O Antero Cabral é conhecido pela dedicação e empenho no seu trabalho e para com os outros. Apesar de parecer sempre muito concentrado e atarefado, na sua hora de almoço, nunca recusa um jogo nos matraquilhos da empresa com os seus colegas. Conheça o Antero, o que ele mais valoriza e como é trabalhar no Doutor Finanças.

Trabalhar no Doutor Finanças é um privilégio e um orgulho enorme. É sem dúvida um projecto de vida, não só pela valorização das pessoas, mas também pela integração num ambiente muito familiar, onde existe uma constante partilha de conhecimentos e experiências, que nos completa e faz crescer dias após dia.

Como se descreve? 

Sou uma pessoa que valoriza muito a família, sou muito próximo dos meus amigos e levo o meu trabalho com a maior dedicação. Estou sempre disposto a ajudar o próximo e considero-me uma pessoa ambiciosa. Gosto de confraternizar, sair da rotina e abraçar novos desafios. Adoro passar o meu fim de semana a ver filmes, séries, futebol e não abro mão de um bom jantar com as pessoas que me são mais próximas.  

O que faz ou qual é o seu trabalho na equipa do Doutor Finanças?  

Sou Team Leader das equipas de Análise e Negociação, no Departamento de Crédito Habitação. São inerentes desta função as tarefas de gestão, coordenação e acompanhamento diário de todas as tarefas, tendo em vista um aumento progressivo das performances individuais e globais. Nesse contexto, também é da minha competência a monitorização dos aspectos quantitativos e qualitativos de ambas as equipas para posterior comunicação junto da direcção.

Qual é a melhor parte do seu trabalho?  

Felizmente posso dizer que faço o que gosto, independentemente das tarefas desempenhadas durante um dia normal de trabalho. Não seria de esperar outra coisa por quem é um apaixonado pelo seu emprego!   

Como é trabalhar no Doutor Finanças?  

Trabalhar no Doutor Finanças é um privilégio e um orgulho enorme. É sem dúvida um projecto de vida, não só pela valorização das pessoas, mas também pela integração num ambiente muito familiar onde existe uma constante partilha de conhecimentos e experiências que nos completa e faz crescer dias após dia.

Põe em prática os ensinamentos do Doutor Finanças na sua própria vida financeira? Qual prática financeira da qual não abdica na sua vida pessoal?  

Claro que sim! Para garantir a saúde das minhas finanças, não prescindo de alguns bons hábitos como o de colocar 1/3 do meu vencimento numa conta poupança. Para que esta prática tenha sucesso, é imprescindível que se assuma esta poupança como um pagamento a nós próprios, ou seja, que este valor não tenha um retorno para a conta à ordem.   

Qual é o seu pior defeito a gerir dinheiro e que gostaria de melhorar?  

Sou muito controlado no que às minhas finanças diz respeito, contudo tenho perfeita noção de que poderia ser menos rigoroso na poupança e atribuir um “plafond” mais generoso para pequenas despesas consideradas supérfluas, mas que também têm um papel fundamental para o escape das nossas rotinas.

Partilhe a sua melhor dica de poupança com os leitores do Doutor Finanças. 

É difícil escolher a melhor dica de poupança. Com referi anteriormente, tenho como hábito “alimentar” mensalmente a minha conta a prazo com 1/3 do meu vencimento, contudo esta fatia de rendimento disponível inevitavelmente tem de surgir de outras dicas de poupança como por exemplo:  

Evitar ao máximo as refeições fora de casa; evitar compras com recurso a cartão (retira-nos a percepção do dinheiro gasto com a transacção); anotar todos os encargos mensais num software como o Boonzi de forma a percepcionarmos como estamos a canalizar o nosso dinheiro e onde podemos poupar.

 

Se gostou desta entrevista, poderá ver a entrevista anterior com o nosso Director de Marketing Ricardo Santos.