Crédito

O que é o Microcrédito e como funciona

O microcrédito tem funcionado como uma ferramenta para pequenos empreendedores lançaram o seu negócio. Saiba neste artigo como funciona e quem o pode utilizar.

Rui Aspas Rui Aspas , 16 Setembro 2019

O microcrédito tem funcionado como uma ferramenta para pequenos empreendedores lançaram o seu negócio. Neste artigo, saiba o que é o microcrédito, como funciona e como pode ter acesso.

O que é o microcrédito? 

O microcrédito é considerado um apoio financeiro a nível mundial, que tem como objectivo promover a criação de micro ou pequenos negócio, podendo ser utilizado para outros obejtivos e noutros contextos.

É utilizada a expressão "micro" pois consiste em pequenos empréstimos de valor reduzido, para pessoas que não conseguem obter crédito no sistema bancário tradicional.

Geralmente as pessoas ilegíveis para microcrédito não conseguem apresentar perante a entidade bancária garantias reais, pelo que se encontram excluídas do sistema bancário tradicional. Esta é assim uma solução para obter capital para montar o seu negócio ou o seu próprio emprego.

Enquadramento histórico do microcrédito

Até à década de 1970, esta modalidade de crédito não existia. Apenas em 1976 e pela mão do professor universitário Muhammad Yunus é que este conceito e a sua prática ganharam terreno a nível mundial, após uma primeira experiência bem sucedida no Bangladesh, considerado um dos países mais pobres do mundo.

Acreditando na premissa de que todos merecem ter as mesmas oportunidades e que qualquer pessoa é dotada de um espírito empreendedor, o professor Muhammad Yunus emprestou do seu dinheiro a quantia de 27 dólares para que a libertação de 42 famílias das mãos de agiotas, que cobravam 10% de juros por dia e que mantinham um monopólio de ficar com a produção dos clientes.

Esta ajuda foi multiplicada pelas várias aldeias então existentes, chegando ao ponto em foi criado um banco de raiz, totalmente vocacionado para clientes pobres ou com fracos recursos económicos.

Assim em 1983 nasceu o Grameen Bank (o banco da aldeia), que conta atualmente com cerca de sete milhões de clientes que pagando a dívida conseguem ter rentabilidade nos pequenos negócios que criaram.  

Em Portugal, o microcrédito surgiu no ano de 1998 pela mão da Associação Nacional de Direito ao Crédito (ANDC), como instrumento de inclusão social, funcionado também como um apoio na criação do próprio emprego.

A ANDC é uma instituição privada sem fins lucrativos e com o estatuto de utilidade pública. Proporciona entre outros serviços um sistema de acompanhamento a quem requere um microcrédito. 

Os projetos integrantes e candidatos a esta forma de financiamento são acompanhados pelos técnicos da associação.

Estes técnicos encontram-se por todo o país, fazendo todo o processo. Acompanham-no desde a altura em que o empréstimo é solicitado até ao término de pagamento da última prestação.

Depois de uma análise de viabilidade ser feita a cada um dos projetos é realizada uma triagem inicial de forma a que a comprovar e verificar a situação bancária do promotor, onde são analisados também informações como o contexto familiar  e história de vida . Sendo aprovado após a passagem por todas estas fases, o projeto segue para os bancos.  

Em Portugal existem alguns bancos que fornecem este instrumento de microcrédito. 

Existe ainda um programa denominado SOU MAIS da responsabilidade da CASES (Cooperativa António Sérgio para a Economia Social), que presta um apoio à realização dos projectos , possuindo como teto máximo de investimentos , a quantia de 20 mil euros.  

No caso do microcrédito ser feito através dos bancos, saiba que a entidade assume cerca de 75% do crédito solicitado, ficando da parte do promotor do projecto estabelecido o compromisso de apresentar um fiador para 20%, ficando os restantes 5% a cargo da associação (cujo financiamento é suportado pelo IEFP).  

Quem pode ter um microcrédito

Para se poder candidatar ao microcrédito, tem de reunir cumulativamente as seguintes condições:  

  • Estar na situação de desemprego ou sem emprego estável;
  • Não possuir cadastro bancário, pois impossibilita o acesso ao microcrédito (dívidas ou prestações em atraso que estejam registadas no Banco de Portugal);
  • Não conseguir ter acesso ao crédito pelas vias tradicionais pela falta de apresentação de garantias reais;
  • Ter uma ideia de negócio com perspectivas de sucesso;
  • Querer criar o seu próprio emprego;
  • Ter o espírito de flexibilidade necessário para se adaptar às constantes transformações de que o projecto em causa possa ser alvo (condições do mercado).

De acordo com informação no site da ANDC, todos os tipos de negócio são praticamente admissíveis. O montante máximo de investimento que pode solicitar à associação é de 12.500 euros.

Crie o seu plano de comunicação e veja se o microcrédito o pode ajudar no seu novo negócio.

Partilhe este artigo

Deixar uma resposta