Orçamento Familiar

Estudar fora do país? Saiba como poupar nos gastos

Se o seu filho quer ir estudar fora, ainda que não tenha grande margem financeira, basta um bom planeamento e as ferramentas certas.

Orçamento Familiar

Estudar fora do país? Saiba como poupar nos gastos

Se o seu filho quer ir estudar fora, ainda que não tenha grande margem financeira, basta um bom planeamento e as ferramentas certas.

Estudar fora de Portugal é, para muitos, um desejo, mas a carga que pode representar no orçamento familiar leva muitos a adiar ou até a cancelar a ideia. Porém, a verdade é que com um bom planeamento essa experiência internacional está ao alcance de quase todas as carteiras. Se o seu filho já lhe manifestou esse desejo, porque não começar a fazer contas?

Nível de vida e taxa de câmbio

Em primeiro lugar, onde gostaria o seu filho de estudar? Num país europeu? Noutro continente?  Seja qual for a opção, é preciso analisar o nível de vida do país, a taxa de câmbio, se for caso disso, e ter em conta o custo das deslocações. Se for apenas um ano, não fará grande diferença, mas se o objetivo é tirar a licenciatura numa universidade estrangeira, pode fazer mossa.

Depois, lembre-se que há vida para além das capitais, ou seja, se o seu filho quer ir para França, por exemplo, porque não escolher outra cidade que não Paris? Os custos vão baixar e terá a oportunidade de viver no país que escolheu. De preferência, uma cidade/vila com aeroporto relativamente perto, para não encarecer.

Leia mais: Quer fazer um estágio no estrangeiro? Saiba o que deve ter em consideração

Consulte o programa Erasmus +

Para estadias curtas (três meses a um ano), o programa mais conhecido é o Eramus +, que atualmente também permite estudar fora do espaço europeu. E há várias vantagens: além de estar isento de pagar propinas e matrículas no país de acolhimento, também pode candidatar-se a uma bolsa, o que vai ajudar a baixar as despesas de viagem e de estadia. 

Mas atenção: para poder candidatar-se a instituição de ensino onde estuda tem de estar ligada à que o irá receber. Por isso, verifique os acordos. Há ainda um apoio adicional que é pago a estudantes de famílias com dificuldades económicas.

É também possível acumular mais do que uma bolsa da instituição onde estuda, do Estado, ou de mecenas. Vale a pena consultar sites como o studyportals ou scholarshipportal.

Leia ainda: Quanto custa fazer um Erasmus? Prepare o seu orçamento

Gerir o dia a dia

Se o seu filho vai estudar fora ao abrigo de um protocolo, nada como contactar os responsáveis pelas relações com os estudantes, que poderão ajudar com dicas também sobre o alojamento. Dependendo para onde vai, pode ser possível encontrar quarto numa residência de estudantes, que à partida será a opção mais em conta. Outra opção é procurar anúncios de quartos em casas partilhadas. Não se esqueça de analisar também o custo das deslocações, assim como a possibilidade de confecionar as refeições em casa, as despesas de água, luz e internet e o pocket money.

Pode também compensar abrir conta no banco no país de destino, para que o seu filho levante dinheiro sem pagar taxas. Verifique também quanto lhe cobram pelas transferências internacionais. 

Quanto às comunicações, o melhor será levar um telemóvel desbloqueado e comprar um cartão do país. Para ligar para casa, nada como usar a internet para fazer chamadas ou videochamadas.

Leia mais: Quer fazer um estágio no estrangeiro? Saiba o que deve ter em consideração

Abuse dos descontos

Seja em viagens, roupa ou comida, há sempre hipótese de poupar, ainda mais se estiver atento aos descontos. Assim, valerá a pena fazer o cartão internacional de estudante, que além de dar descontos em Portugal também dá descontos em vários serviços e marcas um pouco por todo o mundo.

Mais vale prevenir que remediar

Finalmente, lembre-se que imprevistos podem acontecer, mas se estiver prevenido, tanto melhor. E como pode fazê-lo? Caso o seu filho adoeça no estrangeiro, já vai ser doloroso quanto baste tê-lo longe, por isso faça-lhe o cartão europeu de saúde. É válido por três anos, não tem custos e assegura a assistência em hospitais públicos dos países da União Europeia e também Islândia, Lichenstein, Noruega, Suíça e Reino Unido. Se for para fora desta rede, o melhor poderá ser fazer um seguro de saúde internacional.

Leia ainda: Cartão Europeu de Seguro de Doença: Tudo o que precisa de saber

Partilhe este artigo
Artigos Relacionados
Ver todos
Tem dúvidas sobre o assunto deste artigo?

No Fórum Finanças Pessoais irá encontrar uma grande comunidade que discute temas ligados à Poupança e Investimentos.
Visite o fórum e coloque a sua questão. A sua pergunta pode ajudar outras pessoas.

Ir para o Fórum Finanças Pessoais

Deixar uma resposta (Podemos demorar algum tempo até aprovar e mostrar o seu comentário)