A seguir ao fenómeno dinamarquês Hygge, eis que surge agora o sueco Lagom, também ele um estilo de vida apoiado na sustentabilidade, no equilíbrio e na simplicidade. Descubra neste artigo alguns dos hábitos suecos que constam no livro Lagom – O segredo sueco para viver bem – que o podem ajudar a viver uma vida financeiramente (e não só) mais equilibrada.

A palavra Lagom, tal como Hygge, não é de fácil tradução, mas em português lê-se “laa-gom” e aceita-se que significa algo como “meio termo”, “equilíbrio” e “tudo com moderação”, o que é bastante adequado tendo em conta os seus princípios e ensinamentos.

Segundo a autora do livro, Lola Akinmade Åkerström, Lagom significa “procurar o derradeiro equilíbrio da vida que, quando aplicado a todos os aspectos da nossa existência, pode ajudar-nos a funcionar no nosso estado mais natural e sem esforço”.

Vejamos então alguns princípios e práticas do Lagom que nos podem ajudar a viver melhor e a poupar mais dinheiro.

Adote o Fika

Fika é um ritual que não pode experienciar sozinho à secretária; é para ser vivido e partilhado com outras pessoas onde quer que esteja. No trabalho, por exemplo, os suecos costumam fazer cerca de três fikas por dia, ou seja, três pausas (fikapaus) ou intervalos (fikarast).
O objetivo destas pausas não é simplesmente reabastecer o corpo com comida e bebida – embora a Suécia seja um dos maiores consumidores de café do mundo -, mas sim centrarmo-nos em nós e evitar que sejamos completamente consumidos pelo trabalho e pelo ritmo agitado do dia-a-dia.
Na sociedade sueca o ato de fazer uma fika é um ritual importantíssimo e um que poderíamos bem adotar para sermos mais produtivos e menos stressados.

Na cozinha, menos é mais

A cozinha nórdica, em geral, defende o uso de ingredientes o mais frescos possível e, acima de tudo, sazonais. Não estamos a sugerir seguir receitas nórdicas, mas sim adotar estas pequenas regras da simplicidade e da sazonalidade. A preocupação com a origem e a sustentabilidade daquilo que comemos também está presente no Manifesto da Nova Cozinha Nórdica e não é nada que também não possamos – e devamos – adotar.
Aqui, o objetivo não é que gaste mais dinheiro em comida, mas sim que simplifique aquilo que come, preferindo comida fresca e de época a comida processada e ultra-congelada. De facto, em termos de poupança, a comida ultra-congelada pode parecer uma alternativa rápida e barata, mas é um engano, pois muitas vezes traz muito pouca quantidade mesmo pelo preço baixo que possa ter. Para além disso, é uma opção bem menos saudável.

Comprar apenas uma vez

Os suecos são muito defensores do princípio da qualidade acima da quantidade. A frugalidade dos suecos assenta sobre este pressuposto, pois a longo prazo acaba por fazer sentido. Apesar de apostarem em peças de vestuário (por exemplo) mais caras, estas – por outro lado – acabam por durar muitos e longos anos, pelo que só as compra uma vez e não várias vezes a mesma peça, o que acontece quando são de qualidade inferior.
Isto faz com que a Suécia seja um país caro para fazer compras, mas por outro lado, a qualidade geral dos produtos é elevadíssima.

“Não desperdices e não sentirás falta”

O desperdício é contra os princípios do Lagom e da prudência sueca. De facto, a redução do desperdício está tão enraizada na cultura sueca que chegou a existir, na época do pós-guerra, uma banda desenhada intitulada Spara och slösa (poupança e desperdício), que tinha como objetivo ensinar às crianças o valor da poupança e os perigos do desperdício.

Segundo a autora do livro Lagom, Lola Akinmade Åkerström:

“Ao simplificar o nosso sustento do dia a dia, estamos não só a garantir que reduzimos o desperdício, como também reduzimos a pressão sobre as nossas carteiras.”

Procure entretenimento grátis e boas oportunidades de negócio

Segundo o Lagom, algumas das melhores coisas da vida são mesmo grátis, pelo menos no que diz respeito ao entretenimento. Quanto às compras, tal como o Hygge dos dinamarqueses, o Lagom incentiva também às compras de artigos em segunda-mão e aos passeios por parques, visitas a bibliotecas (de onde podemos trazer livros sem pagar e, depois, devolvê-los quando acabarmos de os ler) e museus. Em Portugal, esta última sugestão faz todo o sentido, especialmente quando temos tantos museus com entrada grátis ao domingo de manhã.

Cultive os 3Rs

Exemplo de um Upcycle/reutilização

Na Suécia, dá-se uma importância enorme aos 3Rs, neste caso, Reutilizar, Reencher e Reciclar. Isto passa por reutilizar sacos de compras, optar por reparar em vez de comprar novo, por comprar em segunda mão e até por praticar upcycling, ou seja, transformar artigos velhos noutros artigos com uma utilidade diferente.
Estas práticas não são apenas atos sustentáveis; quando enraizadas no nosso modo de vida, ajudam-nos, consequentemente, a poupar muito dinheiro.

 

foto: Editorial Presença

 

Esperamos que tenha gostado deste artigo de inspiração nórdica, à semelhança do artigo “Bons hábitos financeiros que podemos aprender com o fenómeno dinamarquês Hygge“. 🙂
Deixamo-lo com um provérbio tradicional sueco que sumariza na perfeição aquilo que defende o Lagom:

“Mais vale ter um pedaço de pão no bolso do que uma pena no chapéu.”
provérbio sueco