Crédito

Trabalhadores independentes | Cuidado com o orçamento familiar

É trabalhador independente? O seu rendimento mensal varia muito? O Dr. Finanças escreve este

João Raposo João Raposo , 11 Maio 2015
É trabalhador independente? O seu rendimento mensal varia muito? O Dr. Finanças escreve este artigo a pensar em todas as pessoas que se confrontam com os desafios de gerir o seu orçamento familiar sem saber quanto dinheiro terão para gerir no final do mês.

Quais as preocupações financeiras dos trabalhadores independentes?

Depois de realizarmos um conjunto extenso de ações de sensibilização junto das principais agências da REMAX em Portugal, tivemos o privilégio e o desafio de aprofundar este tema. Falamos de uma população que se confronta com uma incerteza absoluta quanto aos seus rendimentos – estão completamente relacionados com as vendas/arrendamento de imóveis.Neste contexto, destacamos algumas preocupações:
  • Como posso gerir o meu orçamento familiar se não sei quanto vou ganhar?
  • Como posso poupar dinheiro e como o gerir?
  • Como posso garantir o pagamento dos meus impostos e evitar penhoras e outras chatices?
  • Será que vale a pena mudar de regime fiscal - escrevemos recentemente um artigo sobre como saber se vale a pena abrir uma empresa onde pode conhecer as vantagens de abrir uma empresa.
Trabalhadores independentes | Cuidado com o orçamento familiar

O orçamento familiar é a resposta

A gestão do orçamento familiar é um desafio enorme para todas as famílias. A chave do sucesso consiste numa boa organização das suas finanças pessoais e numa abordagem de prudência quanto ao futuro.A organização das nossas finanças pessoais só é possível com a construção do orçamento familiar (conheça aqui 3 passos para equilibrar o seu orçamento). Se quer controlar o seu dinheiro (e não ser controlado pelo dinheiro) deverá saber onde gasta cada euro. Se fizer o orçamento familiar irá garantir que:
  1. Não gasta dinheiro desnecessariamente;
  2. Não lhe cobram comissões e outros encargos indevidamente;
  3. Conseguirá controlar e negociar todos os seus contratos de forma mais assertiva;
  4. Gasta de acordo com os seus objetivos;
  5. Paga todos os seus impostos a tempo e horas;
  6. Conseguirá poupar.

Cuidado com os impostos

Se é um trabalhador independente possivelmente já se terá deparado com alguma dificuldade no momento de suportar os encargos fiscais. Se não se precaveu, quando chega a altura de pagar ao Estado poderá vir a ter alguns calafrios e maus momentos. Se quer conseguir pagar os seus impostos sem percalços tenha em atenção as nossas dicas:Retenção na fonte - Mesmo que esteja a prever faturar abaixo de €10.000 por ano por que não pensar na possibilidade de fazer a retenção de IRS na fonte? É certo que irá viver um pouco menos desafogado (ou mesmo mais apertado) mas o que está a fazer é uma poupança forçada. Na prior das hipóteses irá ter a devolução do imposto em Maio/Junho do ano seguinte e com esse dinheiro poderá ter um novo desafogo. Na melhor das hipóteses, imaginando que fatura mais do que o previsto, está a garantir que paga os seus impostos.Segurança Social - Qualquer trabalhador independente tem de fazer os seus descontos para a Segurança Social. Não se esqueça que tem de acautelar um valor todos os meses para pagar ao Estado... a tempo e horas. As multas por atrasos, mesmo que apenas por um dia, são muito penalizadoras para qualquer orçamento. Um dos desafios dos trabalhadores independentes é terem de pagar Segurança Social mesmo quando não faturam (este constrangimento pode ser contornado tendo a sua própria empresa).

Nunca se esqueça de poupar

A poupança deve constar em todo o orçamento, especialmente no orçamento de todas as pessoas que não têm como prever as receitas do mês seguinte. Uma postura de prudência irá garantir que acumula dinheiro para usar no futuro. E atenção que utilizar no futuro passa por gasta-lo naquilo que considera como prioritário.
  • Imprevistos – por exemplo num mês em que perdeu uma venda que estava garantida;
  • Pagamento de impostos
  • Emergências – por exemplo reparar o automóvel, despesa médica urgente ou outro;
  • Pequenos prazeres ou presentes – por exemplo uma viagem ou um fim-de-semana, presente melhor para o marido/mulher, entre outros e desde que não comprometendo a sua segurança financeira
6848822477_7559e8c3a1_o+1

Trabalhadores independentes têm de ter um fundo de emergência

Quando falamos da poupança e especialmente se estivermos a falar de trabalhadores com uma preponderância do rendimento variável no total do rendimento, é fundamental criar um fundo de emergência. Enquanto não tiver constituído este fundo de emergência irá estar numa situação financeira de... emergência. Estará premiável a todos os acontecimentos e despesas imprevistas e facilmente entrará numa situação de descontrolo financeiro.Quer falemos de construir o seu fundo de emergência ou reforçar a sua poupança queremos sugeriras seguintes dicas para garantir que consegue poupar todos os meses:
  • Considere a poupança como uma despesa fixa no seu orçamento familiar;
  • Poupe logo que recebe o seu rendimento;
  • Destine uma parte significativa das suas comissões à poupança para o mês seguinte;
  • Torne o esforço de poupança automático – programe uma transferência bancária automática para uma conta independente classificando-a como um pagamento de um crédito.
Se seguir estas dicas irá ver que dentro de uns meses nem se lembra que está a poupar. Tornar o processo automático garante que se esquece que o dinheiro chega a entrar na sua conta ao mesmo tempo que o destina a uma conta que remunera juros.

Mantenha uma postura permanente de corte de custos

Referimos acima a importância da construção do seu orçamento familiar. Na prática, o orçamento familiar irá permitir identificar onde gasta o seu dinheiro o que facilitará a manutenção de uma postura de permanente corte de custos e aproveitamento de oportunidades.Contrariamente ao que muitos pensam é possível cortar custos sem estar a “apertar o cinto”. Por exemplo:
  • Negociar o seu contrato de telecomunicações reduzindo o preço e tornar o pacote mais adequado às suas necessidades e à utilização que faz (por exemplo, fará sentido ter canais pagos à parte ou não incorporar o telemóvel da família no pacote e beneficiar de descontos?);
  • Negociar os seus contratos de crédito e acabar com dívidas que pareciam difíceis de eliminar
  • Encontrar fornecedores de serviços utilitários (eletricidade e gás) mais baratos ou com promoções em vigor.

O Dr. Finanças pode ajudá-lo!

Se gostaria de ver a sua situação analisada em maior detalhe, se está cansado de pagar demasiado pelos seus créditos e se quer ter um maior conforto financeiro poderá ser vantajoso marcar o seu diagnóstico financeiro com o Dr. Finanças. Pode ver como a Família Costa poupou mensalmente mais de €900 nas suas prestações financeiras sem grande esforço.

Nota final

Não queremos deixar de agradecer ao Nuno Gomes e à Ana Maria Baptista pela confiança demonstrada no Dr. Finanças. Foi um privilégio estar com os colaboradores da Remax PRESTIGE e Remax CONVICTUS nas ações de sensibilização.
Partilhe este artigo
Etiquetas
  • #como gerir finanças pessoais,
  • #como poupar dinheiro,
  • #empresário em nome individual,
  • #orçamento familiar,
  • #orçamento mensal,
  • #trabalhadores independentes

Deixar uma resposta