Crédito

4 dicas para conseguir crédito enquanto trabalhador independente

Lídia Dias Lídia Dias , 8 Maio 2019

Ser trabalhador em regime de freelancer é sinónimo de maior liberdade na gestão do trabalho, mas é, igualmente, sinónimo de maior incerteza salarial. O volume de trabalho (e, consequentemente, o rendimento) é variável e, se há meses em que é possível retirar um salário confortável depois de cumprir as obrigações fiscais, há outros em que isto não acontece. Para além de criar hábitos de poupança que permitam ter um plano alternativo para os meses mais difíceis, os trabalhadores independentes que pretendam pedir um crédito à habitação ou um crédito pessoal devem preparar-se para encontrar maiores entraves do que um trabalhador por conta de outrem.

Neste artigo, partilhamos consigo quatro dicas para facilitar o processo de contratação de um crédito quando se é trabalhador independente.

crédito habitação

Leia ainda: Calculadora Segurança Social Trabalhadores Independentes 2019. A nova ferramenta do Doutor Finanças.

Avalie a taxa de esforço 

Seja trabalhador independente ou não, o banco fará sempre uma avaliação à taxa de esforço do indivíduo (ou casal) que faça o pedido de crédito. Através do cálculo da taxa de esforço, o banco irá avaliar o rendimento disponível depois de subtraídos os encargos familiares (outros empréstimos existentes, custos com luz, água, alimentação, transportes, etc.). Este exercício visa garantir que indivíduo tem a capacidade para, após cumprir todas as suas obrigações a nível de despesas, pagar a mensalidade do crédito. A taxa de esforço ideal deverá situa-se abaixo dos 35%.

Se, no caso de um trabalhador dependente, o banco usa o valor do ordenado para fazer este cálculo, no trabalhador independente isso é impossível, uma vez que o rendimento mensal não é fixo. Assim, antes de fazer um pedido de crédito, aconselha-se que calcule a média mensal através dos rendimentos dos últimos 12 meses e não apenas com base no rendimento do último mês.

Leia ainda: Se vai fazer um crédito habitação, lembre-se da taxa de esforço

Dê garantias 

Longe vão os tempos em que os bancos colocavam poucos (ou nenhuns) entraves à contração de créditos. Na verdade, este exercício de avaliar a capacidade do indivíduo pagar o crédito que pretende contrair é bastante saudável para a economia no geral, evitando que haja sobre-endividamento das famílias.

Se um trabalhador por conta de outrém pode ter relativa facilidade em contrair créditos, é certo que nenhum banco lhe emprestará um valor cujo pagamento resulte numa taxa de esforço mais elevada do que a indicada.

Para um trabalhador independente conseguir ter acesso a um crédito bancário, é importante que apresente algumas garantias. Um histórico financeiro credível, sem dívidas declaradas ao Banco de Portugal, é um excelente ponto de partida para construir uma relação de confiança com o banco.

Se vai pedir um crédito à habitação, tenha em conta que as instituições bancárias, neste momento, não financiam a 100% do valor da avaliação do imóvel. Assim, é importante que tenha um montante de parte que corresponda a, pelo menos 10% do valor do imóvel que pretende adquirir.

Outro aspeto crucial é ter fiador. É bastante mais provável que o banco lhe conceda o empréstimo se apresentar alguém, com um contrato de trabalho, que se responsabilize em cobrir as eventuais falhas de quem pede o empréstimo. Pais e familiares próximos são, geralmente, os habituais fiadores.

Adicione um segundo titular 

Se for trabalhador independente, mas o seu cônjuge tiver um contrato de trabalho, pondere a possibilidade de o colocar como segundo titular do pedido de crédito. Por defeito, os bancos privilegiam pedidos de crédito com dois titulares pois, no caso de um ficar desempregado, o outro garantirá o pagamento da prestação, minimizando o risco de incumprimento. Quando o pedido é feito por um trabalhador independente, o banco valoriza ainda mais a existência de um segundo titular.

Faça várias simulações 

Não desista ao primeiro não, nem se limite a fazer a simulação de crédito no seu banco habitual. Consulte vários bancos, informe-se acerca das taxas e restantes condições, peça para fazer uma simulação e compare os diferentes resultados.

Embora ter uma relação já estabelecida com o banco a que se pede o crédito possa ser vantajoso, existem condições cada vez mais competitivas no mercado, pelo que não deverá descartar a hipótese de contrair o crédito num banco diferente do seu.

Para o seu sucesso enquanto trabalhador independente, é imprescindível saber manter um controlo financeiro ao longo do tempo, independentemente da volatilidade dos rendimentos. Consulte aqui as dicas do Doutor Finanças para trabalhadores independentes.

Ler ainda: Vai fazer um crédito habitação? Saiba as comissões praticadas pelos bancos

Partilhe este artigo
Etiquetas
  • #Crédito habitação,
  • #trabalhadores independentes

Deixar uma resposta