Finanças pessoais

4 formas de automatização para simplificar a gestão do seu dinheiro

Gostava de poupar ou até aumentar o seu rendimento sem se preocupar? Descubra como as automatizações podem mudar a sua vida financeira.

Finanças pessoais

4 formas de automatização para simplificar a gestão do seu dinheiro

Gostava de poupar ou até aumentar o seu rendimento sem se preocupar? Descubra como as automatizações podem mudar a sua vida financeira.

Com o devido planeamento, é possível automatizar decisões na gestão do seu orçamento que lhe permitem poupar tempo e dinheiro. A automatização é um processo de execução de tarefas com repetição que pode ser aplicado nas mais variadas áreas, nomeadamente na gestão financeira. Neste artigo, reunimos quatro exemplos de automatizações financeiras que podem simplificar a sua vida.

1. Transferências programadas para PPR

Um PPR é um Plano de Poupança Reforma, um produto financeiro que se destaca não só pelas vantagens a longo prazo, como pela possibilidade de dedução no IRS. A declaração dos reforços do PPR dá direito a um benefício fiscal de até 20% do valor desses mesmos reforços, contudo, esta vantagem está dependente do rendimento, das deduções à coleta e, principalmente, da idade do subscritor.

Leia também: PPR e os benefícios fiscais

Se já tem um PPR ou pretende iniciar um, pode optar por transferências programadas para o produto com o objetivo de alcançar o benefício máximo no IRS. Para que o montante vá acumulando de forma progressiva, e sem fazer muito impacto nas suas despesas regulares, recomenda-se que estipule um valor mensal para a automatização. Assim, deve orçamentar esta transferência como uma despesa mensal fixa, considerando o seu orçamento geral para definir qual o valor adequado para pôr de parte, dando depois ordem ao seu banco para efetuar a ação.

Uma sugestão para a definição do montante da transferência para PPR é a de igualar a retenção na fonte que já faz habitualmente. Deste modo, com base no valor que desconta para a Segurança Social, pode igualar essa quantia num produto financeiro escolhido por si. No entanto, lembre-se de que o PPR tem condições muito específicas para o resgate do dinheiro, pelo que o valor que pretende transferir mensalmente deve ser um valor que não preveja ser necessário para as suas despesas essenciais.

Exemplos de automatização para PPR

Seguem-se alguns exemplos de automatização de reforço do PPR, adequados a diferentes faixas etárias:

  • Se tem 27 anos

Encontra-se na faixa etária até aos 34 anos pelo que pode deduzir até 400 euros, desde que reforce o PPR com dois mil euros no ano. Para obter o benefício máximo de dedução no IRS deve transferir mensalmente cerca de 167 euros.

  • Se tem 42 anos

Encontra-se na faixa etária entre os 35 e os 50 anos pelo que pode deduzir até 350 euros, desde que reforce o PPR com 1750 euros nesse ano. Para obter o benefício máximo de dedução no IRS deve transferir mensalmente cerca de 146 euros.

  • Se tem 55 anos

Encontra-se na faixa etária a partir 50 anos pelo que pode deduzir até 300 euros, desde que reforce o PPR com 150 euros. Para obter o benefício máximo de dedução no IRS deve transferir mensalmente 125 euros.

Note que pode reforçar o PPR para além dos valores de referência, embora não receba desconto para além da dedução máxima. E se não for possível reforçar a totalidade do valor de referência, pode obter benefício fiscal proporcional à quantia do reforço.

2. Pague-se primeiro

A estratégia de poupança conhecida como “pague-se primeiro”, nada mais é que a mobilização de uma parte do seu salário diretamente para a poupança assim que ele chega à sua conta. Este tipo de poupança possibilita acumular dinheiro de forma regular e garantida, uma vez que não se espera pelo fim do mês para saber o que sobra do ordenado.

Com este método de poupança automática tem mais controlo mesmo sem se preocupar. Pode definir um valor fixo por mês e fazer uma automatização de transferência para a poupança ou pode optar por colocar de parte uma percentagem do seu salário.

Pode ainda experimentar o desafio de poupança das 52 semanas. Este desafio consiste na poupança de um valor fixo por semana ao longo de um ano inteiro. Na primeira semana deve separar um euro, na segunda semana dois euros e assim sucessivamente. Como a poupança vai ficando progressivamente mais alta e pode ser difícil cumprir, existe a variante de sorteio. Nesta variante, o desafio é completado sorteando um valor entre um e 52 euros para cada semana, não se repetindo nenhum dos valores depois de sorteado.

Veja alguns exemplos de automatização de poupança assentes nesta estratégia:

  • Poupar 10% de 1250 euros = 125 euros de poupança garantida por mês e traduz-se em 1500 euros num ano;
  • Definir um valor mensal fixo de 200 euros equivale a 2400 euros num ano;
  • Por de parte um valor sorteado por semana com o desafio das 52 semanas representa um total de 1378 euros em poupança no final do ano.

Leia também: Quanto paga a si próprio todos os meses?

3. Automatização de investimentos

Algumas pessoas acreditam que devem esperar pelo momento certo para investir. Contudo, é muito difícil prever os movimentos da bolsa com exatidão, principalmente para quem dá os primeiros passos nesse mundo. Mesmo que não negoceie ações ou produtos financeiros mais voláteis, é provável que os seus produtos, como fundos e obrigações, sejam afetados pelas flutuações do mercado financeiro, taxas de câmbio, entre outras variações.

Para aumentar a probabilidade de fazer um bom investimento, os especialistas sugerem a automatização de investimentos com base na estratégia cost averaging. Esta estratégia de custo médio consiste na compra regular de unidades de participação (UP). Assim, mesmo que num mês compre UPs com um valor alto, nos meses seguintes tem a oportunidade de recuperar e atingir uma média favorável. Esta estratégia pode ser muito útil para iniciantes nos investimentos porque dilui as consequências e simplifica a gestão da carteira.

Atenção, todos os investimentos devem ser cuidadosamente escolhidos. Deve informar-se junto do seu banco acerca das opções de automatização para cada um dos produtos financeiros.

Leia também: Como investir: os primeiros passos para a liberdade financeira

4. Débito direto para pagamento de contas

Parece muito simples, e de facto é. O débito direto deve ser utilizado para pagamento de contas como a água, a luz, o gás e as telecomunicações já que, desta forma, evita deixar passar os prazos e pagar mais por isso. A automatização também pode ser uma solução junto das seguradoras e em subscrições de serviços de entretenimento.

Existem até empresas que dão um pequeno desconto a quem opta por este método de pagamento, pelo que pode compensar alterar a forma como paga as suas contas. Pode ainda, a qualquer momento, controlar os débitos diretos que tem através do Multibanco, consultando cada uma das empresas com autorização, desativando débitos, entre outras ações.

Leia também: Tem dificuldade em cumprir prazos? 8 dicas que o podem ajudar

Partilhe este artigo
Artigos Relacionados
Ver todos
Tem dúvidas sobre o assunto deste artigo?

No Fórum Finanças Pessoais irá encontrar uma grande comunidade que discute temas ligados à Poupança e Investimentos.
Visite o fórum e coloque a sua questão. A sua pergunta pode ajudar outras pessoas.

Ir para o Fórum Finanças Pessoais

Deixar uma resposta (Podemos demorar algum tempo até aprovar e mostrar o seu comentário)