Esta semana, foi publicada em Diário da República uma lei que obriga os bancos a reflectirem os juros negativos da Euribor no Crédito Habitação. A Dica do Doutor explica-lhe o impacto que esta lei pode ter na sua prestação. 

Desde o dia 19 que os bancos são obrigados a refletir os juros negativos da Taxa Euribor para contratos em que os spreads ou a margem comercial ficaria abaixo dos 0,3%. Com a taxa Euribor atualmente com valores negativos, vão haver taxas de juros que juntamente com o spread se traduzem numa taxa de juro negativa – na prática, haverá bancos que irão pagar capital a alguns clientes por inerência de uma taxa de juro do empréstimo negativa. 

Esta medida irá traduzir-se num breve alívio financeiro para algumas famílias portuguesas, mas é apenas transitória, pois as taxas Euribor encontram-se em valores negativos.  Nestes casos, os Bancos vão criar um crédito dos juros negativos, que será feito o encontro de contas quando as taxas Euribor subirem e a taxa final ficar em terreno positivo. 

“Esta lei vai ser aplicada a todos os Créditos Habitação?”

O seu Crédito Habitação pode não estar abrangido por esta lei, mas existe uma questão importante que todos deverão refletir. Atualmente a taxa Euribor encontra-se a valores negativos, numa estratégia de estimular a economia e o consumo. Contudo, à medida que a economia real for recuperando, ela irá gradualmente subir e, como consequência, todos os clientes com crédito habitação irão ter um agravamento de prestação pelo mesmo empréstimo, ou seja, iremos pagar mais de prestação mensal sem contrair ou aumentar o empréstimo. 

Ao verificar as tendências das últimas décadas, verificamos que a taxa Euribor tem períodos de subida e de descida, acompanhando os ciclos económicos das sociedades. Se analisarmos o que se passou nos últimos anos, podemos constatar que em 2000, a Euribor a 6 meses no mês de Agosto estava a 4,916%. Em 2005, a mesma Euribor desceu para 2,156%. Em 2010, em plena crise económica, baixou para 1,145%, como forma a estimular o consumo e a economia real. Atualmente, em pleno ciclo de recuperação económico, a mesma taxa está num período de subida e estima-se que irá subir nos próximos anos para valores que poderão atingir os de 2005. 

Verifique os cenários abaixo

Analisemos três cenários que demonstram o impacto na prestação mensal, para um empréstimo habitação de 200 mil euros, num prazo de 30 anos e com um spread de 0.25%:

Crédito Habitação para 200.000€
Cenário A​Cenário BCenário C
Spread0,25%​0,25%​0,25%​
Euribor-0,3%​1%​2%​
Taxa Final​-0,05%1,25%​2,25%​
Prestação Mensal​551,39€​666,50€​764,49€​
(+115,11€)​(+213,10€)​

Como podemos verificar, com a subida que irá ocorrer na Taxa Euribor, o que paga atualmente pelo seu crédito terá um incremento de cerca de 20% ou mesmo 30%.

E quando a Euribor subir e a sua prestação mensal aumentar, consegue continuar a cumprir os seus compromissos financeiros?

Reforçamos assim que é importante manter um orçamento familiar equilibrado, conseguir gastar menos do que ganha, criar uma poupança mensal que lhe permita salvaguardar estas subidas de custos ou algum imponderável que surja, investir noutros rendimentos e fazer compras conscientes, estas são algumas medidas comportamentais que promovem e salvaguardam a sua saúde financeira familiar.  

Para poder ter uma poupança extra, verifique as condições dos seus créditos e dos seus seguros, podendo recorrer a um dos nossos consultores especializados que irão analisar o seu caso pessoal e verificar gratuitamente as melhores propostas de mercado para que possa pagar menos pelos custos que hoje já tem de pagar. 

Comece a poupar hoje para poder cumprir os seus encargos mensais de amanhã, sabendo e percebendo que eles serão maiores.