longo dos anos tem tido uma performance muito positiva em bolsa. No entanto, não significa necessariamente que a história se repita no futuro.

É uma empresa com crescimentos interessantes ao nível de receitas e lucros, e com possíveis oportunidades futuras significativas. No entanto, também existem riscos que deve ter em consideração, e que potencialmente podem comprometer o negócio futuramente.

Assim, faça o seu "trabalho de casa" antes de decidir, eventualmente, adicionar ações da Meta à sua carteira.

Partilhe este artigo
Artigos Relacionados
Ver todos
Tem dúvidas sobre o assunto deste artigo?

No Fórum Finanças Pessoais irá encontrar uma grande comunidade que discute temas ligados à Poupança e Investimentos.
Visite o fórum e coloque a sua questão. A sua pergunta pode ajudar outras pessoas.

Ir para o Fórum Finanças Pessoais
Deixe o seu comentário

Indique o seu nome

Insira um e-mail válido

Fique a par das novidades

Receba uma seleção de artigos que escolhemos para si.

Ative as notificações do browser para receber a seleção de artigos que escolhemos para si.

Ative as notificações do browser
Obrigado pela subscrição

Queremos ajudá-lo a gerir melhor a saúde da sua carteira.

Não fique de fora

Esta seleção de artigos vai ajudá-lo a gerir melhor a sua saúde financeira.