Bem-estar

Sabe escolher um colchão? 9 dicas rumo ao conforto total

Escolher um colchão de qualidade é essencial para ter uma boa noite de descanso. Estas dicas podem ajudar a encontrar o mais adequado.

Bem-estar

Sabe escolher um colchão? 9 dicas rumo ao conforto total

Escolher um colchão de qualidade é essencial para ter uma boa noite de descanso. Estas dicas podem ajudar a encontrar o mais adequado.

Acorda frequentemente cansado e sente que não descansou o suficiente? Não se sente confortável na cama e não se lembra da última vez que trocou de colchão? Pois bem, provavelmente está na altura de escolher um novo colchão. Vai, certamente, notar a diferença.

Qual a importância de escolher um bom colchão?

Poucas são as pessoas que na hora de dormir se lembram da importância de saber escolher um colchão para garantir uma noite leve e agradável.

Um bom colchão ajuda a ter uma boa noite de sono, fundamental para a nossa saúde, mas nem sempre isso acontece. Frequentemente, usamos colchões de fraca qualidade e desconfortáveis, e consequentemente, aparecem alguns problemas de saúde. Porém, assim como um mau colchão pode atrapalhar a qualidade do seu sono, um bom, pode proporcionar-lhe as melhores noites de sempre.

Além disso, importa recordar que um terço das nossas vidas, em média, é passado a dormir. Logo, é fundamental investir num bom colchão para desfrutar com qualidade deste tempo.

Os dois fatores essenciais a considerar são: a posição correta da coluna e o conforto. Nesse sentido, o colchão deve ser capaz de suportar todo o peso do seu corpo sem ceder. Saiba o que ter em conta na hora de escolher.

9 dicas para escolher um bom colchão

1. Peso e altura

Primeiro fator a ter em atenção são as dimensões do colchão, atendendo ao nosso peso e altura. Ou seja, um colchão deve garantir a total adaptação do corpo e deve refletir a sua relação peso/altura.

2. Flexibilidade e conforto

O colchão deve encaixar e ajustar-se ao formato natural do corpo, distribuindo a pressão uniformemente por todo o corpo e mantendo a coluna numa linha reta. Quando for experimentar, verifique se quando se deita, a sua coluna permanece direita ou se, porventura, curva de algum modo.

3. Firmeza

Um colchão muito macio, pode fazer o corpo afundar e, desta forma, a coluna não fica direita. Contudo, um colchão demasiado rígido também pode não ser muito confortável.

Leia ainda: Vai de férias? O seu orçamento familiar é reduzido? Saiba como poupar

4. Densidade

Quanto maior a densidade, mais peso o colchão aguenta. Além disso, colchões mais altos, e de maior densidade, são mais confortáveis, resistentes e duradouros.

5. Se não dorme sozinho, pense também no corpo do parceiro

Se dorme sozinho, a escolha é simples pois apenas tem de se preocupar com as suas necessidades. Contudo, se partilha a sua cama, então é essencial que o colchão satisfaça não apenas a si, mas também ao seu parceiro. Já diz o velho ditado "o sol quando nasce é para todos", por isso, o descanso e o conforto também devem ser partilhados.

Por isso, o ideal é procurar colchões de casal que tenham as características adequadas para receber duas pessoas, sem prejudicar o conforto e a saúde de nenhum dos dois.

6. Materiais utilizados

Existe uma vasta gama de colchões, com utilização de diferentes materiais. Assim, conheça as vantagens e as desvantagens de cada um deles.

Espuma

Este é considerado o tipo de colchão mais usado. É mais barato e, consequentemente, é o mais vendido no mercado. Por conseguinte, pode encontrá-los em qualquer tamanho, altura ou modelo. Deve ficar atento à qualidade da espuma na hora da escolha. Os mais finos e moles podem deformar, enquanto os mais duros podem tornar-se desconfortáveis, já que não se moldam totalmente ao corpo.

Molas

Existem dois tipos de colchões de molas: molas clássicas e molas ensacadas.

Colchões de molas clássicas: são um tipo de molas onde as esferas metálicas são ligadas entre sim através de fios de forma espiral. Apresentam um inconveniente: quando uma das pessoas se movimenta, a outra sente de imediato. Por isso, pode não ser o mais indicado para casais.

Colchões de molas ensacadas: são aconselhados para quem gosta de um colchão firme e duradouro. Trata-se de um modelo resistente, ideal para casais, porque adaptam-se melhor ao corpo e sente-se menos os movimentos quando uma pessoa se mexe.

Por conseguinte, se estiver a pensar comprar um colchão de molas tenha em atenção o seu sistema. Se partilhar a sua cama, os colchões de molas ensacadas são mais indicados para receber dois corpos e salvaguardar-lhe uma boa noite de descanso.

Látex

Os colchões de látex, apesar de serem mais dispendiosos, podem trazer inúmeras vantagens às suas noites. Primeiro, o latex é um material que se adapta ao seu corpo e tem um isolamento considerado perfeito, o que torna este tipo de colchão mais duradouro. Por outro lado, são mais indicada para quem sofre de alergias, dado que o látex é um material que protege de fungos, ácaros e bactérias.

Espuma com memória (ou colchões viscolelásticos)

Os colchões de viscoelásticos, mais recentes e avançados tecnologicamente, e garantem ser "altamente confortáveis". Os materiais utilizados nestes colchões adaptam-se totalmente ao corpo, sem deformar o colchão, ou seja, não cria os chamados “buracos”. Geralmente, suportam qualquer peso e altura, sem perderem qualidade e conforto.

7. Faça uma pesquisa de mercado

Se já não se lembra de quando trocou o seu colchão pela última vez, saiba que muito mudou no "universo dos colchões". Existe uma vasta gama de materiais e diferentes soluções de conforto, nomeadamente, colchões com regulador de temperatura ou bases ajustáveis, entre outros exemplos. Faça uma pesquisa na internet, compare e analise as diferentes opções existentes.

8. Relação preço/qualidade

Tenha em conta a relação preço/qualidade quando escolher o seu colchão. Ou seja, deve escolher o melhor colchão possível para a qualidade do seu sono e bem-estar, mas sem comprometer o seu orçamento familiar. Por isso, analise e faça contas!

9. Esteja atento às alergias

Se tem alergias, ao comprar um colchão, verifique se os materiais não contêm algo que piore a situação. Apesar de implicar mais custos, o ideal será procurar um colchão hipoalergénico ou uma capa para o colchão. Contudo, se o seu orçamento não lhe permitir, pode optar por, regularmente, aspirar mais a fundo, sempre reduz o risco.

Leia ainda: Êxodo urbano: a procura de qualidade de vida no interior de Portugal

Escolher um colchão: confirme a garantia

Atenção à garantia. Quanto melhor for o material, mais tempo vai durar o seu colchão. Contudo, os problemas podem ser imprevisíveis. Habitualmente, o período de garantia são cerca de dois anos.

O que acontece se escolher um colchão de má qualidade?

Efetivamente, um mau colchão prejudica a sua saúde. Assim, os principais problemas que podem surgir são:

  • Desde logo, dormir mal;
  • Insónias, dores musculares, dores na coluna e problemas de circulação sanguínea;
  • Irritabilidade ou mau humor, reflexo de uma noite mal dormida;
  • Por fim, fica com um colchão que não é o mais indicado para o seu corpo.

Importância de uma boa manutenção

Não basta escolher um bom colchão, também é muito importante cuidar dele. Caso contrário, rapidamente terá de comprar outro. À semelhança do que sucede com uma casa ou carro, também um colchão necessita de uma boa manutenção para aumentar a sua vida útil. Assim, todos as manhãs, deixe o colchão respirar (por exemplo, abra a janela do quarto e retire a roupa da cama) para reduzir a humidade acumulada. Além disso, vire o colchão sempre que possível, quer na horizontal quer na vertical, para evitar deformações.

Tempo de vida útil

Os especialistas sugerem que deve substituir o colchão a cada oito anos. Ao longo do tempo, os materiais começam a perder propriedades e, consequentemente, o colchão vai perdendo qualidade e ficando cada vez menos confortável. Por isso, se acorda com dores e sente que não descansa bem (sem qualquer outra razão aparente), o problema poderá ser mesmo do colchão. Nesse caso, é melhor trocar o quanto antes. É aconselhado, sempre que possível, substituir também o estrado.

O tempo, o corpo e o colchão

O nosso corpo muda ao longo dos anos, pelo que o colchão mais adequado hoje, pode não servir daqui a algum tempo. Por outro lado, um colchão pode servir para uma pessoa de 20 anos e não ser o mais indicado para quem tem 70. Mas, ainda assim, há colchões que podem ser ajustados ao longo dos tempos, e deste modo, não precisam de ser trocados quando começa a sentir os primeiros sinais de desconforto.

Por fim, não estranhe o primeiro dia em que dormir no colchão novo, é natural que este ainda não esteja totalmente adaptado ao seu corpo. Espere uns dias antes de tirar conclusões sobre a sua compra.

Leia ainda: o que é o Burnout e como prevenir?

Partilhe este artigo
Artigos Relacionados
Ver todos
Tem dúvidas sobre o assunto deste artigo?

No Fórum Finanças Pessoais irá encontrar uma grande comunidade que discute temas ligados à Poupança e Investimentos.
Visite o fórum e coloque a sua questão. A sua pergunta pode ajudar outras pessoas.

Ir para o Fórum Finanças Pessoais

Deixar uma resposta (Podemos demorar algum tempo até aprovar e mostrar o seu comentário)