Finanças pessoais

15 termos sobre poupança e finanças pessoais que deve conhecer

Gostaria de poupar, mas não sabe por onde começar? Conheça estes 15 termos para estar a par da sua poupança e gerir as suas finanças pessoais.

Catarina Reis Catarina Reis , 11 Junho 2019

Gostaria de poupar, mas não sabe por onde começar? Conheça estes 15 termos para estar a par das suas finanças pessoais!

Começar a gerir as suas finanças pessoais é a melhor forma de ter uma vida financeira saudável. Iniciar uma poupança com sucesso, independentemente das circunstâncias que o levam a tomar essa decisão, requer que conheça alguns conceitos básicos. E, claro, a poupança deve sempre partir da definição dos seus objetivos!

Poupar: os inimigos da motivação

Como em muitas outras situações da nossa vida, para conseguir poupar dinheiro não basta ter muita vontade.

Na verdade, trata-se de uma das resoluções mais difíceis de cumprir, pelo menos a longo prazo. Colocar de parte algum dinheiro sempre que se recebe novos rendimentos é a parte mais fácil, mas logo a seguir vem a parte árdua: manter a poupança, evitando cair na tentação de gastar.

A arte de poupar requer estar familiarizado com alguma terminologia

Do ABC da poupança para iniciantes constam muitos termos, uns mais técnicos do que outros, que deverão fazer parte do seu léxico financeiro, caso resolva abraçar pela primeira vez a arte da poupança.

Confira se já está familiarizado com os termos que se seguem. Se não for o caso, procure interiorizá-los, um a um. Assim que a sua resposta for afirmativa, então, sim, podemos considerar que está pronto a aplicar o ABC da poupança na sua vida. O seu futuro irá agradecer!

Amortização

Efetuar uma amortização equivale a pagar-se um montante parcial de uma dívida, proveniente de um crédito ou de um empréstimo, de modo a reduzi-la, até a eliminar. O processo de amortização envolve normalmente o pagamento de juros, por isso, para podermos poupar neste processo devemos tentar ao máximo pagar a dívida o mais rapidamente possível, se a taxa de juro do crédito for alta e seja favorável o pagamento antecipado.

Balanço financeiro

O balanço financeiro é o estado em que se encontram as finanças de uma pessoa ou de uma empresa. Por outras palavras, é o resultado do equilíbrio entre as despesas e os rendimentos. Para podermos ter a oportunidade de poupar, o balanço financeiro deverá apresentar um saldo positivo, ou seja, com mais rendimentos do que despesas.

Cartão bancário

Um cartão bancário de crédito ou de débito permite efetuar pagamentos de forma eletrónica num estabelecimento comercial, em vez de usar dinheiro na forma física. Permite ainda levantar quantias de dinheiro através de uma caixa de multibanco.

O cartão de crédito, em concreto, permite efetuar pagamentos utilizando um empréstimo, ou seja, permite usufruir de determinada quantia monetária mesmo que não disponha da mesma, mediante crédito por parte do banco. Usar o cartão de crédito de forma responsável e estar atento a todos os seus movimentos pode trazer-lhe muitos benefícios, pois poderá dar acesso a promoções, descontos vários em produtos de lazer, material informático ou até serviços de saúde.

Conta poupança

Ter uma ou mais contas no banco pode reverter em poupança, desde que o seu uso seja inteligente. A demonstrá-lo está a variada oferta que de um modo geral os bancos têm para oferecer aos seus clientes a nível de contas poupança. As contas poupança podem ser de dois tipos: à ordem e a prazo.

Numa conta à ordem, o cliente pode efetuar movimentos do dinheiro de que dispõe na sua conta sem qualquer restrição ou penalização. Já numa conta a prazo, o cliente sofrerá penalizações no caso de retirar dinheiro, o que faz com que não se tenha a tentação de querer levantar dinheiro dessa conta.

Informe-se no seu banco sobre que produtos financeiros tem à disposição, e decida que tipo de conta poupança pretende abrir. É importante também ter em conta que uma conta poupança a prazo oferece por norma melhores condições para fazer o dinheiro render.

Atualmente, muitos bancos oferecem a possibilidade de se poder abrir uma conta 100% digital, na qual todos os processos são feitos online. Devido à simplicidade de recursos, muitas destas contas bancárias não estão sujeitas e comissões e despesas de manutenção. Não gastar em comissões é outro passo importante para poder poupar. Mesmo que pareçam por vezes valores insignificantes, ao final do ano tudo somado fará alguma diferença.

Conta corrente

Para realizar uma poupança eficaz, é importante não só ter uma conta poupança, mas também uma conta corrente. Desta forma separa-se de uma forma clara o dinheiro destinado a despesas do dia a dia do dinheiro destinado à poupança, fator fundamental para manter as suas contas organizadas.

Contratos

A maioria das nossas despesas estão dispostas em contrato - como é o caso da renda da casa, da luz, da água, etc. É no contrato que se encontram os termos da relação jurídica existente entre o cliente e os serviços que subscreveu.

Ler os contratos quando se assina é importante, mas é tão ou mais importante analisar os valores das despesas que vamos tendo ao longo do ano. Além disso, estar em posse de contratos pode ser útil para nos precavermos contra eventuais problemas que possam surgir.

Aderir a contratos de forma pouco informada pode ter um custo elevado, sobretudo se se for negligente em relação a prazos de pagamento. Na verdade, qualquer surpresa relacionada com contratos assinados traduz-se, geralmente, em despesas desnecessárias, ou, no mínimo, com as quais não estávamos a contar. Leia com atenção antes de assinar e mantenha os contratos na sua posse: se necessário, renegoceie!

Fundo de emergência

O fundo de emergência não é mais do que uma quantia de poupança destinada a uma despesa inesperada. Situações como acidentes, que são impossíveis de prever, podem sempre acontecer e ter um fundo de emergência pode fazer a diferença entre conseguir pagar as despesas decorrentes ou ter que, por exemplo, contrair créditos para o fazer.

Investimento

Investimento é o dinheiro que aplicamos com o intuito de, a partir de uma quantia, obter ainda mais dinheiro. Por exemplo, podemos considerar as ações da bolsa de valores como um investimento. Mas não só: pode ser considerado investimento pagar um curso de formação que nos irá proporcionar mais rendimentos a partir de novas oportunidades de emprego. Investimento e poupança caminham lado a lado. Um investimento é uma alavanca para a poupança e o destino de muitas poupanças poderá ser realizar investimentos.

Lista de compras

A lista de compras é a enumeração feita previamente de todos os itens que pretendemos adquirir sempre que nos deslocamos a um estabelecimento comercial, ou supermercado, com o objetivo de comprar produtos. É importante porque permite uma maior organização no ato da compra - não só poupamos dinheiro ao nos restringirmos apenas à lista de artigos necessários, como também poupamos no tempo dispendido.

Objetivos (de poupança)

Definir um objetivo para uma poupança é o primeiro passo fundamental a tomar. Além de dar forma, propósito e conteúdo ao esforço que envolve o ato de poupar, permite manter-nos mais focados e comprometidos.

Orçamento familiar

A estabilidade financeira da família depende da gestão do orçamento familiar. Por orçamento familiar entende-se uma estimativa dos valores de rendimentos e de despesas do seu agregado familiar durante um período de tempo específico.

A não ser que viva sozinho, o orçamento familiar é algo que deve ser planeado de forma a conseguir ter as finanças do seu seio familiar controladas e prontas para enfrentar qualquer adversidade que possa surgir.

Planear o orçamento familiar é determinar o saldo entre rendimentos e despesas.

Com um orçamento familiar bem gerido, poderá estar em jogo não só o controlo das despesas correntes mas sobretudo um futuro mais risonho, como uma melhor perspetiva de reforma, a educação que sonha conceder aos filhos, a compra de um automóvel, de uma casa, entre outros. Como é natural, faz parte da criação do orçamento familiar a definição das poupanças a realizar; porque não envolver os seus filhos nas discussões sobre gestão financeira? Desta forma estará a educá-los para a poupança!

Poupar primeiro

Não espere pelo fim do mês para separar o dinheiro para a poupança. Dessa forma, arrisca-se a ficar sem nenhum, ou, na melhor das hipóteses, com menos do que o desejado.

Contemple seriamente as suas despesas e verifique quais são desnecessárias. Não poupe o que sobrar dos seus gastos! Por outras palavras: se separar o dinheiro para a conta poupança no início do mês, assim que recebe o salário, a poupança sai a ganhar.

Se tiver receio de não ter dinheiro suficiente para pagar as suas contas básicas (renda da casa, eletricidade, água, etc.), isso é sinal de que está na altura de planear. Se souber que quantia deve separar para a poupança de modo a não lhe ficar a faltar dinheiro para essas despesas, não haverá problema. Ou então, se houver uma emergência, poderá sempre recorrer excepcionalmente à poupança.

E se não tiver um salário fixo? Se os seus rendimentos forem imprevisíveis, como por exemplo no caso de ser trabalhador independente por conta própria, uma boa ideia poderá ser aplicar uma percentagem. Defina uma percentagem (por exemplo 20%) a retirar por cada vez que obtenha um novo rendimento, seja qual for o valor em causa.

Renegociar

Pegue num papel e numa caneta e escreva todas as despesas mensais que tem ao seu encargo. Isto é algo que deverá fazer periodicamente, por exemplo, trimestralmente.

Isto porque as contas necessitam que olhemos por elas! No mundo em que vivemos raramente as despesas fixas são completamente estanques e não estar atento significa por norma pagar mais quando se podia pagar menos.

Pense por exemplo na conta dos operadores de internet, telemóvel ou serviços de televisão, que estão constantemente a lançar novos serviços, com condições renovadas. Isto também se aplica a todas as outras despesas - esteja atento aos fornecedores de eletricidade da concorrência, poderá encontrar soluções mais vantajosas a qualquer momento, que lhe permitirão pagar menos pelo mesmo serviço de sempre.

O mesmo se aplica às taxas do cartão de crédito, que devemos tentar negociar especialmente se formos clientes fiéis desde há um tempo considerável. Esteja atento às ofertas que surgem por parte dos bancos. Poderá estar na altura de renegociar, ou mesmo mudar de credor.

Se já está a pagar o mesmo valor de renda da casa há muito tempo, tente baixar o valor da mesma, apelando à boa vontade do senhorio, ou então averiguar a possibilidade de transferir o seu crédito habitação para baixar o spread ou rever as condições dos seus seguros, se tiver casa própria.

Leia mais: tudo o que precisa saber sobre a transferência do crédito habitação

Taxa de juro

A taxa de juro é um custo extra associado ao uso de um serviço prestado por uma instituição bancária, como no caso de recurso a créditos. Normalmente o seu valor consiste numa percentagem sobre o valor total do crédito. Quando não temos dinheiro para adquirir um determinado bem ou serviço podemos pedir emprestado a uma entidade credora. Em troca pelo empréstimo, teremos que pagar a taxa de juro. Ou seja, no total acabamos por ter que pagar mais do que o valor da compra.

Rendimentos passivos

Uma forma inteligente de poupar é investindo num tipo específico de rendimentos. Já ouviu falar dos rendimentos passivos?

Gerar rendimentos passivos a partir dos rendimentos ativos é mais fácil do que parece, muitas vezes. Na prática, significa ver as nossas poupanças crescerem sem que tenhamos que mexer um dedo. É como plantar uma árvore e depois ficar a vê-la crescer.

Um bom exemplo de um rendimento passivo são os juros. Ter dinheiro parado numa conta poupança num banco normalmente traz esse benefício - os juros são um valor percentual que incide sobre a quantia total, que faz a conta crescer lentamente. Os direitos de autor que se geram quando se edita comercialmente uma obra, como um disco, ou um livro, são também considerados rendimentos passivos.

Estes são alguns conselhos ligados ao universo da poupança que deve conhecer e aplicá-los na sua vida. Comece a poupar para ter uma vida financeira mais saudável!

Partilhe este artigo
Etiquetas
  • #finanças pessoais,
  • #fundo de emergência

Deixar uma resposta

3 comentários em “15 termos sobre poupança e finanças pessoais que deve conhecer